O rapper que une orgulho negro e gay nas suas letras

A música é um espaço ideal para expor modos de ver o mundo, e o rap vem se consolidando como canal para quem tem muito a dizer. É o caso de Jefferson Ricardo da Silva, mais conhecido como Rico Dalasam. Gay e negro, ele transforma em arte o que viveu.

Do Hypeness

Seu primeiro palco foi a rua em frente ao Shopping Santa Cruz, em São Paulo, onde há anos acontecem conhecidas batalhas de rimadores (nomes como Emicida, Rashid e Projota também passaram por lá). Foi ali que Rico, adolescente, percebeu que tinha outro talento em que poderia investir.

Outro porque, desde os 13 anos, ele já ganhava seu dinheiro como cabeleireiro, fazendo penteados e tranças. A carreira musical foi crescendo aos poucos: Rico cursou a faculdade de Audiovisual e trabalhou como produtor de moda antes de focar no rap. Não é por acaso que ele combina figurino estiloso e clipes caprichados.

As músicas do EP Modo Diverso, lançado em 2015, fizeram sucesso, e no ano seguinte saiu o primeiro álbum, Orgunga. O título vem de “Orgulho negro e gay”, sempre presente na atitude de Dalasam – nome artístico criado a partir da frase “Disponho Armas Libertárias a Sonhos Antes Mutilados”.

Versando sobre o posicionamento do gay na sociedade, preconceitos e auto aceitação sem abrir mão de referências pop divertidas e de sonoridade animada, o artista conclui: “Não adianta, protesto gay é fervo”. As letras de Orgunga são acompanhadas por batidas inovadoras, com timbres indianos e árabes, flautas e percussão brasileira.

Todas as fotos © Rico Dalasam

+ sobre o tema

Escassez de domésticas pode mudar hábitos da classe média

Estado terá que assumir responsabilidades como criar creches e...

Um desabafo sobre a série ‘Chewing Gum’ ou porque Tracey é uma personagem fantástica

O dramaturgo francês Georges Feydeau certa ocasião recomendou que...

para lembrar

Ensaio expõe a obsessão pelas características das mulheres negras

Cada vez mais as mulheres brancas norte-americanas fazem cirurgias...

Michelle Obama e Beyoncé: amigas e feministas?

As declarações públicas e as escolhas feitas por ambas...

De estrelas e putas vidas

Talvez pouca coisa seja mais reveladora da hipocrisia e...

Casal sofre homofobia de segurança do Museu Paranaense e são colocadas para fora

Um casal de mulheres decidiu visitar o acervo do...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=