2 DEDOS DE PROSA: Leci Brandão e o samba

A deputada estadual de São Paulo pelo PCdoB, a sambista Leci Brandão, deu “dois dedos” de prosa com o mandato da líder na Câmara dos Deputados, Jandira Feghali, na semana em que se comemora o Dia Nacional do Samba (2). Leci é uma das parlamentares e militantes de esquerda mais ligadas à área da Cultura do partido, tanto pela profissão quanto pela atuação política. Em Brasília, o PCdoB também já presidiu a Comissão de Cultura da Câmara, com Jandira, em 2013, e a Frente Parlamentar Mista em Defesa da Cultura no Congresso, em 2011 e 2012. Atualmente, o colegiado da Cultura na Câmara é presidido pela baiana comunista Alice Portugal.

Por: João Pedro Werneck  Do: sigajandira

Para comemorar a data e o tema, o repórter João Pedro Werneck entrevistou Leci sobre a área e seus incentivos:

João: Leci, o samba tem profunda relação com a cultura popular  do país, mas a área ainda é carente de recursos nos governos. Como incentiva-la?

Leci: Diria que o samba é uma das expressões fundantes da nossa cultura e, de fato, a atenção que o poder público e as instituições dedicam ao samba está muito aquém de sua importância. Portanto, o primeiro passo no sentido de reparar essa ausência de atenção e, diria mesmo, essa invisibilidade é olhar para o samba e seus diversos formatos de um modo afirmativo, reconhecendo que esse gênero e as comunidades que o sustenta e legitima precisam de uma atenção específica, que respeite suas singularidades.

João: Existe alguma legislação que apoia e incentiva?

Leci: O Estatuto da Igualdade Racial incentiva, em um de seus artigos, a celebração das personalidades e datas comemorativas relacionadas à trajetória do samba. Um bom começo seria simplesmente cumprir o que determina o Estatuto, por exemplo.

João: E pelos estados, como isso se dá? É diferenciado regionalmente?

Leci: Aspecto que considero importante é saber de que universo exatamente estamos falando. A realização de pesquisa e mapeamento sobre o perfil das diversas manifestações do samba nos estados seria importante. Isso talvez ajudasse a pensar em incentivos específicos para o samba a partir das necessidades reais de seus atores e comunidades.

Contudo, assim como são diversas as manifestações do samba, da mesma forma há singularidades que devem ser respeitadas e, para isso, nada melhor do abrir o diálogo com quem faz samba, para que a interlocução com o poder público tenha como resultado o incentivo da cultura do povo e não do povo da cultura.

+ sobre o tema

MA – Quilombola marcado para morrer

Uma semana depois de denunciar que o poço da...

Mãe recupera guarda da filha que participou de ritual de candomblé 

Um juiz de Araçatuba (SP) determinou a imediata restituição...

Mandela deixa sua casa para viagem pela 1ª vez após doença

O ex-presidente da África do Sul Nelson Mandela se...

para lembrar

Beyoncé está grávida de uma menina

Beyoncé está grávida de uma menina, segundo uma fonte...

Palestra aborda a literatura e imprensa negra no Brasil do século XIX

A jornalista Ana Flávia Magalhães Pinto ministra palestra no...
spot_imgspot_img

SP: mostra de cinema Léa Garcia – 90 Anos celebra obra da artista

A mostra inédita Léa Garcia - 90 anos, que começa neste sábado (25), celebra a obra da renomada artista do cinema nacional, que morreu em...

‘Está começando a segunda parte do inferno’, diz líder quilombola do RS

"Está começando a segunda parte do inferno", com esta frase, Jamaica Machado, líder do Quilombo dos Machado, de Porto Alegre, resumiu, com certo desânimo, a nova...

Brasileiro dirige único teatro negro da Alemanha

"Ainda tenho um milhão de coisas para fazer", diz Wagner Carvalho, diretor artístico do teatro Ballhaus Naunynstrasse em Berlim, poucas horas antes da estreia da noite. Wagner não...
-+=