Tony Tornado relembra a genialidade (e o gênio difícil) do amigo Tim Maia, homenageado pelo Prêmio da Música Brasileira

Enviado por / FonteO Globo, por Silvio Essinger

Cantor de inacreditáveis 94 anos é um dos destaques na festa em homenagem ao ‘Síndico’ esta quarta-feira no Theatro Municipal do Rio

Na ausência do homenageado Tim Maia (1942-1998), ninguém melhor para representá-lo na festa do Prêmio da Música Brasileira — cuja edição 2024 acontece nesta quarta-feira (12), a partir das 20h45, no Theatro Municipal do Rio, com transmissão do Canal Brasil, Globosat + Canais ao Vivo e canal do Prêmio da Música Brasileira no YouTube — do que Tony Tornado.

— Todo doidão tem que ter um careta por perto, e eu sempre fui o careta de plantão — gabava-se, aos inacreditáveis 94 anos de idade, o cantor, ator e lenda da black music nacional, ao chegar no começo da tarde de segunda-feira (10) ao clube Manouche, no Jockey Club Brasileiro, para o ensaio dos números musicais com as canções do amigo, a quem “segurava nas horas boas e nas horas ruins” e ao qual até hoje costuma se referir, com toda a intimidade, como o “Sebastião” (Rodrigues Maia, seu nome verdadeiro). — Às vezes, o Tim ficava irascível, por causa daquele gênio dele, mas, quando ele ficava bom, era uma pessoa boa de se lidar.

Num estilo que o Síndico certamente aprovaria, Tony já chegou dizendo que queria mudar a música que lhe estava destinada no roteiro (“Gostava tanto de você”) por “A festa do Santo Reis”. A sinuca de bico foi resolvida pelo diretor musical do espetáculo, Pretinho da Serrinha, que o acomodou em “Sossego”, música de suingue mais black, que o cantor diz ter visto nascer na casa de Tim (“essa música não era nada, ele inventou tudo na hora”).

Na hora do ensaio, Tony estava à vontade: contou histórias (“conheci Sebastião nos Estados Unidos”), reclamou com José Maurício Machline (o criador do Prêmio da Música Brasileira) nunca ter sido convidado para o Prêmio Sharp (a primeira versão do PMB, iniciado em 1987), deu uma palinha do seu clássico “BR-3”, sugeriu alterações no arranjo e, na hora do “Sossego”, tudo deu certo: ele caprichou nas suas intervenções jamesbrownianas e não deixou de lado o “e um quilo do bom” que Tim costumava incluir nas versões ao vivo.

— Gosto de todas as músicas do Tim, principalmente as que eram do Cassiano (como “Primavera” e “Eu amo você”). Mas, pra não ficar legal, eu prefiro não cantar — justificava-se Tony Tornado. — O Cassiano ficava puto porque o Tim dava na veia da doméstica, fazia a coisa mesmo para vender. Ele dava a música de um jeito e o Tim cantava de outro. Mas, se fosse fazer as ondas do Cassi, não tinha acontecido nada com o Tim!

Tim Maia em show no teatro do Hotel Nacional — Foto: Divulgação

Machline também conheceu bem Tim Maia, vencedor de vários prêmios Sharp, um dos quais — em uma certa ocasião da qual ele hoje ri, mas que na hora lhe deu alguns arrepios — o cantor recebeu com o seguinte discurso: “Quero agradecer muito à Sharp, mas eu ganhei dinheiro mesmo foi com a Mitsubishi, porque fiz um comercial para eles!”

— Tim Maia era uma pessoa doida em todos os sentidos da loucura. Mas bastava entendê-lo artisticamente que tudo acontecia — ensina o mentor e diretor do Prêmio da Música Brasileira, para quem essa homenagem a Tim está acontecendo até meio tarde. — Ele é um cara atemporal, suas músicas são referências absolutas, em festas de debutantes ou aniversários de 80 anos, ele passa por todas as gerações. O que o Tim fez pela fixação da música black brasileira é indiscutível. E a voz dele era de impacto mortal.

Desta vez, a enrascada em que Tim Maia pôs José Maurício Machline foi das melhores: a de selecionar repertório e intérpretes para o espetáculo musical da premiação desta quarta, que terá como apresentadora a atriz Regina Casé. Serão ao todo 11 números com 29 artistas — um time que, se não conta com a presença de alguns dos velhos camaradas de Tim (como os cantores Hyldon, Fábio e Carlos Dafé), ao menos oferece, segundo Machline, “a oportunidade de mostrar o Brasil em sua diversidade de ritmos, de estilos, de formas e de pensamentos”.

A cantora Cida Moreira e o rapper Rico Dalasam em ensaio para o Prêmio da Música Brasileira — Foto: Hermes de Paula

Veterana dos teatros, a cantora e pianista Cida Moreira divide por exemplo com o rapper Rico Dalasam uma dramática interpretação de “Me dê motivo”, clássico da dor de corno do cantor.

— O Tim era o jeito que cantava e falava, era aquele vozeirão — acredita Cida.

Já Rico, que inseriu na interpretação um poema seu, chama a atenção para a força que Tim dava às palavras:

— Conseguimos nos encontrar como dois artistas que elaboram subjetividades de homens pretos. O Tim propôs novos códigos, uma combinação única em seu tempo. A continuidade pode estar em todos os outros garotos que chegam tentando falar do que sentem, com força e intensidade.

Carlinhos Brown, Larissa Luz e Hiran em ensaio para o Prêmio da Música Brasileira — Foto: Guito Moreto

Para Carlinhos Brown (a quem coube um “Réu confesso” com Larissa Luz e um “Do Leme ao Pontal” com Larissa e o rapper Hiran), a lembrança mais forte é a de um Tim Maia que, quando cantava uma música romântica, “os homens viravam a cara e disfarçavam para não chorar”.

— Tim não é só um cantor, ele é um artista plástico que instalou em nós uma proposta de canto brasileiro, de canto para fora e de canto festivo. É fácil cantar Tim Maia, porque ele tem uma obra verdadeira e muito familiar — analisa. — Ele chegou quando tudo era mato e saiu não descapinando, porque ele era um preservador da natureza, mas plantando florestas nos corações.

Para ilustrar bem o que José Maurício Machline pensou como representação da diversidade da música brasileira na festa do Municipal, está lá o “Gostava tanto de você” ensaiado na segunda-feira. O samba-soul do repertório de Tim Maia reúne a revelação do rap e trap baiano Yan Cloud, o patrimônio soteropolitano dos blocos afro Lazzo Matumbi, o expoente do rap brasileiro Criolo e Jota.Pê, jovem talento de Osasco (SP) que estreia este ano no prêmio concorrendo a melhor intérprete de MPB.

— Caras como Tim Maia você tem que celebrar sempre, a toda hora, porque é documento para a eternidade. Ele faz parte da vida do brasileiro, é alguém que faz parte da família, que vai além da música — atesta Criolo. — E cada junção que está interpretando cada canção (na festa do prêmio) traz os sabores desse nosso Brasil com os quais a gente está todo dia se deliciando, essas novas histórias, novas vozes, novas temperaturas.

Yan Cloud (à esq.), Lazzo Matumbi, Jota.Pê e Criolo em ensaio para o Prêmio da Música Brasileira — Foto: Hermes de Paula

Jota.Pê se recorda que aos 5 anos de idade, quando conseguiu abrir pela primeira vez o tocador de CD dos pais, encontrou dois discos, um de Tim Maia e um de Marisa Monte:

— É muito especial anos depois, já trabalhando com música, ser convidado para cantar Tim com tantos artistas incríveis. Como artista preto também, que começou aos trancos e barrancos para fazer as coisas darem certo, estar aqui cantando Tim é a validação de que alguma coisa de certo eu tô fazendo.

Já Lazzo, que gravou “ Gostava tanto de você” em 1995, se orgulha de ter sido informado de que Tim não só ouviu a faixa como disse: “esse moleque é danado!”:

— Tim Maia trouxe aquela coisa que a gente gostaria de fazer, que é misturar a influência americana com os ritmos brasileiros. Somos filhos desse grande mestre.

As cantoras Sued Nunes (à esq.), Sandra de Sá e Negra Li em ensaio para o Prêmio da Música Brasileira — Foto: Guito Moreto

Orgulho também tem Sandra De Sá, que em 1983 ganhou de Tim um de seus grandes hits, “Vale tudo” — que desta vez ela divide no palco, num pot-pourri com “Eu eu você, você e eu (juntinhos)”, com as cantoras. A novidade é que os antigos versos foram atualizados para “também pode dançar homem com homem e também mulher com mulher” (“liberou geral!”, acrescenta Sandra, no breque).

— O (produtor) Junior Mendes levou o cassete com “Vale tudo” lá em casa e disse: “Olha, o Tim mandou essa ai pra tu!” E eu: “Tá tirando onda com a minha cara?” Nem ouvi a música, não ia perder tempo. Aí o Junior pegou o telefone e só quando ouvi aquela voz falando “ô, Sandra Sá!” é que eu vi que era o cara mesmo — diverte-se a cantora, animada com a festa. — Quem canta Tim Maia canta de verdade, não é para fazer figuração, nem para ganhar um troco ou engajamento.

Tim Maia para Senador

Outra grande amiga de Tim Maia, Marisa Monte (que já gravou “Chocolate” e “O que me importa”) desta vez sobe ao palco para cantar o clássico “Você”:

— O Tim sempre foi muito carinhoso e generoso comigo. Me contava sobre o Cassiano, sobre seus planos de candidatura para o Senado (pelo Partido Liberal Geral) e sobre a necessidade de união da classe artística (ele queria fundar uma associação, o CU-Cantores Unidos), sobre sua família e suas histórias na música e na vida. Passávamos horas ao telefone, e às vezes eu ia visita-lo no seu apartamento da Barra ou na casa do Recreio onde passávamos tardes inesquecíveis de papo, ouvindo música, tocando e cantando. Tim Maia era inigualável.

Comandante da banda do Prêmio da Música Brasileira, Pretinho da Serrinha admite que foi difícil mexer nos arranjos das músicas do homenageado:

— Com o Tim Maia, não tem introdução e música, é tudo uma coisa só. O jeito foi mexer nas levadas, nos ritmos… mas sem perder o baile, o subúrbio. Porque é isso: se o show não está funcionando, manda um Tim Maia que tu recolhe a galera de volta!

+ sobre o tema

Adriano e Ronaldo disputam Troféu Raça Negra

Dois jogadores dos clubes de maior torcida do Brasil...

TERREMOTO HAITI: Evento com celebridades arrecada US$ 57 milhões para o Haiti

Os organizadores do evento "Hope for Haiti Now", que...

Lei cria fundo e coordenadoria de igualdade racial

Com 65,9% da população betinense se declarando negra ou...

para lembrar

Aline Santos

"Os espanhóis dão muita atenção à formação, enquanto aqui...

Hoje na História, 06 de fevereiro de 1945, nascia Bob Marley

Robert Nesta Marley nasceu no dia 6 de fevereiro...

Batekoo lança selo musical de artistas negros

Coletivo que nasceu na Bahia apresenta novo projeto de...
spot_imgspot_img

2 de Julho: multidão vai às ruas para comemorar a independência da Bahia

Baianos e turistas participam, nesta terça-feira (2/7), das celebrações da Independência do Brasil na Bahia. A data marca a expulsão das tropas portuguesas do solo...

Gilberto Gil anuncia aposentadoria dos palcos após série de shows em 2025

Gilberto Gil vai se aposentar dos palcos no ano que vem, confirmou sua assessoria de imprensa neste sábado (29). Aos 82 anos, o cantor e...

BH recebe suas primeiras estátuas de mulheres negras

A filósofa Lélia Gonzalez (1935-1994) e a escritora Carolina Maria de Jesus (1914-1977) foram eternizadas na cidade de Belo Horizonte, em Minas Gerais. Desde...
-+=