Vítimas de agressão física e sexual receberão tratamento diferenciado

Rio de Janeiro – Vítimas de agressão física e sexual terão tratamento diferenciado em hospitais da rede estadual, com direito a acompanhamento de uma equipe multidisciplinar e a apoio psicológico. O primeiro hospital a iniciar esse tratamento será o Albert Schwitzer, em Realengo, na zona oeste da cidade. A medida foi tomada após a notificação, apenas em unidades estaduais, de mais de 1.500 casos de violência doméstica no Rio de Janeiro em 2012.

Os coordenadores das unidades de saúde estão participando de oficinas de capacitação desde setembro do ano passado, orientados pela equipe de humanização e área técnica de violência da Secretaria Estadual de Saúde. Os hospitais iniciarão o tratamento nos próximos meses.

Em nota, a Secretaria Estadual de Saúde esclareceu que o “objetivo do novo tratamento é oferecer um acolhimento diferenciado às vitimas de violência física e sexual, em especial crianças e mulheres, com o acompanhamento de uma equipe multidisciplinar capacitada especialmente para isso, incluindo o apoio psicológico aos pacientes e parentes. O trabalho também visa a incentivar a realização de notificações de suspeita de violência pelos profissionais de saúde aos órgãos competentes”.

Os hospitais que fazem parte do projeto são: Hospital da mulher Heloneida Studart, em São João de Meriti, Hospital da Mãe, em Mesquita, Hospital Estadual Albert Schweitzer e Hospital Estadual Rocha Faria, na zona oeste, Hospital Estadual Getulio Vargas e Hospital Estadual da Criança, na zona norte, Hospital Estadual Azevedo Lima e Hospital Estadual Alberto Torres, na região metropolitana, e Hospital Estadual Adão Pereira Nunes, na Baixada Fluminense.

 

 

Fonte: Agência Brasil 

+ sobre o tema

Lupita Nyong’o e Viola Davis estarão juntas em The Woman King

As ganhadoras do Oscar Lupita Nyong’o e Viola Davis estarão juntas em The Woman...

Violência de gênero é tema de debate gratuito no Campo Limpo, em São Paulo

No dia 11 de setembro, terça-feira, o Usina de Valores e...

Livros recuperam a história do feminismo na Europa e no Brasil

Clássico do movimento e pesquisa sobre periódicos para mulheres...

para lembrar

Intocáveis, por Sueli Carneiro

No artigo "60 anos depois", em que rememora Auschwitz,...

Bloquear os retrocessos no Brasil

A AWID falou com Ana Cernov, coordenadora de programas...

Mulheres negras estão preparadas para vencer racismo, diz ministra

BRASÍLIA (Agência Brasil) - Ao avaliar a situação...

Empoderadas e a batalha pelo discurso da mulher negra

Trocando em Miúdos: A websérie independente Empoderadas, composta por...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=