Esta fotógrafa registrou o auge da cena dancehall jamaicana nos anos 1980

Entre o fim da década de 1970 e o início dos anos 1980, o reggae roots que fez o mundo conhecer a Jamaica deu espaço ao dancehall, mais animado e voltado às pistas de dança. Beth Lesser, fotógrafa canadense, se envolveu com o ritmo e fez vários registros fotográficos deste momento.

Do Hypeness

A chegada de equipamentos musicais eletrônicos ampliou as possibilidades que os jamaicanos tinham para fazer música. Logo se formaram os soundsystems, conjuntos de DJs, MCs e engenheiros de som que fizeram – e fazem – habitantes da ilha e de todo o mundo dançar.

A diversão era o objetivo dos músicos: desde o nome do gênero, inspirado nas casas de dança jamaicanas dos anos 1940, até as letras das músicas, que destacavam festas e sexo enquanto a violência entre gangues e na política ameaçavam o país. Yellowman e Eek-A-Mouse são dois dos nomes mais marcantes do Dancehall.

Beth Lesser e seu parceiro, David Kingston, começaram a se envolver com o reggae quando editaram as fanzines Reggae Quarterly, sobre artistas do momento. Nos anos seguintes, fizeram várias viagens para Kingston e para Nova York – uma capital do dancehall fora da Jamaica – para documentar os grandes artistas do movimento. Ela é autora de Dancehall: The Story of Jamaican Dancehall Culture (A História da Cultura Dancehall Jamaicana), onde as fotos desta matéria foram publicadas.

Stur Mars e deejay U Brown

Eek-A-Mouse sempre tinha um novo visual para performar

Membro do Youth Promotion e os equipamentos do grupo

Daddy Ants em reunião com amigos

Membros do Soundsystem Youth Promotion

Deejay Tiger experimentando novos sons em casa

El Figo Barker

Yellowman com dois pequenos fãs

O produtor e deejay Prince Jazzbo posa com seu filho e o cantor Joe Lickshot

Satan durante gravação

Jah Stitch escolhe discos para apresentação do Youth Promotion

Todas as fotos por Beth Lesser

+ sobre o tema

Chael Sonnen lutou dopado contra Anderson Silva

Foto UFC O americano versado...

Hamilton é advertido por incidente com Bruno Senna nos boxes

Mais rápido do primeiro dia de treinos para...

Seminário aborda discriminação

A UEFA junta-se às federações holandesa e inglesa...

Provei que não sou marginal, desabafa Felipe após título carioca

Mesmo sem defender pênalti, goleiro do Flamengo se sentiu...

para lembrar

Encontro do Hip Hop com a SEPPIR em São Paulo

No ultimo final de semana os representantes,militantes e ativistas...

Renato vai passar por cirurgia, mas voltará a jogar futebol

Procedimento de introdução de um catéter no coração será...

Emílio Santiago critica MPB atual: “É tudo muito cool”

Lançando o DVD "Só danço samba", cantor fala sobre...
spot_imgspot_img

Casa onde viveu Lélia Gonzalez recebe placa em sua homenagem

Neste sábado (30), a prefeitura do Rio de Janeiro e o Projeto Negro Muro lançam projeto relacionado à cultura da população negra. Imóveis de...

No Maranhão, o Bumba meu boi é brincadeira afro-indígena

O Bumba Meu Boi é uma das expressões culturais populares brasileiras mais conhecidas no território nacional. No Maranhão, esta manifestação cultural ganha grandes proporções...

“O batuque da caixa estremeceu”: Congado e a relação patrimonial

“Tum, tum-tum”, ouçam, na medida em que leem, o som percussivo que acompanha a seguinte canção congadeira: “Ô embala rei, rainha, eu também quero...
-+=