terça-feira, janeiro 24, 2023
InícioÁreas de AtuaçãoDireitos HumanosTumulto, rosto escondido e pastor ‘ex-gay’ marcam passagem de Feliciano por Salvador

Tumulto, rosto escondido e pastor ‘ex-gay’ marcam passagem de Feliciano por Salvador

Presidente da Comissão de Direitos Humanos cobriu a cabeça com o paletó para não ser reconhecido

Por: BIAGGIO TALENTO

SALVADOR – Assim como as sessões da Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados, a passagem do deputado Marco Feliciano (PSC) pela capital baiana, na noite de quinta-feira, foi bastante tumultuada a ponto de o pastor ter que sair escoltado e com o rosto escondido durante manifestação de grupos de minorias.

Ele esteve na sede da Igreja Batista Avivamento Profético, no bairro da Ribeira para participar de um culto que integrou o 20° Congresso do Poder Impacto Espírito Santo. Enfrentou manifestações contra e a favor no lado de fora do templo. Mas, a imagem marcante foi de Feliciano tentando esconder a cabeça com seu paletó para não ser reconhecido, com o objetivo de escapar do assédio de manifestantes ligados a grupos homossexuais e da imprensa, que o aguardavam no local.

Ele foi protegido por uma figura folclórica da política baiana, o deputado estadual evangélico pastor Isidório de Santana (PSB) que ficou conhecido nacionalmente por ter feito um longo discurso, no plenário da Assembleia Legislativa, criticando o exame de toque retal (preventivo ao câncer de próstata) ao qual havia se submetido pouco antes do início da sessão na Casa.

Dizendo-se um “ex-gay”, Isidório fez discurso homofóbico durante o culto de ontem. Chamou os manifestantes contrários a Feliciano de “Zé Povinho”, e disse que não seriam abençoados por Deus por aceitarem o “sexo sujo”, como qualificou a relação homossexual. Também reclamou de suposta perseguição religiosa que estariam promovendo contra Feliciano. Por sua vez, o presidente da Comissão de Direitos Humanos disse no culto que “não sabe bater”, mas aguenta apanhar.

PSB emite nota após fala de pastor
As declarações do pastor Isidório levaram a direção estadual do seu partido, o PSB a emitir nota pública repudiando os termos usados e esclarecendo que ele não fala pela sigla. Em um trecho, a nota diz que o pensamento do deputado evangélico difere do partido socialista “que tem entre os seus princípios o combate à homofobia, a defesa da livre orientação afetivo-sexual, igualdade e liberdade, bem como, a legitimação dos Direitos Humanos”. O texto não informa, no entanto, se o deputado será punido.

 

150 líderes evangélicos rejeitam publicamente Marco Feliciano

 

Fonte: O Globo 

Artigos Relacionados
-+=
PortugueseEnglishSpanishGermanFrench