Reações de alunos fazem professores pararem com piadas homofóbicas

Aquelas piadinhas típicas de cursinho pré-vestibular estão com os dias contados. As direções de instituições preparatórias frequentadas pela classe média paulistana tem orientado seus professores a suspender comentários jocosos para evitar processos judiciais.

  

Vários alunos, em especial alunas, têm reclamado do que consideram homofobia e racismo aos seus pais e acabam cobrando explicações de piadas como “o movimento feminista mais importante na historia é o movimento dos quadris”.

“Virei chato. Não faço mais brincadeiras. Minhas aulas estão terminando mais cedo. Passo exercícios a mais”, diz um professor do Integratus, que não quis se identificar. Um professor do Anglo diz que é brincadeira entre meninos chamar professores de “bicha” e “veado”. No inicio de 2014, ele passou de sala em sala para informar que permitia que seus alunos usassem a palavra gay em sentido pejorativo. Para ele, o tema é tabu. “Entre 80 pessoas entenderem que é brincadeira e 20 acharem que você está incentivando alguma coisa, é melhor não fazer piada”.

Julia Castro, 19, aluna do Anglo diz que ela e três amigos saíram de sala após o professor dizer que “para comer uma empregada, o cara tem que levá-la ao Habib’s”. Ele fala que pobre adora Habib’s. “Essas brincadeiras reforçam o preconceito. Nossa luta já é difícil”, fala Julia.

No aniversario de uma estudante no ano passado, meninos sortearam quem a beijaria. A aniversariante não consentiu, mas foi obrigada a ceder pelo professor. Para Clara, que fez Integratus em 2013 e hoje cursa arquitetura na USP, “o humor que oprime alguém não merece a risada de quem assiste a aula. Não digo que não se deve fazer piadas. Mas que estas sejam inteligentes o suficiente para tirar sarro do opressor, não do oprimido”.

Jorge Ovando, gerente de marketing do Integratus, afirma que as queixas, em geral, são fruto de má compreensão. Luís Ricardo Arruda, coordenador-geral do Anglo, conta que a recomendação é tratar os alunos “com respeito”. Ele afirma ainda que “as piadas têm que ser adaptadas a seu tempo”

 

 

Fonte: Causas Perdidas 

+ sobre o tema

Arthur, transexual de 13 anos: “Acham que só quero chamar atenção”

Mesmo enfrentando preconceito e incompreensão fora de casa, o...

O discurso da tolerância como domesticação

Apenas uma sociedade profundamente intolerante pode invocar a necessidade...

Sem alarde nem preconceito Vigor aborda homossexualidade em anúncio para Facebook

Pode até ser que abordar homossexualidade em 2014 já...

Pela primeira vez no Chile, militar desafia homofobia e se declara publicamente gay

Mauricio Ruiz procurou ajuda do Movilh (Movimento de Integração...

para lembrar

Travesti é assediada, ameaçada e agredida em ônibus em Aracaju

Após reclamar de homem que a apalpava, estudante é...

Casal gay é expulso de bar e caso revolta internautas: ‘Fomos ignorados’

Jovens registraram b.o. e ingressaram com um processo na...

Jovem é agredida na Bahia por ‘ter cara de sapatão’

“Quando ele me forçou no muro e me deu...

Dona de restaurante terá que pagar R$ 20 mil após repreender beijo gay

Decisão foi divulgada pelo Tribunal de Justiça de São...
spot_imgspot_img

Homofobia em padaria: Polícia investiga preconceito ocorrido no centro de São Paulo

Nas redes sociais, viralizou um vídeo que registra uma confusão em uma padaria, no centro de São Paulo. Uma mulher grita ofensas homofóbicas e...

ONG contabiliza 257 mortes violentas de LGBTQIA+ em 2023

Em todo o ano passado, 257 pessoas LGBTQIA+ tiveram morte violenta no Brasil. Isso significa que, a cada 34 horas, uma pessoa LGBTQIA+ perdeu...

Justiça manda Governo do RJ pagar R$ 80 mil a Cacau Protásio por ataques em gravação em quartel dos bombeiros

A Justiça do Rio de Janeiro determinou, em segunda instância, que a atriz Cacau Protásio seja indenizada em R$ 80 mil por ataques e...
-+=