quinta-feira, setembro 29, 2022
InícioQuestões de GêneroMulher NegraVozes-Mulheres de escritoras e intelectuais negras

Vozes-Mulheres de escritoras e intelectuais negras

“A voz da minha bisavó ecoou
criança nos porões do navio.
Ecoou lamentos
de uma infância perdida.

A voz de minha avó
ecoou obediência
aos brancos-donos de tudo.

A voz de minha mãe
ecoou baixinho revolta
no fundo das cozinhas alheias
debaixo das trouxas
roupagens sujas dos brancos
pelo caminho empoeirado
rumo à favela.

A minha voz ainda
ecoa versos perplexos
com rimas de sangue
e fome.

A voz de minha filha
recolhe todas as nossas vozes
recolhe em si
as vozes mudas caladas
engasgadas nas gargantas.
A voz de minha filha
recolhe em si
a fala e o ato.

(Vozes-mulheres, de Conceição Evaristo)

 

Esse texto integra a Blogagem Coletiva Mulher Negra, que conjuga o dia da Consciência Negra com o dia do Combate à Violência contra a Mulher. A luta anti-racista e anti-sexista se tratam de lutas por emancipação. Acreditando na potencialidade da arte como instrumento de libertação, tem tudo a ver com esses temas uma reflexão sobre como as mulheres negras tem subvertido o lugar de subalternidade em que a sociedade as encerra quando se tornam intelectuais e escritoras.

A intelectual negra bell hooks (que escolheu grafar o nome assim mesmo, em letras minúsculas) é um exemplo da importante conjugação entre militância e vida acadêmica. Em um de seus textos, ela mostra como a representação das mulheres negras nos diversos meios de comunicação forma uma percepção coletiva de que elas estão no mundo principalmente para servir aos outros. O corpo da mulher negra, desde a escravidão até hoje, “tem sido visto pelos ocidentais como o símbolo quintessencial de uma presença feminina ‘natural’, orgânica, mais próxima da natureza, animalística e primitiva”. Essa formulação discursiva que encerra a mulher negra em seu aspecto biológico – seja como extremamente sexual ou como a figura da “mãe preta” – atua para tornar o domínio intelectual um lugar interdito, já que “mais do que qualquer grupo de mulheres nesta sociedade, as negras têm sido consideradas ‘só corpo, sem mente'”.

bell hooks entende que ‘intelectual’ é muito mais do que um cara que lida com conhecimento. Ele é – ou deveria ser – “alguém que lida com idéias transgredindo fronteiras discursivas, porque ele ou ela vê a necessidade de fazê-lo”. É nesse sentido que ela afirma que “o trabalho intelectual é uma parte necessária da luta pela libertação, fundamental para os esforços de todas as pessoas oprimidas e/ou exploradas, que passariam de objeto a sujeito, que descolonizariam e libertariam suas mentes”. Assim, é essencial para a luta de libertação das mulheres negras frente ao sexismo e ao racismo que elas ocupem este espaço ‘proibido’ do trabalho intelectual, subvertendo e ressignificando elementos da ideologia hegemônica.

O papel das escritoras negras é primordial nesse processo, pois na recusa de serem apenas objetos sobre os quais se formulam discursos, essas mulheres tornam-se produtoras de uma literatura que disputará espaço com as vozes que perpetuam os estereótipos. Através desse “assenhoramento da pena”, para usar a expressão de Conceição Evaristo (de quem já falamos por aqui), as escritoras negras buscam inscrever na literatura imagens de uma auto-representação.

maria-firmina

Por ser uma forma literária contra-hegemônica, a escrita de mulheres negras tem sido sujeita à marginalização, ao desconhecimento e à desvalorização intelectual. Isso tudo apesar de sua incontestável presença ao longo da história. Aqui no Brasil, são consideradas fundadoras desse discurso feminino negro a ficcionista Maria Firmina dos Reis (1825-1917) e a poeta Auta de Souza (1876-1901). Para dar fim a esse silenciamento é tão importante dar a conhecer a existência dessas mulheres e propagar sua obra. As mulheres negras pensam, escrevem, fazem ciência, literatura, fazem tudo que cabe a qualquer mulher, a qualquer ser humano fazer.

 

 

Fonte: Blogueiras Feministas 

Artigos Relacionados
-+=
PortugueseEnglishSpanishGermanFrench