Universidade de Pelotas adota ações afirmativas para mestrado e doutorado

Todos os 44 cursos de pós-graduação da UFPel vão reservar 25% das vagas para ações afirmativas. Medida já é adotada por outras universidades

A Universidade Federal de Pelotas (UFPel) aprovou, nesta quarta-feira (26/4), a destinação de 25% das vagas dos cursos de pós-graduação (mestrado, doutorado e especializações) a indígenas, deficientes físicos e afrodescendentes. O sistema de cotas será implementado imediatamente e passa a valer nos próximos processos seletivos.

A medida foi aprovada por unanimidade pelo conselho universitário da UFPel. A universidade conta com 44 cursos de pós-graduação e o de educação física será o primeiro a testar alunos nesse novo sistema, em junho. A distribuição das vagas, em todos os cursos, será de 20% para cotas raciais e 5% a deficientes físicos.

“O objetivo é garantir uma maior diversidade. As cotas chegaram na pós-graduação como consequência do trabalho feito na graduação. A universidade era elitista e as cotas permitiram o acesso a todos”, comemora Flávio Fernando Demarco, pró-reitor de Pesquisa e Pós-Graduação da Universidade Federal de Pelotas.

A medida não é inédita. Em 2015, a Universidade Federal de Goiás (UFG) foi a primeira instituição pública de ensino do país a adotar cotas na pós-graduação. A reserva de vagas foi seguida também por outras universidades federais, entre elas da da Bahia (UFBA), do Espírito Santo (UFES), do Piauí (UFPI), de Mato Grosso (UFMT), de Alagoas (UFAL) e Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Na capital, a Universidade de Brasília (UnB) incorporou o sistema em 2015. Atualmente, seis cursos fazem uso da reserva de vagas. São eles: comunicação, direito, sociologia, antropologia, letras e direitos humanos.

Inclusão
Presente nas atividades que confirmaram as cotas na UFPel, Frei David Santos, diretor-presidente da rede de ensino Educafro, comemorou a inclusão. “Para nós, negros, é uma conquista extraordinária. Temos a consciência de que a medida vai ser uma luz, vai contagiar outras universidades do país. Esse processo está muito lento no Brasil”, aponta.

A adoção da medida tem feito com que as universidades passem por adaptações, desde a necessidade de receber indígenas que não dominam a língua portuguesa até a adaptação de profissionais que dominem a Língua Brasileira de Sinais (Libras).

Embora a Universidade Federal do Goiás (UFG) tenha sido pioneira, oficialmente, a portaria normativa que regulamenta a medida foi publicada somente em 11 de maio de 2016 pelo então ministro da educação, Aloizio Mercadante. A portaria determina que as universidades federais adotem medidas e estudos para implementar as ações afirmativas.

+ sobre o tema

para lembrar

Cotas raciais, porque sim!

Por: Walmyr Júnior Gostaria de compartilhar nessa coluna um texto...

Cotas Ampliam Acesso ao Trabalho, Mas Racismo Permanece

A situação é confirmada pela Pesquisa de Emprego e...

Cotas Raciais: O Acinte das Fraudes

Vivemos presentemente no país uma onda de indignação: de...
spot_imgspot_img

Não entraria em avião pilotado por cotista?

"Responda com sinceridade, leitor. Você entraria confortavelmente num avião conduzido por alguém que, pelo fato de pertencer à minoria desfavorecida, recebeu um empurrãozinho na...

“Enem dos Concursos” reserva 20% das vagas para negros

O governo federal reservou 20% das 6,6 mil vagas do Concurso Nacional Unificado para candidatos negros. A totalidade das vagas está dividida entre nível...

Somente 7 estados e o DF têm cotas para negros em concursos públicos. Veja quais

Adotadas no Executivo federal, as cotas raciais nos concursos para entrada no serviço público avançam em ritmo bem lento nos outros níveis de governo,...
-+=