Uniões homoafetivas crescem e rejuvenescem no Brasil

Crescimento ocorreu desde que o STF, em 2011, equiparou as uniões estáveis entre pessoas do mesmo sexo às relações entre homens e mulheres

Supremo Tribunal Federal (STF) equiparou as uniões estáveis entre pessoas do mesmo sexo às relações entre homens e mulheres em maio de 2011. De lá para cá, a quantidade de casais do mesmo gênero cresceu 60%. Além disso, de acordo com dados do Colégio Notarial do Brasil (CNB), casais com idades entre 20 e 34 anos já representam dois terços das uniões LGBTQIA+. Há dez anos, a taxa era de 37,6%. 

A decisão que o STF resolveu na teoria já era praticada por cartórios e tribunais, mas não havia entendimento unificado pelo País. A nova legislação facilitou a extensão de direitos a casais homoafetivos, como a inclusão em plano de saúde, herança e até adoção ou reconhecimento de pais homoafetivos na certidão de nascimento. 

Bolsonaro provoca corria a cartórios

A eleição do presidente Jair Bolsonaro (PL) provocou uma corrida a cartórios, com crescimento de 61% entre 2017 e 2018 de casamentos homoafetivos, por conta do temor de retrocessos na lei.

De perfil extremamente conservador, o presidente faz defesas da família tradicional e, em 2019, criticou a decisão do STF que equiparou homofobia a racismo. Na prática, porém, não houve no governo redução de direitos na união civil homoafetiva.

Outro avanço foi a resolução do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), de 2013, que obriga os cartórios de todo o País a celebrar o casamento civil e converter a união estável homoafetiva em casamento.

Não há, no entanto, até hoje, lei que reconheça casamentos LGBTI+. 

Segundo dados do IBGE, casais homoafetivos acima dos 35 anos eram 51,5% dos registros em 2013. No ano passado, a maioria (59,7%) já era entre pessoas abaixo dos 34 anos.

O número de casamentos no Brasil em 2020, foram cerca de 6,4 mil, enquanto o de uniões estáveis ficaram em 2,1 mil.

Com informações do Estadão

+ sobre o tema

A fuga eterna de quem sofreu violência doméstica

Retratos vivos do machismo: mesmo após Lei Maria da...

Depois de ser ofuscada pelo preconceito, Tracey Normam a primeira modelo negra e trans volta a brilhar

Tracey Normam foi a primeira modelo negra e trans a ganhar destaque na indústria da moda...

Prostitutas na Austrália postam selfies para mostrar ‘outra face’ da profissão

Jovens garotas de programa na Austrália estão perdendo a...

“Aconteceu de novo! Mais uma mulher foi agredida e dessa vez fui eu”

Professora não responde cantada e apanha A professora de português...

para lembrar

6 brasileiras que cantam contra o machismo

No ano em que a Lei Maria da Penha...

STF derruba decisão de juiz que permitia prática da ‘cura gay’

Decisão da ministra Cármem Lúcia valida resolução do Conselho...

Sobre nome social e desinformação

dois parlamentares do cerrado querem anular o decreto da...

Filmes imperdíveis sobre mulheres negras e afetividade

Esse ano a hashtag #OscarsoWhite bombou nas rede sociais...
spot_imgspot_img

Pesquisadora aponta falta de políticas para diminuir mortalidade materna de mulheres negras no DF

"O Brasil é um país muito difícil para uma mulher negra ser mãe, por diversos fatores, dentre eles as dificuldades de acesso a saúde pública,...

Documentário sobre Lélia Gonzales reverencia legado da ativista

Uma das vozes mais importantes do movimento negro e feminista no país, Lélia Gonzales é tema do Projeto Memória Lélia Gonzalez: Caminhos e Reflexões Antirracistas e Antissexistas,...

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...
-+=