‘Tenho esperança de encontrar os três vivos’, diz mãe de um dos meninos desaparecidos na Baixada Fluminense

Enviado por / FontePor Fantástico, no G1

Tenho esperança de encontrar os três vivos – diz mãe de um dos meninos. Saiba mais a seguir.

Três mães devastadas de tanto sofrimento. Há 140 dias, elas não sabem nem “onde”, nem “como” estão os filhos Lucas, Fernando e Alexandre. As crianças desapareceram em um domingo, dia 27 de dezembro de 2020.

Rana é mãe de Alexandre e tia de Lucas. Os dois primos foram brincar em uma quadra ao lado do condomínio onde moram. Lá se encontraram com Fernando.

“Eu tenho esperança de encontrar os três vivos. Os três”, diz Tatiana da Conceição Ribeiro, mãe de Fernando Henrique.

As crianças saíram de uma área do Rio de Janeiro dominada por traficantes de uma facção onde eles moram e chegaram a uma área dominada pela milícia. A polícia não esconde que isso é um obstáculo para fazer o seu trabalho. Sem uma conclusão da polícia, as famílias se mobilizam pregando cartazes nas redondezas e indo pessoalmente atrás das crianças quando recebem informações anônimas pelo telefone. Sem notícias, a mãe mantém a esperança de encontrar os três vivos.

+ sobre o tema

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe...

Por que ser antirracista é tão importante na luta contra a opressão racial?

O Laboratório de Estudos de Gênero e História, da...

Caixa lança edital de concurso com 3,2 mil vagas para técnicos

A Caixa Econômica Federal publicou nesta quinta-feira (22), no...

Depois de um carnaval quente, é hora de pensar em adaptação climática

Escrevo esta coluna, atrasada, em uma terça-feira de carnaval. A...

para lembrar

Jovens negros na França: enquanto uns brilham na Copa, outros são mortos pela polícia

Moradores de Nantes atearam fogo em automóveis em protesto...

Apoiar entrada de jovens negros na universidade é pensar sobre qual futuro queremos

Em um cenário de crise aguda, a educação continua...

Aos jovens ricos, benevolência. Aos pobres, pelourinho e bala

Um grupo de jovens, em sua maioria da classe...
spot_imgspot_img

Ambiente escolar é onde mais se sofre racismo, diz pesquisa

Uma pesquisa conduzida pelo Instituto de Referência Negra Peregum (Ipec) e Projeto SETA mostra que 38% dos entrevistados disseram que escolas, faculdades e universidades...

APAN lança escola de audiovisual negro em parceria com entidade colombiana

A Associação de Profissionais do Audiovisual Negro (APAN), em parceria com a Manos Visibles, entidade colombiana de audiovisual, lança a primeira escola negra de...

Mesmo com matrícula, jovem negro pode perder vaga na USP

São louváveis - ainda que tardios - os esforços da USP (Universidade de São Paulo) para aumentar o ingresso e a permanência de estudantes...
-+=