Universidade de Oxford muda regras de vestimenta por causa de transsexuais

Sob a nova regulamentação, estudantes em exames e provas ou ocasiões formais não deveram mais usar uma roupa específica para cada sexo. Ou seja, homens poderão fazer testes de saia, e mulheres poderão ir de ternos a cerimônias da universidade

A Universidade de Oxford, uma das mais renomadas e tradicionais do Reino Unido, reescreveu suas restritas regras sobre o código de vestimenta dos alunos, por causa de reclamações de que as leis seriam injustas para estudantes transsexuais. Sob a nova regulamentação, estudantes em exames e provas ou ocasiões formais não deveram mais usar uma roupa específica para cada sexo. Ou seja, homens poderão fazer testes de saia, e mulheres poderão ir de ternos a cerimônias da universidade.

As leis, que devem entrar em vigor na semana que vem, são resultado de uma reclamação do próprio sindicato da universidade. Jess Pumphrey, diretora da sociedade de gays, lésbicas, bissexuais e transsexuais da instituição, disse que a nova medida fará com que a experiência de avaliação fosse muito menos estressante para vários alunos.

– No futuro, os alunos transsexuais não vão precisar se esconder em roupas que não usam para evitar serem confrontados por inspetores durante as provas – disse Jess ao jornal “The Oxford Student”.

A lei antiga determina que todos os alunos homens deveriam usar um terno escuro, meias, sapatos pretos, uma gravata borboleta branca e uma camisa branca lisa debaixo de suas tradicionais becas pretas. Já as mulheres deveriam usar calça ou saia escura, blusa branca, meias pretas, sapatos e uma fita preta amarada no pescoço. Se um aluno transsexual quisesse usar roupas do sexo diferente do seu deveria entrar com um pedido de dispensa especial dos protocolos da universidade, que tinha o poder de punir aqueles que burlassem as regras de vestuário.

A universidade disse que as novas regras devem tirar qualquer referência a gênero. Para os alunos, a lei foi “um passo positivo”.

 

 

 

Fonte: Gazeta do Povo

+ sobre o tema

7 artistas feministas e não-brancas para você deixar Clarice Falcão em paz

Caso não tenha ficado claro o suficiente, este texto...

Protagonismo de mulheres afro-brasileiras feministas é pauta dentro das universidades

Empoderamento, empreendedorismo social, produção cultural e economia criativa. São...

Argentina, lei sobre o aborto e lições para o Brasil e a América Latina

Agora é lei. Desde o passado dia 30 de...

Vídeo de campanha publicitária quer mostrar vida normal de casal gay com filhos

Os americanos Kordale e Kaleb ficaram conhecidos após foto...

para lembrar

Valmir discursa na Câmara em homenagem ao Mês da Mulher e às mulheres do MST

No mês de março, comemora-se o dia internacional da...

Mulheres pobres são as maiores vítimas do racismo

O Maré de Notícias traz reportagem sobre como o...

Quem vai bombar na música está no radar dela

Samantha Almeida (@sahalmeid) é um furacão e de ideias e...
spot_imgspot_img

Pesquisadora aponta falta de políticas para diminuir mortalidade materna de mulheres negras no DF

"O Brasil é um país muito difícil para uma mulher negra ser mãe, por diversos fatores, dentre eles as dificuldades de acesso a saúde pública,...

Documentário sobre Lélia Gonzales reverencia legado da ativista

Uma das vozes mais importantes do movimento negro e feminista no país, Lélia Gonzales é tema do Projeto Memória Lélia Gonzalez: Caminhos e Reflexões Antirracistas e Antissexistas,...

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...
-+=