“Tem existido resistência das mulheres negras lésbicas das quebradas”, diz ativista

Cinthia Abreu, da Marcha Mundial das Mulheres, diz que a luta contra a lesbofobia tem partido das periferias

Por Camila Salmazio Do Brasil de fato

Entre 2014 e 2017, o número de assassinatos de mulheres lésbicas aumentou 237%, segundo pesquisa. / Foto: Wikimedia

No universo lésbico, o aumento do ódio não tem ficado apenas no discurso em redes sociais. Mulheres que tentam viver suas sexualidades de forma natural e optaram por amar outras mulheres são vítimas não só do machismo e da misoginia, como também da lesbofobia.

O Dossiê sobre lesbocídio no Brasil lançado este ano apontou que o assassinato de mulheres lésbicas aumentou 237% entre 2014 e 2017. A pesquisa feita pelo Grupo de Pesquisa Lesbocídio – As Histórias que Ninguém Conta, e pelo Nós: Dissidências Feministas também mostra que na maioria dos casos as mulheres eram jovens e negras.

Apesar dos números alarmantes, Cinthia Abreu, integrante da Marcha Mundial de Mulheres e da Marcha das Mulheres Negras de São Paulo explica que os dados também refletem a maior visibilidade dada para o tema nos últimos anos, graças a organização delas.

“Esse aumento é devido a visibilidade, as pessoas estão conseguindo falar que não é mais briga de rua, não é confusão, e sim um ato de lesbocídio, quando a gente é morta devido a nossa orientação sexual que é de ser lésbica nessa sociedade”, avalia.

Cinthia também fala sobre os chamados estupros corretivos, quando homens violentam sexualmente mulheres lésbicas como forma de “corrigir” a orientação sexual delas. “A gente vai notar que alguns desses atos aparece pela própria família, não são nem pessoas de fora. Isso acontece também dentro do âmbito familiar, quando a família, por si só, já tenta corrigir o que eles chamariam de desorientação sexual”

Acessar os serviços voltados ao público LGBT ofertados pelo governo é outro obstáculo. Essas mulheres geralmente estão no mercado de trabalho em postos precarizados ou invisibilizados.

“Nós lésbicas somos um grande público em serviços via telefonia, call centers, porque primeiro é um trabalho extremamente precarizado, sem grandes direitos garantidos, mas sobretudo porque lá a gente não é vista”, denuncia a ativista.

Dia Nacional da Visibilidade Lésbica, celebrado em 29 de agosto, foi instituído em 1996, na ocasião do 1º Seminário Nacional de Lésbicas e Bissexuais. Além de ajudar a jogar luz nas questões que violentam a vida dessas mulheres, a data representa a luta e resistência que tem crescido, principalmente nas periferias, através da voz das mulheres lésbicas negras.

“Tem existido uma resistência muito interessante das mulheres lésbicas das quebradas e das periferias. Uma nova forma de fazer política, de denunciar que é o slam, as poesias, os fanzines, os debates. Isso se dá, sem sombra de dúvidas as mulheres negras.”

Em São Paulo, o ato da visibilidade lésbica será em memória das que já se foram. A manifestação também vai denunciar as violências negligenciadas pelo Estado. O evento começa às cinco da tarde, na Praça do Ciclista, região da Avenida Paulista, no Centro.

+ sobre o tema

Em decisão histórica, STF derruba restrição de doação de sangue por homossexuais

O designer gráfico M.S., de 26 anos, sempre mentiu...

Pesquisa inédita vai mapear perfil sócio-demográfico de lésbicas no Brasil

A população que se identifica como lésbica e sapatão...

Curso capacita mulheres trans em empreendedorismo na cidade do Rio

No mês da visibilidade trans, comemorado em janeiro, um...

para lembrar

Ferramenta anticolonial poderosa: os 30 anos de interseccionalidade

Carla Akotirene, autora de Interseccionalidade, pela Coleção Feminismos Plurais,...

Jéssica Ellen, de ‘Totalmente demais’, fala de racismo: ‘Precisamos ser representados’.

Dandara dos Palmares lutou pela libertação dos negros no...

Carta aberta a Beatriz, Joacine e Romualda

Mais de 45 anos depois da ditadura, temos a...

Primeiro Emprego

Recentemente o jornal O Estado de São Paulo publicou...
spot_imgspot_img

Poesia: Ela gritou Mu-lamb-boooo!

Eita pombagira que riscaseu ponto no chãoJoga o corpo da meninade joelho num surrão. Grita ao vento seu nomeComo se quisesse dizerQue mulher tem que...

A mulher negra no mercado de trabalho

O universo do trabalho vem sofrendo significativas mudanças no que tange a sua organização, estrutura produtiva e relações hierárquicas. Essa transição está sob forte...

Peres Jepchirchir quebra recorde mundial de maratona

A queniana Peres Jepchirchir quebrou, neste domingo, o recorde mundial feminino da maratona ao vencer a prova em Londres com o tempo de 2h16m16s....
-+=