terça-feira, agosto 4, 2020

    Tag: racismo religioso

    Foto: Roger Cipó

    ‘O racismo religioso se agravou muito no Brasil nos últimos anos’

    A perseguição às religiões de matriz africana diante do projeto de poder das religiões cristãs. Esse é o tema do livro “Intolerância Religiosa” (Pólen Livros/Selo Sueli Carneiro), escrito pelo babalorixá e pesquisador mestre e doutor em Semiótica pela Universidade de São Paulo, Sidnei Nogueira. O livro é o oitavo título da Coleção Feminismos Plurais, coordenada pela mestra em Filosofia Política Djamila Ribeiro. A Coleção tem publicado obras escritas por pessoas negras por uma perspectiva racial crítica e tratam de conceitos recorrentes no debate público do país. Em entrevista à editoria de Justiça da CartaCapital, o babalorixá apresentou o livro, a quem ele se destina e como estão atualmente os índices públicos de casos de “discriminação religiosa”, como ataques e depredações a terreiros, espaços geográficos dedicados à prática coletiva das religiões de matriz africana. Nogueira também introduz algumas questões tratadas em sua obra, como diferença intolerância religiosa de racismo religioso, e ...

    Leia mais
    Foto: Wesley Almeida/cancaonova.com

    A juventude negra evangélica tem algo a afirmar: Não somos modinha

    Nos últimos anos, percebemos o crescimento da população evangélica no Brasil. Segundo o Censo de 2010, são 42 milhões de evangélicos no país, dos quais cerca de 23 milhões são pessoas negras. Ou seja, a maioria dos evangélicos são negros, e, junto com o aumento da presença de jovens negros nas universidades, vivemos no Brasil um momento em que a juventude negra evangélica começa a tomar mais consciência racial. Entretanto, esbarramos em um obstáculo: na igreja e nos seminários, as histórias e referências de negras e negros evangélicos que atuaram na luta antirracista do Brasil foram apagadas. Não existem muitos documentos ou produções de fácil acesso e didáticas para o jovem negro conseguir afirmar que não existe conflito entre sua cor, sua luta e sua fé. Isso também não chega aos movimentos sociais. Então, quando a juventude negra evangélica começa a atuar dentro do movimento negro, ela começa a ter ...

    Leia mais
    Imagem retirada do

    Intolerância religiosa: o racismo cultural que vem desde a colonização

    A intolerância com as religiões afro-ameríndias é um retrato do racismo cultural presente desde o tempo da colonização. O Brasil tenta apagar 400 anos da sua história, apagar elementos que ajudaram na construção do país. Esse apagamento da cultura das pessoas trazidas da África e do povo nativo foi uma missão iniciada com os Jesuítas e que é feita até hoje. Por RENNAN LETA, do Voz das Comunidades Imagem retirada do Voz das Comunidades 21 de janeiro. Nesta data, desde 2007, é celebrado o Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa. O dia foi escolhido em homenagem à Iyalorixá Mãe Gilda de Ogum, que faleceu em 2000, vítima de um infarto por ver o seu terreiro ser atacado e outros seguidores agredidos. Em novembro de 2014, foi feito um busto em homenagem à Mãe Gilda, no bairro de Itapuã (BA). Dois anos depois, o busto foi ...

    Leia mais
    blank

    O Dia Nacional de Intolerância Religiosa, foi lembrado com várias atividades no Rio de Janeiro.

    O evento foi organizado pelo Centro de Articulação de Populações Marginalizadas (Ceap) e a Comissão de Combate à Intolerância Religiosa (CCIR). A intolerância ainda é um dos maiores desafios para a construção da coexistência pacífica em várias parte do mundo. O evento trouxe à cena casos de intolerância religiosa no Brasil, onde o Rio de Janeiro, infelizmente, lidera as ocorrências. Só no ano passado, a CCIR calculou 201 casos, entre ataques e ameaças direcionados as religiões de matriz africana. No Portal RBN Imagem retirada do site Portal RBN A data do dia 21 – Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa, foi criada em homenagem à Mãe Gilda, Iyalorixá que foi vítima de intolerância religiosa no fim de 1999. Também é alusivo ao O Dia Mundial da Religião. Tem o objetivo de promover o respeito, a tolerância e o diálogo entre diversas religiões existentes no mundo, ...

    Leia mais
    Foto: Deldebbio

    Registros de intolerância religiosa aumentam 22% no estado de SP

    Crescimento é referente ao ano 2019, em comparação a 2018. Casos de injúria, calúnia e difamação predominam nos boletins de ocorrência. Por Amanda Lüder, no G1 Foto: Deldebbio Os registros de casos de intolerância religiosa aumentaram 21,75% em 2019 no estado de São Paulo, na comparação com 2018. Os dados foram obtidos pela GloboNews via Lei de Acesso a Informação (LAI) junto à Polícia Civil e são relativos aos boletins de ocorrência registrados com esta natureza. A maioria dos casos foi registrada nas delegacias como injúria, calúnia e difamação: esses três tipos de ocorrência representaram, juntos, 99% dos casos em 2019. Nesta terça-feira (21), é celebrado o Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa e Dia Mundial da Religião. Nos boletins de ocorrência (BOs), o campo para preenchimento da natureza da ocorrência como intolerância religiosa foi criado somente em novembro de 2015. Número de BOs Em ...

    Leia mais
    Ritual de iniciação no candomblé no Rio de Janeiro. - Foto: Lianne Milton/Especial para o The Washington Post

    Neopentecostais armados atormentam minorias religiosas brasileiras

    Evangélicos ligados a gangues criminosas vêm atacando membros de minorias religiosas Por Terrence McCoy (The Washington Post), na Folha de São Paulo Ritual de iniciação no candomblé no Rio de Janeiro. - Foto: Lianne Milton/Especial para o The Washington Post Ele ouviu batidas fortes na porta. Estranho, pensou o sacerdote –ele não estava esperando ninguém. Marcos Figueiredo foi até a entrada do terreiro e abriu a porta. Armas. Três delas. Todas apontadas para ele. O “Bonde de Jesus” havia chegado. Eram três membros de uma quadrilha de cristãos evangélicos extremistas que assumiu o controle do bairro pobre de Parque Paulista, em Duque de Caxias. Primeiro a quadrilha montou barreiras nas ruas para impedir a entrada da polícia e criar um refúgio seguro para o tráfico a uma hora de carro do Rio de Janeiro. Agora, estava atacando qualquer pessoa cuja religião não se alinhasse com a ...

    Leia mais
    blank

    Terra de Zumbi teve maior atentado contra religiões afro do país

    Em 1912, dezenas de terreiros foram destruídos em Maceió; hoje, Alagoas é o quinto estado com mais mortes de negros Por David Lucena, da Folha de S.Paulo Aos gritos de "quebra!", um grupo de homens invadiu, por volta das 22h30, o terreiro de Chico Foguinho. A cerimônia religiosa estava no auge e os praticantes, pegos de surpresa, foram agredidos pela multidão. Alguns objetos sagrados, como utensílios, adornos, vestes e instrumentos, foram destruídos ali mesmo; outros foram jogados na rua e incinerados, formando uma grande fogueira. A cena se repetiu outras dezenas de vezes na mesma noite. Aquele 1º de fevereiro de 1912, em Alagoas, entraria para a história como o maior atentado contra religiões de matriz africana no Brasil. Foto: Eduardo Knapp/Folhapress O Carnaval seria dali a algumas semanas. Simulando uma prévia carnavalesca, homens liderados pela Liga dos Republicanos Combatentes partiram da sede da entidade, na ...

    Leia mais
    Membros da Federação de Umbanda e Candomblé de Brasília e Entorno lamentam depredação da Praça dos Orixás (foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press )

    Religiões de matriz africana são alvos de 59% dos crimes de intolerância

    Apesar de representarem apenas 0,2% da população do DF, os adeptos das religiões com ligações africanas são os que mais sofrem com o preconceito: 59,42% dos crimes de intolerância, somando todas as religiões, têm esses grupos como alvos Por Alan Rios, do Correio Braziliense Membros da Federação de Umbanda e Candomblé de Brasília e Entorno lamentam depredação da Praça dos Orixás(foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press ) "Axé é uma palavra que quer dizer força, luta, vitória", explica Mãe Marinalva, adepta da umbanda e do candomblé. Ela tem um terreiro em Santa Maria e faz parte da população do Distrito Federal que sofre ataques simplesmente por suas crenças, e “precisa de muito axé” para ter liberdade na fé. Só 0,2% dos moradores da capital seguem religiões de matrizes afro-brasileiras, segundo dados do último censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Porém, um levantamento com dados da ...

    Leia mais
    "Coletivo Iemanjá" foi criado após atos de intolerância praticados contra religiões de matriz africana na Capital(Foto: Divulgação)

    Entidades elaboram carta contra perseguição às religiões de matriz africana em Florianópolis

    Documento será entregue ao Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) após imagem da divindade africana ter sido depredada no Ribeirão da Ilha No DC "Coletivo Iemanjá" foi criado após atos de intolerância praticados contra religiões de matriz africana na Capital(Foto: Divulgação/Reprodução DC) O vídeo que mostra uma imagem de Iemanjá sendo depredada com uma marreta em Florianópolis motivou a elaboração de uma carta destinada ao Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) contra a perseguição às religiões de matriz africana. O documento foi elaborado pelo "Coletivo Iemanjá", composto por entidades representativas das religiões e pelo poder público. A carta será entregue nesta quarta-feira (2) na Câmara de Vereadores de Florianópolis em um ato denominado “Carta Iemanjá”. Assim como a ideia da reivindicação, o Coletivo Iemanjá também foi criado após o recente episódio de intolerância religiosa no Ribeirão da Ilha, praticado contra a imagem da orixá feminino das ...

    Leia mais
    arquivo pessoal

    Fé democrática

    Liberdade religiosa se fortalece com pluralismo laico, não com teocracia Por Thiago Amparo, na Folha de São Paulo Thiago Amparo (Arquivo Pessoal) Algo de bom se perdeu no discurso de Bolsonaro na ONU semana passada, quiçá inaudível dada a histeria com a qual o mandatário decidiu revestir sua fala míope. “A perseguição religiosa é um flagelo que devemos combater incansavelmente”, disse o presidente, corretamente. Num tom teocrático, citou Deus quatro vezes. Quase invariavelmente, frases de efeito são carregadas de ironia. Desde o início de seu governo, em sua cruzada anti-gênero, Bolsonaro tem se alinhado em votações nas Nações Unidas a países pouco amigáveis a cristãos, como Arábia Saudita e Paquistão. Ao viajar a Israel no começo do mandato, Bolsonaro não se importou em visitar a vizinha Belém, na Palestina, cidade onde historicamente cristãos comandam a prefeitura. Se quisermos proteger liberdades religiosas, precisamos separar o joio do ...

    Leia mais
    Tribunal de Justiça da Paraíba (TJ-PB), em João Pessoa — Foto: Ednaldo Araújo/TJPB

    Mulher é condenada por injúria após ofender duas candomblecistas na PB

    Uma mulher foi condenada a um ano e nove meses de prisão e 35 dias-multa pelo crime de injúria após ofender duas candomblecistas em março de 2019 na Paraíba. De acordo com os autos do processo, a condenada chamou o casal de mulheres de “macumbeiras, sapatão e pomba gira dos infernos”. Do  G1  Tribunal de Justiça da Paraíba (TJ-PB), em João Pessoa — Foto: Ednaldo Araújo/TJPB A mulher foi denunciada pelo Ministério Público da Paraíba (MPPB) pelos crimes de injúria referente a raça, cor, etnia ou religião, duas vezes. Em depoimento, as vítimas narraram que convivem maritalmente há mais de 13 anos e são da religião do candomblé. Ambas confirmaram que a condenada enviou mensagens para uma testemunha com injúrias à religião das duas. Na sentença, o juiz Geraldo Emílio Porto, da 7ª Vara Criminal de João Pessoa, destaca que os fatos descritos foram comprovados durante ...

    Leia mais
    FABIO TEIXEIRA/BBC

    Relatos apontam proliferação de ataques às religiões afro-brasileiras

    Casos incluem invasões de templos, destruição de imagens, incêndios de residências e pichações Por Fábio Marton, da Folha de São Paulo FOTO: UESLEI MARCELINO/REUTERS A notícia saiu no dia 14 de agosto. Oito traficantes cariocas foram presos por ataques em terreiros de candomblé em Duque de Caxias, no Rio. Pertenciam ao Terceiro Comando Puro, facção que, segundo o delegado responsável pela investigação, tem como chefe um pastor. Em ação, eles se denominavam o Bonde de Jesus. Parece uma incongruência falar em traficantes crentes, mas não se trata de algo inédito. Basta lembrar dos devotos narcotraficantes mexicanos e seus santos, como Jesús Malverde e Santa Muerte. No entanto, enquanto no México os narcos se dedicam a exterminar rivais com a bênção de santos apócrifos, no Brasil falamos de pessoas que seguem (ou acreditam seguir) uma corrente cristã histórica, internacional, popular e em ascendência. Destruir terreiros não é ...

    Leia mais
    "Quando as pessoas dizem ‘ninguém ficou ferido’, eu fiquei ferida sim, essa facada do racismo dói diariamente em nós" / Giorgia Prates

    Em Curitiba, marcha se posiciona contra intolerância religiosa e racismo

    Manifestantes sofrem, durante evento, caso de ameaça racista. Autor é acusado de injúria e lesão corporal grave Por Laís Melo, do Brasil de Fato "Quando as pessoas dizem ‘ninguém ficou ferido’, eu fiquei ferida sim, essa facada do racismo dói diariamente em nós" (Foto: Giorgia Prates) Cerca de duas mil pessoas se reuniram em Curitiba, ontem (15), para a “Passeata Contra Intolerância Religiosa”, que reuniu representantes de diversas religiões. Em sua terceira edição na capital paranaense, a manifestação saiu da Praça Tiradentes e caminhou até a Praça Eufrásio Corrêa, em frente à Câmara Municipal, posicionando-se contra discriminações religiosas, no reconhecimento que os cultos de matriz africana são os mais atacados. Agressão Testemunhas da passeata afirmam que tudo transcorreu tranquilamente, quando houve um evento isolado: um homem, com uma faca de cozinha em mãos, proferiu ameaças contra os manifestantes, afirmando que “mataria 400 negros macumbeiros, essa gente ...

    Leia mais
    blank

    Debate sobre racismo religioso aumenta dentro de igrejas e opõe evangélicos

    Excluídos de evento sobre tema, cristãos progressistas veem preconceito com religiões afrobrasileiras Por Anna Virginia Balloussier, da Folha de São Paulo Dá para ser racista evocando o nome de Deus. Acontece direto em igrejas evangélicas, diz a educadora social Fabíola Oliveira. Fabíola Oliveira, que já foi do candomblé, e hoje segue uma igreja evangélica. (Foto: Ricardo Borges/Folhapress) O racismo religioso no Brasil, afirma, é a “capacidade de desqualificar o credo do outro desde que ele tenha ligação com a África”. Alguns espaços evangélicos são pródigos em esculhambar candomblé, umbanda e outras religiões afrobrasileiras, descritas como “coisa do diabo”. Fabíola, 35, é negra, fiel da Comunidade Batista de São Gonçalo (RJ) e conhece bem o candomblé: até 2015, era a sua religião. Mas não é por ter se convertido ao cristianismo que vai “passar pano” para o preconceito, afirma. A educadora debateria o tema na semana passada ...

    Leia mais
    Foto: Deldebbio

    MPF divulga relatório sobre violência religiosa e debate perseguição contra religiões afro-brasileiras

    Auditório da Procuradoria da República no Estado do Rio de Janeiro foi palco do seminário “Perseguição religiosa: um estado de coisas:cenários e desafios” Foto: Deldebbio Promovido pela Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, com apoio da Escola Superior do Ministério Público da União, o evento aconteceu na última quarta-feira (28). Profissionais de diversas áreas e representantes da sociedade civil debateram o aumento da violência contra religiões de matrizes afro-brasileiras. Abrindo o debate, o procurador da República Jaime Mitropoulos, integrante do GT de Enfrentamento ao Racismo da Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, apresentou o trabalho realizado pela relatoria Estado Laico e Violência Religiosa, da PFDC. A relatoria foi criada após o fórum interreligioso de São Paulo ter denunciado o aumento dos casos de intolerância religiosa em todo Brasil e teve como objetivo verificar a efetividade de políticas públicas nacionais de promoção da igualdade racial, de salvaguarda ...

    Leia mais
    blank

    “Traficantes de Jesus”: Policia e MPF miram intolerância religiosa no Rio

    A Polícia Civil e o MPF (Ministério Público Federal) se articulam para interromper ataques reiterados de quadrilhas de traficantes contra terreiros de religiões de matriz africana localizados em comunidades na Baixada Fluminense e em São Gonçalo, na região metropolitana do Rio de Janeiro. Na última quinta-feira (13), homens de quatro delegacias deflagraram uma operação para reprimir criminosos que expulsaram um pai de santo em uma favela de Nova Iguaçu, na baixada. O MPF pediu informações a 120 grupos religiosos que atuam nas prisões com autorização da Seap (Secretaria de Administração Penitenciária). Por Igor Mello, Do UOL (Imagem retirada do site Brasil de Fato) A ação policial ocorreu na comunidade do Buraco do Boi e contou com a participação da Decradi (Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância), DCOD (Delegacia de Combate às Drogas), Desarme (Delegacia Especializada em Armas, Munições e Explosivos) e da 58ª DP ...

    Leia mais
    blank

    A demolição de um templo de candomblé em Brasília e a liberdade religiosa.

    Mais uma vez, os adeptos das religiões de matrizes africanas foram surpreendidos por um ato de agressão e de intolerância religiosa. Infelizmente, o abuso partiu daquele que deveria garantir integralmente a liberdade religiosa e de crença, o próprio estado brasileiro. É que o Governo do Distrito Federal (GDF) derrubou a construção de uma filial do terreiro de candomblé Caboclo Boiadeiro, um dos mais antigo da capital federal, fundado em 1975. Por  Danilo Molina, do DCM  Imagem retirada do site DCM O caráter persecutório da ação do GDF contra as religiões de matrizes africanas foi constatado pela Ordem dos Advogados do Brasil do Distrito Federal, que decidiu recorrer do caso, a partir do entendimento de que a destruição do terreiro foi um ato de intolerância religiosa. Dentre os agravantes, estão a alegação da direção do centro de que não foram notificados do ato intempestivo do governo e ...

    Leia mais
    Traficantes ordenam para que 100 terreiros fechem no estado do RJ (Reprodução/Rede Globo

    Traficantes dão ordem para fechar terreiros na Baixada Fluminense

    Último caso aconteceu na semana passada em Duque de Caxias, quando um criminoso exigiu o fechamento de vários terreiros na região. Comissão estima que em todo o estado cerca de 100 terreiros tenham recebido ameaças. Por Amanda Prado e Pedro Bassan, do G1 Traficantes ordenam para que 100 terreiros fechem no estado do RJ(Reprodução/Rede Globo) Os casos de intolerância religiosa têm aumentado no Rio de Janeiro e traficantes estão impedindo terreiros de umbanda e candomblé de funcionar. O último caso aconteceu na semana passada em Duque de Caxias, Baixada Fluminense, quando um criminoso ordenou o fechamento de vários terreiros. Relatos de testemunhas à polícia mostram que houve uma ação coordenada pra fechar terreiros na região, especialmente no Jardim Gramacho e arredores. Investigadores dizem que a Baixada concentra boa parte das ameaças registradas esse ano. "Ningúem é maluco de peitar, foram 15 barracões, 15 babalorixás de nome, ...

    Leia mais
    Reprodução/Fcebook

    Mais um caso de intolerência religiosa

    Hoje, dia 17/04, recebemos este vídeo que traz o desespero do Babalorixá Johnny Luz de Ode, membro do grupo de estudos de Ifá, que mostra que a sua casa Ile Axe omo Ode Kewala foi invadida e seus objetos sagrados quebrados. Via Babalawo Ivanir Dos Santos no Facebook  Segundo o Babalorixá Jone o crime aconteceu na data de hoje, em Maricá, local onde fica o seu terreiro que estava sendo construído aos poucos e com muito esforço. Estamos estarrecidos com mais um caso em tão pouco tempo. Há poucos dias divulgamos aqui um ataque a um terreiro em Nova Iguaçu e agora recebemos essa notícia de Maricá. Os órgãos competentes precisam tomar providências o quanto antes. Não pode prevalecer a impunidade! A justiça precisa ser feita se queremos combater realmente essas ações tão graves de intolerância religiosa. Seguiremos mobilizados em busca de liberdade religiosa e que as religiões de matrizes africanas possam ...

    Leia mais
    Cerimônia em homenagem a Yemanjá em Salvador - Lucio Tavora-2.fev.19:AFP

    Decisão do STF abate o racismo religioso

    Quem vocifera contra cultos de matriz africana busca ditar quando e onde direitos da população negra podem ser exercidos por Thiago Amparo no Folha de São Paulo Cerimônia em homenagem a Yemanjá em Salvador - Lucio Tavora:AFP Dia 28 de março de 2019. STF declara constitucional o sacrifício ritual de animais em cultos de religiões de matriz africana. O fundamento: resguardar liberdade religiosa. A condição: prática deve ser feita sem crueldade. O recurso à mais alta corte foi movido pelo Ministério Público do Rio Grande do Sul. Em tempos de espetacularização do debate, visões antagônicas sobre a questão se seguiram à decisão do STF. Algumas delas tragicômicas; e tantas outras abertamente discriminatórias. Poucas, no entanto, conseguiram enxergar além da fumaça da polarização. Houve de tudo. Juristas compararam rituais de religiões de matriz africana a vaquejadas e brigas de galo, ambas práticas declaradas inconstitucionais pelo STF. Uma ...

    Leia mais
    Página 1 de 2 1 2

    Últimas Postagens

    blank

    Artigos mais vistos (7dias)

    Instagram

    Twitter

    Facebook

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist