Torcida do Coritiba fez manifestação racista no Atletiba

A rivalidade sadia do futebol foi substituída por uma lamentável ação racista da torcida do Coritiba no clássico Atletiba do último domingo, no estádio Couto Pereira. No intervalo da partida, alguns torcedores começaram a chamar de “macaco” o zagueiro atleticano Manoel, numa clara demonstração de falta de educação e de racismo.

No portal do Lance!, na internet, há o vídeo com as ofensas racistas proferidas pelos torcedores coxas-brancas contra Manoel (confira o vídeo na reportagem: Torcida do Coritiba dá outro péssimo exemplo).

Após o lamentável incidente, alguns torcedores do Coritiba usaram uma comunidade, num site de relacionamento, para reverenciar os tristes atos e inclusive proferiram outros xingamentos e ofensas racistas contra Manoel, na comunidade oficial do Coritiba no site de relacionamento Orkut (o tópico foi deletado pelos administradores da comunidade após perceberem que as ofensas poderiam ser registradas).

Esta não é a primeira vez que um incidente racista mancha a história do Atletiba, o principal clássico do futebol paranaense. Em 2009, no clássico válido pelo Campeonato Paranaense, pouco antes do fim do primeiro tempo alguns torcedores do Coritiba xingaram e fizeram gestos racistas contra os atleticanos, numa clara demonstração de segregação racial (relembre a reportagem publicada na Furacao.com: Manifestação racista estraga clássico Atletiba)

Nas arquibancadas e nos gramados

Esta não foi a única manifestação racista contra Manoel nesta semana em estádios de futebol. Na quinta-feira, no jogo contra o Palmeiras, pela Copa do Brasil, o zagueiro Danilo havia chamado em campo Manoel de “macaco”, ação que foi registrada em uma queixa-crime contra o atleta palmeirense numa delegacia de São Paulo.

 

Na esfera criminal Danilo foi enquadrado no artigo 140, parágrafo 3º, do Código Penal Brasileiro por “injúria qualificada por racismo, que prevê pena prevista varia de um a três anos de prisão. No âmbito esportivo, Danilo deve ser julgado no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), sendo denunciado em dois artigos do Código Brasileiro de Justiça Desportiva: 254-B (cuspir em outrem), que pode render punição de seis a doze jogos e no 243-G (praticar ato discriminatório, desdenhoso ou ultrajante, relacionado a preconceito em razão da cor), que prevê suspensão de cinco a dez partidas. Assim, o palmeirense pode pegar de cinco a 22 jogos de punição.

 

Depois dos atos racistas da torcida coxa-branca resta saber o que os tribunais esportivos farão para punir o clube pelo mau comportamento de sua torcida. Vale lembrar que além de um ato baixo e lamentável, o racismo é crime, conforme indica o Código Penal Brasileiro.

 

 

Fonte: Furacao.com

+ sobre o tema

Balotelli é alvo de racismo em seu retorno à seleção

'Estamos em 2018, chega", escreveu o atacante italiano Do Terra  Melhor...

Open Society Foundations: a força da filantropia na luta antirracista

Fundada na década de 1980, a fundação atua mundialmente...

Antissemitismo e racismo

Não dá para ficar calado e buscar justificativas para...

Terreiro é invadido 10 vezes e babalorixá denuncia racismo religioso: ‘Fomos perseguidos’

Na reportagem especial deste domingo (22), o Fantástico mostrou que o Brasil...

para lembrar

Especialistas em segurança e Defensoria Pública defendem uso de câmeras na farda

Cofundador e coordenador da Iniciativa por uma Nova Política...

Reaja à Violencia Racial e Policial !

Contra o Extermino da População Negra. Do MNURio Passeata " REAJA A...

Anistia Internacional pede investigação imparcial de possíveis crimes de ódio no Brasil

A Anistia Internacional divulgou uma nota nesta quarta-feira demonstrando...

Zulu Araújo – Ausência de cheque e tênis de marca

O ano de 2012 não está nada alvissareiro para...
spot_imgspot_img

Como o diabo gosta

Um retrocesso civilizatório, uma violência contra as mulheres e uma demonstração explícita do perigo que é misturar política com fundamentalismo religioso. O projeto de lei...

Homens, o tema do aborto também é nossa responsabilidade: precisamos agir

Nesta semana, a escritora Juliana Monteiro postou em suas redes sociais um trecho de uma conversa com um homem sobre o aborto. Reproduzo aqui: - Se liberar o...

A falácia da proteção à vida

A existência de uma lei não é condição suficiente para garantir um direito à população. O respaldo legal é, muitas vezes, o primeiro passo...
-+=