Tatuador e rapper montam biblioteca comunitária na Cachoeirinha

O frentista e rapper Roni Kléber, 35, e o tatuador Edmilson Peixoto de Lima, 32, trabalham na Vila Nova Cachoeirinha, na zona norte, e decidiram fazer do seu estúdio de tatuagem um espaço de leitura, em uma região com poucos livros em bibliotecas.

A ideia de montar uma biblioteca comunitária começou ano passado, quando tentaram apoio por meio do programa VAI (Valorização de Iniciativas Culturais), da Prefeitura de São Paulo, para criar uma ação semelhante ao Ruas Abertas no bairro, com serviços como cabeleireiro, manicure e emissão de documentos.

No entanto, eles não foram selecionados, mas a desclassificação fez Edmilson focar em uma outra iniciativa. Como a paixão de ambos foi sempre a leitura e viam a falta de bibliotecas na região, decidiram contribuir ao seu modo.

img_0200-750x563
Amigos estão montando acervo (Foto: Kelly Mantovani/Folhapress)

“Acredito que os jovens estão sem base. O próprio sistema faz isso”, afirma Edmilson. Para ele, que cresceu no bairro, os jovens sendo leitores conquistam mais oportunidades, tanto na vida profissional quanto na família. “Se conseguimos educar pessoas, formamos famílias estruturadas”, diz.

O acervo, aos poucos, está ganhando corpo com livros de ciências, história, geografia, religiões a obras infantis, histórias em quadrinhos, entre outros.

Haverá um  catálogo virtual e outro físico, com controle de leitura, mas a devolução dos livros será na base da confiança. “Ninguém vai precisar usar comprovante de residência”, ressalta com relação às pessoas que enfrentam dificuldades de apresentar esse documento por morar em favelas.

A oportunidade será para pesquisas e ajudar quem não tenha internet. “Muitos não têm as mesmas oportunidades. Fazemos a periferia enxergar a periferia”, diz.

Segundo levantamento da Rede Nossa São Paulo, o distrito de Casa Verde/Cachoeirinha tem cerca de um livro infanto-juvenil em bibliotecas para cada dois moradores e cerca de um título adulto para cada dez adultos. A média recomendada pela Unesco é que cada bairro ofereça o equivalente a dois livros por habitante.

img_0204-750x563
Ideia é ajudar a reduzir a falta de obras na região; projeto da prefeitura está paralisado (Kelly Mantovani/Folhapress)

Nos últimos dez anos, o número de obras infantis na região caiu de 15 mil para 5.000, enquanto os de adultos teve queda de 30 mil para 25 mil.

Na comparação com outros bairros, a região da subprefeitura da Mooca, são 2,18 livros por habitante, enquanto em São Mateus e Cidade Ademar os índices chegam a zero.

Não há projetos de bibliotecas para a Cachoeirinha no plano de metas da gestão Fernando Haddad (PT). Para tentar atender à demanda, a Prefeitura de São Paulo tem o projeto ônibus-biblioteca, que está suspenso nas regiões norte, sul e leste da cidade.

A Secretaria Municipal de Cultura informou que aguarda decisão judicial devido à uma ação de uma empresa participante da licitação para contratação dos ônibus, mas não há prazo para retorno do serviço.

Kelly Mantovani, 22, é correspondente da Vila Nova Cachoeirinha
[email protected]

Foto em destaque: Reprodução/ Folha de S.Paulo 

+ sobre o tema

Música de Beyoncé desbanca Radiohead e Strokes e é eleita a melhor da década

Depois da eleição dos discos mais importantes da década,...

Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa

Em 2015 foram protagonizados contra as crenças de matriz...

Filme Chocolate é um retrato trágico e cômico do racismo

Em cartaz no Recife, obra narra a história do...

para lembrar

Halle Bailey brilha no 1ª pôster de “A Pequena Sereia”; veja

Para quem ama um bom conto de fadas, essa...

Morre a atriz Nichelle Nichols, a tenente Uhura, de ‘Star Trek’, aos 89 anos

Morreu na noite deste sábado (30) a atriz Nichelle...

Teresina recebe mostra do fotógrafo francês Pierre Verger nessa quinta

Exposição será aberta na quinta-feira (12) no Museu do...

“Solano, vento forte africano” realiza temporada virtual gratuita

Dois anos após estrear no teatro, volta à cena...
spot_imgspot_img

Segundo documentário sobre Luiz Melodia disseca com precisão o coração indomado, rebelde e livre do artista

Resenha de documentário musical da 16ª edição do festival In-Edit Brasil Título: Luiz Melodia – No coração do Brasil Direção: Alessandra Dorgan Roteiro: Alessandra Dorgan, Patricia Palumbo e Joaquim Castro (com colaboração de Raul Perez) a partir...

Nota de pesar: Flávio Jorge

Acabamos de receber a triste notícia do falecimento do nosso amigo e companheiro de militância Flávio Jorge, o Flavinho, uma das mais importantes lideranças...

Flávia Souza, titular do Fórum de Mulheres do Hip Hop, estreia na direção de espetáculo infantil antirracista 

Após mais de vinte anos de carreira, com diversos prêmios e monções no teatro, dança e música, a multiartista e ativista cultural, Flávia Souza estreia na...
-+=