«Moonlight» – Uma luta em silêncio contra o bullying

Uma das grandes surpresas do ano. Um filme independente que não se enquadra num “filme de óscares”. A homossexualidade é um tema comum no cinema queer e já fez parte de filmes vencedores de Óscares como é o caso de “Milk” (2008), “O Segredo de Brokeback Mountain” (2005) ou “Filadélfia” (1993), por exemplo, onde são tratadas questões como a descoberta do corpo, a curiosidade em conhecer os outros corpos masculinos, o preconceito e o medo e procura da identidade, articulando ainda o tema do racismo e das drogas. Mas nenhum tocou neles de forma tão singular e sublime como “Moonlight”. Não se compreende como um filme destes consegue, primeiro, chegar aos Óscares, ou seja, ser reconhecido por uma Academia um pouco conservadora, e segundo, receber oito nomeações. Todas elas são merecidas assim como todos os prémios que tem vindo arrecadar ao longo desta temporada de prémios. É o filme mais premiado nesta temporada, ao lado do seu rival “La La Land”.

Por Tiago Resende Do Cinema7

Barry Jenkins realiza a sua segunda longa-metragem, “Moonlight”, mas é como se esta fosse a sua primeira, pois passa do quase anonimato para o estrelato mundial. Num tom melancólico a narrativa divide-se na clássica divisão em três atos, a infância, a adolescência e adulta, em que Chiron, um rapaz homossexual negro, vive num bairro pobre de Miami, tenta descobrir a sua identidade. É uma história sobre a procura da identidade, mas é também uma história de amor.

Numa época de grandes tensões, de intolerâncias e onde o preconceito e crítica ao que é “diferente”, filmes como este ganham ainda mais sentido e força. Contudo, não se deve valorizar este filme pelo contexto atual da sociedade, mas sim pelo seu conteúdo e estilo.

Numa narrativa tradicional, Jenkins divide a estrutura em três atos, as três fazes de vida do protagonista, a sua infância (Little – Alex R. Hibbert), adolescência (Chiron – Ashton Sanders) e adulta (Black – Trevante Rhodes). “Little” e “Black” são alcunhas atribuídas ao protagonista. Os três nomes representam a mesma figura, que vive dentro de si uma luta em silêncio contra o bullying. Quase que o conseguimos ouvir gritar dentro de si. São três tempos que o realizador percorre de forma sublime e criativa. As elipses acontecem de forma natural, sempre com o simbolismo das cores, em especifico a cor azul que ao longo do filme vai dando sentido ao título do filme, assim como a paleta de cores usada pelo diretor de fotografia, que é notável.

Em “Moonlight” são abordados três temas complexos: a homossexualidade, a toxicodependência e o bullying que é uma consequência do primeiro. Sem tabus, mistérios ou preconceitos, estes temas são abordados de uma forma muito natural e universal. Sem longos diálogos, através do olhar das personagens e do silêncio entre elas sentimos o sofrimento e identificamos-nos com elas. A realização é sublime, com movimentos de câmara fabulosos, filmados em steadycam, assim como a montagem e o sólido elenco.

É um filme comovente que envolve o espectador, sobre a descoberta da identidade, com uma posição muito clara ao bullying e que foge aos estereótipos dos filmes queer que abordam estes temas. É um dos filmes mais honestos a tratar temas como o racismo e a orientação sexual. O ano ainda vai muito no inicio, mas “Moonlight” é provavelmente um dos melhores filmes do ano. Jenkins é um realizador a ficar atento. “Moonlight” é um daqueles filmes que nos deixa a pensar quando saímos da sala de cinema. É profundo e não deixará ninguém indiferente. Um filme de uma subtileza rara no cinema americano.

Realização: Barry Jenkins
Argumento: Barry Jenkins (argumento), Tarell Alvin McCraney (peça)
Elenco: Mahershala Ali, Shariff Earp, Duan Sanderson, Alex R. Hibbert, Janelle Monáe, Jaden Piner, Ashton Sanders, Trevante Rhodes
EUA/2016 – Drama
Sinopse: Uma história de ligações humanas e autodescoberta, o relato da vida de um jovem afro-americano desde a sua infância até à idade adulta, acompanhando a sua luta por encontrar um lugar no mundo à medida que cresce num bairro empobrecido de Miami. O filme é um retrato vital da vida contemporânea da comunidade afro-americana ao mesmo tempo que é uma meditação intensamente pessoal sobre identidade e uma obra revolucionária que reflete com grande compaixão e verdades universais.

+ sobre o tema

Portugual: Mulheres negras unidas exigem justiça

Nós, mulheres negras de várias idades, origens e profissões,...

Contando jornada doméstica, mulher trabalha mais do que homem, diz OIT

Estudo concluiu que mulheres trabalham 5 horas a mais...

Machismo, saúde da mulher e cirurgias plásticas: o que as panelas têm a ver com isso? – Por: Karen Polaz

Não precisa vasculhar exaustivamente a internet para encontrar notícias...

Olimpíadas

Recusando-se a cumprir o script adotado pela mídia na...

para lembrar

Joanna Maranhão conta como superou trauma do abuso sexual

Depois de duas tentativas de suicídio, nadadora diz que...

Por uma consciência humana

Há muitos séculos, desde a célebre “descoberta” do Brasil,...

Maratona online promove edição de verbetes sobre artistas e feministas negras na Wikipédia

Com eventos bimestrais, a maratona Edit -a - thon Artes...

Novo edital para Mulheres e Meninas Negras

O Fundo Baobá​ em parceria com a Benfeitoria e com apoio...
spot_imgspot_img

Instituto Mãe Hilda anuncia o lançamento do livro sobre a vida de matriarca do Ilê Aiyê

O livro sobre a vida da Ialorixá Hilda Jitolu, matriarca do primeiro bloco afro do Brasil, o Ilê Aiyê, e fundadora do terreiro Acé...

Centenário de Tia Tita é marcado pela ancestralidade e louvado no quilombo

Tenho certeza que muitos aqui não conhecem dona Maria Gregória Ventura, também conhecida por Tia Tita. Não culpo ninguém por isso. Tia Tita é...

Julho das Pretas: celebração e resistência

As mulheres negras brasileiras têm mais avanços a celebrar ou desafios para travar? 25 de julho é o Dia Internacional da Mulher Negra, Latino-americana e...
-+=