Um ano após polêmica, ‘rolezinho’ vira negócio

“Nós transformamos o ‘rolezinho’ em algo para a comunidade.” A afirmação é de Jonathan David, de 22 anos, o MC Chaverinho. Um ano depois de virar polêmica na cidade, os encontros de adolescentes migraram dos shoppings para as praças. A brincadeira, que teve início com adolescentes cantando funk nos centros comerciais, tornou-se trabalho e negócio.

Do Diáriode Pernambuco
Se em 2013 os “rolezinhos” foram até proibidos por liminar da Justiça e mobilizaram tropas da Polícia Militar, por causa de episódios de violência, agora tentam apresentar-se como alternativa cultural. Chaverinho e outros parceiros MCs, chamados pela Prefeitura de São Paulo, criaram a Associação Rolezinho: a Voz do Brasil e firmaram acordo com a Secretaria Municipal de Igualdade Racial, no início do ano. De lá para cá, foram organizadas nove edições do chamado Rolezinho da Cidadania, que passou por bairros como Artur Alvim e Guaianases, na zona leste, e Parelheiros e o Parque do Ibirapuera, na zona sul de São Paulo.

De acordo com a pasta, foram gastos cerca de R$ 60 mil na estruturação dos eventos – palco, som, posto médico, iluminação, gerador e banheiros químicos -, além de R$ 10 mil em contratações artísticas. Alguns dos cantores que participam, segundo Chaverinho, são da periferia – e todos recebem cachê.

“A própria Prefeitura pediu que a gente criasse uma associação”, afirma o organizador de eventos Ricardo Sucesso, de 28 anos. “Os ‘famosinhos’ que chamavam para fazer ‘rolezinho’ no shopping agora divulgam o que vai acontecer na praça.”

Segundo o secretário de Promoção da Igualdade Racial, Antonio da Silva Pinto, a associação não recebe remuneração e a Prefeitura só faz repasses para os artistas dos eventos. Para 2015, a previsão é de que os eventos sejam feitos duas vezes por mês, intercalando espaços na periferia e na região central.

Além das apresentações artísticas, Sucesso destaca que o espaço também se tornou lugar para ações com a população. “As pessoas vão para cortar o cabelo e tirar documentos, por exemplo. Acabou atraindo o público ao redor.” E as festas não podem acabar tarde – são programas para encerrar, no máximo, às 20 horas, aos sábados ou domingos. O público, de acordo com os organizadores, fica entre 2 mil e 8 mil pessoas.

Estreia

O jovem Darlan Mendes, de 25 anos, é o responsável por fazer a articulação com os moradores. “Somos vitoriosos. São eventos sem brigas, violência ou ocorrência policial”, afirma. Ele identifica os potenciais artistas pela popularidade nas redes sociais e os convida para participar dos shows.

O estudante Rodney Chades, de 15 anos, teve a oportunidade de subir em um palco pela primeira vez em março, no novo “rolezinho” em Artur Alvim, bairro onde vive. “Canto desde os 10 anos.” O adolescente, que compõe letras sobre produtos de marca e mulheres bonitas, diz que foi só o “pontapé inicial”. “Já fui até para outras cidades e ganhei entre R$ 300 e R$ 400 nos shows.”

 

Leia Também:

Rolezinhos: O que estes jovens estão “roubando” da classe média brasileira – por Eliane Brum

“Eu só quero conhecer o Shopping”: Documentário mostra imagens do primeiro “rolezinho”, há 13 anos

 

+ sobre o tema

Marieta Severo fala de papel na novela, racismo e dos ataques que sua família recebe nas redes

Atriz cita retrocessos na sociedade, celebra ressurgimento do feminismo...

DEM: Candidato de R$ 92 mi está preso por estelionato

Por: BRENO COSTA Selmo dos Santos (DEM-SP), dono declarado...

Moisés Mendes: racismo e apatia no metrô de Paris

Por que as pessoas ficaram passivas, enquanto os ingleses...

Lula chega a 47% na Vox Populi; maioria considera prisão injusta

“A prisão de Lula, da forma como ocorreu, parece...

para lembrar

Paulo Lins e a construção da identidade negra

A construção da identidade negra através da cultura africana,...

Racismo e agressão física a menores no Center Shopping de Uberlândia, Minas Gerais

Tania Pacheco – Combate Racismo Ambiental Center Shopping de Uberlândia O episódio...

“O voto do jovem da classe C vai ser preponderante”

O presidente do instituto Data Popular, Renato Meirelles, repercute...

O Reich tropical: a onda fascista no Brasil

O germe do ódio está às soltas no Brasil...

Comentário racista mobiliza Rolezinho das Caras Pretas em shopping de SSA

Após ouvir comentário racista em uma loja do Salvador Shopping, localizado na capital baiana, a doutoranda Amanaiara Miranda resolveu desabafar no Facebook. O relato...

Breve história do ódio: linchamentos, rolêzinhos e a reação racista à mobilidade social

Os dia 31 de janeiro de 2014, cerca de 30 rapazes em 15 motos cercaram quatro adolescentes na avenida Rui Barbosa, no bairro carioca...

Do Rolezinho a Ferguson: O Racismo em 2014

O ano que termina foi marcado por um debate intenso acerca do racismo e o movimento negro protagonizou grandes discussões Por Joselicio Junior* O ano de...
-+=