10 mulheres negras que fazem a diferença na Bahia

Elas são destaque na sociedade e lutam contra a discriminação

*Colaborou as estagiárias Kátia Prado e Érica Lago no R7

No dia 25 de julho comemorou-se o Dia da Mulher Negra Latino Americana e Caribenha. A data instituída pelas Nações Unidas serve para reafirmar o compromisso com a valorização delas, além de dar visibilidade às lutas e resistência da mulher negra. O que todas querem é se fortalecer no combate ao racismo, sexismo, discriminação, preconceito e demais desigualdades raciais e sociais.

Com muita garra e dedicação, as mulheres negras vem mostrando do que são capazes e como podem fazer a diferença quando são atuantes na sociedade. O R7 BA traz a história de dez mulheres baianas que representam bem o espírito brasileiro.

 

baianas11

Monique Evelle

Ela tem 20 anos, mas tornou-se conhecida aos 16, quando fundou a rede Desabafo Social. Estudante de bacharelado interdisciplinar em humanidades com ênfase em política e gestão da cultura na Ufba (Universidade Federal da Bahia), ela entendeu cedo o seu papel na sociedade e decidiu fazer a diferença. Em março de 2014, seu projeto Desabafo Social ganhou o Prêmio Protagonismo Juvenil pela Associação Brasileira de Magistrados, Promotores de Justiça e Defensores Públicos da Infância e Juventude. Sua atitude e coragem a fez ser conhecida nacionalmente e hoje ela viaja pelo Brasil para participar de eventos relacionados aos Direitos Humanos da Infância e da Juventude, Comunicação e Educação.

De jovem sonhadora a alguém que faz acontecer! É desta forma que a soteropolitana tem feito o seu projeto conquistar colaboradores em diversos estados

 

Foto: Reprodução/ Facebook

baiana2

Dadá

Parece que nasceu sorrindo. A quituteira Aldaci Dadá dos Santos, popularmente conhecida como Dadá, começou a batalha aos 16 anos fazendo marmitas para vender e ajudar a família, mas a paixão pela culinária levou Dadá mais longe.

Dona de vários restaurantes badalados em Salvador, Dadá conquistou o Brasil pela sua simplicidade, pelo riso fácil e por seu tempero único, que vem da Bahia

Foto: Reprodução/Facebook

baiana3

Tia Eron

Deputada estadual (PRB), Eronildes Vasconcelos, mais conhecida como Tia Eron, é guerreira e carrega em sua história o marco de quebras de preconceitos na sociedade, como os conceitos machistas e o racismo, que impõe a ideia de que as mulheres são inferiores e negros são de segunda classe. Negra, viúva, mãe e oriunda de família humilde, Tia Eron tem em seu currículo várias conquistas: é a primeira mulher a dirigir o PRB baiano, a mulher mais votada da Bahia e a mulher mais votada do seu partido no Brasil.

Desde nova, esteve envolvida com trabalho voluntário e tornou-se vereadora em 2000, onde desenvolveu vários projetos. Um dos seus primeiros atos foi buscar a reativação da Comissão Temporária de Combate à Discriminação Contra a Mulher. Sua vida política é destacada pela luta em defesa da mulher, a valorização dos negros e das crianças

Foto: Reprodução/Facebook

baiana4

Margareth Menezes

Cantora e compositora, Margareth Menezes tem 25 anos de carreira e é considerada uma das vozes mais potentes da música popular brasileira. Carismática, Margareth exalta a mistura de ritmos, danças e cultura. Suas músicas são repletas de elementos africanos, brasileiros, indígenas e pop.

A cantora iniciou sua carreira em 1987. Além de ganhar várias premiações e obter projeção internacional desde a década de 90, levando o embalo da Bahia para o exterior, em sua passagem pelo Estados Unidos, Margareth foi comparada à cantora Aretha Franklin, um dos principais ícones da música negra

Foto: Reprodução

baiana5

Célia Sacramento

A vice-prefeita de Salvador nasceu em São Paulo, mas ainda criança mudou-se para a capital baiana. Formada em Ciências Contábeis e Direito, ela é exemplo de dedicação e força na área política. Em 2008, foi eleita vereadora e, no ano seguinte, tornou-se presidente do Conselho Municipal da Mulher, cargo que ocupou por dois mandatos consecutivos. Tornou-se ainda, a primeira vice-prefeita negra eleita de Salvador.

Baiana de coração, Célia começou a atuar em movimentos sociais por influência de sua mãe. Ela, que também é mãe de dois jovens, é reconhecida pela forte atuação na militância pelos direitos dos negros e das mulheres

Foto: Reprodução/ Facebook

baiana8Negra Jhô

A esteticista e artesã capilar Negra JhÔ cultua a beleza afrodescendente, o empoderamento da mulher, a autoestima e a emancipação da identidade negra.  Negra Jhô  é proprietária de um salão de beleza situado no Pelourinho, Centro Histórico de Salvador, e trabalha com uma linha voltada a estética afro,  que permite a extravagância, mistura de estilos e a liberdade de expressão.

Seja turbante, acessórios, adereços, tranças ou penteados, a artesã quer mostrar o valor do movimento afrodescendente e sua importância para nossa cultura. Ela já garantiu diversas premiações como o Troféu Cidadão Negro,  Força Sindical da Bahia / Dia Internacional da Mulher, Personalidade do Recôncavo / São Francisco do Conde ,entre outros

Foto: Erica Lago/R7 BA

baiana7Luislinda Valois

A baiana Luislinda Valois foi a primeira mulher negra a se tornar juíza no Brasil. Essa é apenas uma das muitas conquistas que ela têm em seu currículo. Ainda criança, foi discriminada por um professor, porque não podia comprar o material adequado para estudar. O professor disse que ela não devia estar estudando e sim cozinhando feijoada para brancos. Ali, ela decidiu vencer na vida através dos estudos.

Mesmo sendo a primeira mulher negra a sentenciar tendo como base a Lei do Racismo no Brasil, ela teve que enfrentar o desafio de ser aceita como magistrada. O CNJ (Conselho Nacional de Justiça) determinou que ela fosse promovida ao cargo de desembargadora do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), utilizando como argumento principal o critério de antiguidade para a concessão da promoção. Hoje, aos 73 anos, ela continua a luta para que as mulheres negras tenham mais espaço na sociedade

Foto: Reprodução/ Facebook

baiana8aCarol Barreto

Do recôncavo baiano para o mundo, a estilista Carol Barreto expressa sua ideologia e posicionamento político através da moda. Cheia de personalidade, a feminista tenta quebrar os estereótipos relacionados à imagem da mulher negra,  trazendo o legado da arte de matriz africana.

Em 2005, Carol Barreto  garantiu o primeiro lugar no concurso Novos Criadores da Moda, VL Pontes Organização de eventos. Já em 2012 foi premiada no “Concursos Novos Talentos da Moda”, além de representar o Brasil na Dakar Fashion Week, em Senegal, no mês de junho de 2013.

Empreendedora, Carol Barreto ainda é professora de cursos de graduação e pós-graduação em design de moda e docente do bacharelado em estudos de gênero e diversidade da Ufba (Universidade Federal da Bahia). Tem experiência na área dos estudos de gênero, sexualidade, relações étnico/raciais e moda, desenvolve trabalhos relacionados aos processos de redesenho na moda, explorando as relações entre a linguagem, moda, vestuário e a construção dos caracteres do gênero e das identidades sexuais

Foto: Reprodução/Facebook

baiana9Virgínia Rodrigues 

O talento da baiana de voz marcante foi descoberto por Caetano Veloso em 1997, durante um ensaio do Bando de Teatro Olodum. De origem humilde, a ex-manicure Virgínia Rodrigues canta canções da MPB e tem em seus CDs participações de Djavan, Gilberto Gil e Milton Nascimento.

Sua história ficou conhecida internacionalmente nos jornais americanos e ela foi batizada de “Cinderela brasileira”. A paixão que imprime nas músicas que canta e em tudo que faz contribuiu para que ela saísse do posto de menina pobre de Salvador à diva da música brasileira

Foto: Reprodução/ Facebook

baiana10Taís Muniz
Inovadora designer e gestora criativa, Thaís Muniz é idealizadora do Projeto Turbante-se, que experimenta através da poesia estética dos turbantes a questão da comunicação pelos acessórios e mistura das diferentes culturas.

A jovem aprecia movimentos das comunidades periféricas e também atos independentes. Além de espalhar a estética negra em tutoriais de moda e workshops em redes sociais. Já participou de ações em hospitais, como o Outubro Rosa, na campanha contra o câncer de mama

Foto: Reprodução/Facebook

+ sobre o tema

Cris Vianna fala sobre carreira, beleza e preconceito racial e de gênero

"Não é fácil ser negra em nenhuma profissão. Não...

O racismo, quando não nos mata, nos torna inseguras – Por Karina Vieira

Karina Vieira orienta suas pesquisas na questão da formação...

Salve as negras pensantes

A história reserva à mulher momentos peculiares. Historicamente, em...

para lembrar

Deborah Small, ativista negra norte-americana, participa de eventos em São Paulo

Após concluir agendas no Rio de Janeiro, em Salvador...

Alexandra e Damien Loras deixam a vida diplomática para continuar em SP

O cônsul da França em São Paulo, Damien Loras,...

Ginasta amadora levanta público no Rio: ‘Não vim competir. Vim ser feliz’

Cada vez que pisava na quadra para sua apresentação...

Documentário Mulheres Negras: Projeto de Mundo revela olhar feminino negro

Com lançamento marcado para o dia 12 de setembro,...
spot_imgspot_img

Comida mofada e banana de presente: diretora de escola denuncia caso de racismo após colegas pedirem saída dela sem justificativa em MG

Gladys Roberta Silva Evangelista alega ter sido vítima de racismo na escola municipal onde atua como diretora, em Uberaba. Segundo a servidora, ela está...

Uma mulher negra pode desistir?

Quando recebi o convite para escrever esta coluna em alusão ao Dia Internacional da Mulher, me veio à mente a série de reportagens "Eu Desisto",...

Da’Vine Joy Randolph vence o Oscar de Melhor atriz coadjuvante

Uma das favoritas da noite do 96º Oscar, Da'Vine Joy Randolph se sagrou a Melhor atriz coadjuvante da principal premiação norte-americana do cinema. Destaque...
-+=