quinta-feira, fevereiro 9, 2023
InícioQuestões de GêneroLGBTQIA+Taxistas participam de curso sobre direitos da comunidade LGBT no Pará

Taxistas participam de curso sobre direitos da comunidade LGBT no Pará

Entidades que defendem os direitos humanos promovem o curso para 90 taxistas da Cooperdoca

Do Portal Amazônia

FOTO: WAGNER ALMEIDA / ASCOM SEJUDH
DATA: 07.02.2017
BELÉM – PARÁ

A Gerência de Proteção à Livre Orientação Sexual (Glos) da Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh) iniciou nesta terça-feira (7) uma capacitação para a Cooperativa dos Taxistas da Doca (Cooperdoca) com o objetivo de sensibilizar a categoria quanto ao respeito às pessoas LGBTs, especialmente travestis e transexuais. O evento ocorreu na Unidade Integrada Pro Paz (UIPP) Guamá.

A ação foi definida em reunião entre a Glos e a cooperativa em outubro do ano passado, depois que uma travesti de 16 anos foi agredida, na madrugada do dia 20 do mesmo mês, por um grupo de pessoas. Taxistas estavam presentes na ocasião.

Para o presidente da Cooperdoca, Luiz Medeiros, é dever de todo cidadão saber dos direitos de todos, principalmente, da comunidade LGBT, que sofre ainda sofre com preconceito. “Capacitar-se e se informar é importante não só para nós, taxistas, mas também para toda a população. Aprender a lidar com as pessoas, com as diferenças, é essencial para o convívio em sociedade”, afirma.

A capacitação continua nesta quarta (8) e quinta-feira (9) e envolve 90 taxistas da cooperativa, que serão instruídos a respeito de conceitos, especificidades e reconhecimentos dos direitos da comunidade LGBT. O curso, que dá direito a certificado, tem a parceria de entidades como Pro Paz Diversidade, Defensoria Pública, Delegacia de Crimes Discriminatórios e Homofóbicos e Movimento LGBT do Pará.

Segundo a coordenadora do Pro Paz Diversidade, Beatriz de Almeida, a capacitação é uma forma de combate à discriminação. “O objetivo é esclarecer e sensibilizar os taxistas em relação às pessoas LGBT. Isso é essencial nos dias de hoje em nosso país, pois o Brasil tem um altíssimo índice de assassinatos de homossexuais. Para que o caso da travesti agredida não se repita, necessitamos conscientizar”, destaca.

O taxista Ismael Nogueira, que atua na profissão há mais de dez anos, reconhece que é necessário saber lidar com todos os públicos de maneira igual. “Se capacitar e se informar sobre as pessoas LGBT não é somente para nós, taxistas, e sim para a população com um todo. O que ocorreu foi um caso isolado, e estamos aqui para nos redimir. Queremos mostrar que somos uma categoria que procura sempre melhorar cada vez mais o atendimento”, diz.

Rafael Ventimiglia, membro do Conselho Estadual de Diversidade Sexual, entidade vinculada à Sejudh, discutiu com os taxistas sobre orientação sexual e as diferenças entre sexo, sexualidade e gênero. “Falar sobre esse assunto é fundamental para conscientizarmos a categoria que lida com a população de maneira direta. Eventos como esse são importantes para nós, pois eles garantem que os direitos da comunidade LGBT sejam reconhecidos, e importantes para eles, que aumentam a qualidade e a transparência dos serviços”, destaca.

O coordenador da Glos, Beto Paes, agradeceu pela presença dos taxistas no evento, o que, para ele, mostra o grande interesse em se conscientizarem sobre os direitos LGBT. “Isso mostra que eles estão dando um passo à frente e buscando conhecimento. É gratificante saber que essa categoria quer melhorar os serviços perante a comunidade LGBT e a população como um todo”.

Artigos Relacionados
-+=
PortugueseEnglishSpanishGermanFrench