Vitima de agressão por diretor de bateria da Vai-Vai pede medida protetiva

Objetivo é impedir que Anderson Roberto, o Pepê, se aproxime dela. Agressão ocorreu durante ensaio técnico no Anhembi na madrugada de domingo (20).

Por Philipe Guedes, do G1 

Foto: Reprodução/ Whatsapp

A mulher agredida durante ensaio de carnaval no Sambódromo do Anhembi, na madrugada de domingo (20), pediu uma medida protetiva contra o diretor de bateria da Vai-Vai. A agressão foi filmada e o vídeo repercutiu nas redes sociais.

O pedido foi feito durante depoimento que ela prestou na 4ª Delegacia da Mulher (DDM), na Freguesia do Ó, Zona Norte de São Paulo, na segunda-feira (21). O objetivo é impedir que Anderson Roberto, o Pepê, se aproxime dela.

Pepê também esteve na mesma DDM na manhã desta terça, mas não quis dar entrevista. Durante cerca de uma hora, ele afirmou que a mulher era sua namorada e que a agrediu por ciúmes. Anderson também acrescentou no depoimento que estava de cabeça quente.

O delegado titular da 1ª Delegacia de Turismo de São Paulo, Osvaldo Nico Gonçalves, afirmou que Anderson será indiciado por contravenção de vias de fato e ameaça, no contexto da Lei Maria da Penha, que protege mulheres contra violência doméstica.

O advogado de Pepê, Demis Roberto, afirmou que seu cliente não namora mais a jovem, e que está “extremamente arrependido”. “Foi um ato impensado, ele não tem antecedentes criminais, nunca passou por uma situação dessa”, disse. “Se o Judiciário entender de que houve uma agressão, de que ele deva ser punido, ele irá responder porque infelizmente a gente responde pelos nossos atos.”

Expulsão
A Liga das Escolas de Samba, responsável pelo carnaval de São Paulo, afirmou que Pepê está proibido de entrar no Sambódromo nos ensaios e no desfile.

Segundo o presidente da Vai-Vai, Darly Silva, o Neguitão, ele está fora da agremiação. “A gente já notificou a expulsão dele ao conselho deliberativo, como rege o estatuto, rege a nossa disciplina, a nossa ética”, disse.

Ele acrescentou que a escola está prestando atendimento jurídico e psicológico à integrante que foi vítima da agressão. “Essas são as primeiras medidas que a escola de samba Vai-Vai está tomando em relação a esse episódio lamentável.”

Veja a íntegra da nota de esclarecimento da Vai-Vai:

“A Diretoria e Conselho do G.R.C.S E.S. Vai-Vai vem a público para informar que não pactua com atos de violência e covardia praticados contra uma componente e colaboradora desta instituição. O autor dos atos em questão está sumariamente afastado de qualquer atividade junto a nossa escola.

Viemos a público pedir nossas desculpas e registramos aqui nossa solidariedade à vítima, bem como não mediremos esforços para que ela fique bem e tenha todos os meios para garantir e legitimar os seus direitos.

Repudiamos de forma veemente o triste e criminoso fato ocorrido e não admitiremos em hipótese alguma que lamentáveis acontecimentos como este fiquem impunes.”

Juntas, aplicativo de Enfrentamento a Violência contra Mulher – Clique na imagem e acesse o aplicativo JUNTAS

+ sobre o tema

10 provas de que a violência contra a mulher virou rotina

São Paulo - A maior parte das jovens brasileiras...

Deus é Menino ou Menina?

sábado, dia de sol em Brasília Por Lelê Teles Enviado para o...

Cris Vianna fala sobre carreira, beleza e preconceito racial e de gênero

"Não é fácil ser negra em nenhuma profissão. Não...

Lançamento dos livros de Sueli Carneiro e Cuti dia 12 /05

Dia 12 de Maio de 2011 as 19horas na...

para lembrar

UFSM aprova novo código de conduta após casos de estupro e racismo

Após ser adiada outras vezes, votação ocorreu nesta manhã...

Bené, por Sueli Carneiro

Combinar os critérios de qualificação técnica com recorte de...

Conselho de direitos humanos acata denúncia da OAB contra bolsonario

O Conselho Nacional dos Direitos Humanos acolheu proposta do...

Por que mulheres morrem mais do que homens após ataques cardíacos

Menos mulheres morreriam depois de sofrerem ataques cardíacos se...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=