‘Tenho esperança de encontrar os três vivos’, diz mãe de um dos meninos desaparecidos na Baixada Fluminense

Enviado por / FontePor Fantástico, no G1

Tenho esperança de encontrar os três vivos – diz mãe de um dos meninos. Saiba mais a seguir.

Três mães devastadas de tanto sofrimento. Há 140 dias, elas não sabem nem “onde”, nem “como” estão os filhos Lucas, Fernando e Alexandre. As crianças desapareceram em um domingo, dia 27 de dezembro de 2020.

Rana é mãe de Alexandre e tia de Lucas. Os dois primos foram brincar em uma quadra ao lado do condomínio onde moram. Lá se encontraram com Fernando.

“Eu tenho esperança de encontrar os três vivos. Os três”, diz Tatiana da Conceição Ribeiro, mãe de Fernando Henrique.

As crianças saíram de uma área do Rio de Janeiro dominada por traficantes de uma facção onde eles moram e chegaram a uma área dominada pela milícia. A polícia não esconde que isso é um obstáculo para fazer o seu trabalho. Sem uma conclusão da polícia, as famílias se mobilizam pregando cartazes nas redondezas e indo pessoalmente atrás das crianças quando recebem informações anônimas pelo telefone. Sem notícias, a mãe mantém a esperança de encontrar os três vivos.

+ sobre o tema

3 anos sem Miguel: ‘Eles podem ter a influência que for, mas não vou me calar’, diz mãe

Nesta sexta-feira (02) se completam três anos da morte do...

Povos de Terreiro ganham cartilha de direitos

Diz um ditado: ‘Ìṣẹ́gun rárá ṣe òpin o nìkan...

Sob ataque, de novo

Teve de um tudo na série de episódios que,...

Três anos da morte do menino Miguel no Recife

Neste 2 de junho, a morte do menino Miguel Otávio...

para lembrar

Mc Soffia estampa capa de revista e reflete sobre juventude negra

A rapper teen e compositora brasileira Mc Soffia, é...

Jovens negros têm mais risco de morte violenta

Dados do Rio Grande do Sul seguem tendência nacional;...

Mesmo com matrícula, jovem negro pode perder vaga na USP

São louváveis - ainda que tardios - os esforços...
spot_imgspot_img

Mesmo com matrícula, jovem negro pode perder vaga na USP

São louváveis - ainda que tardios - os esforços da USP (Universidade de São Paulo) para aumentar o ingresso e a permanência de estudantes...

Instagram, Geledés, Africanize e Capricho lançam projeto para incentivar a literatura negra entre os jovens

Nesta quinta-feira (16), o Instagram, em parceria com Geledés Instituto da Mulher Negra, Africanize e Capricho, lança o projeto “ReeLeitura: edição autores negros”, uma iniciativa...

O britânico que não sabia ler e escrever até 18 anos e virou mais jovem professor negro de Cambridge

Diagnosticado na infância com autismo e atraso global do desenvolvimento, Jason Arday só começou a falar com 11 anos — e aprendeu a ler...
-+=