8 de Março – Mulheres sem-teto invadem prédio no centro de SP

Cerca de 200 mulheres ligadas a vários movimentos de luta por moradia popular invadiram, por volta de 0h15 desta quinta-feira (8), um prédio de dez andares abandonado, na praça João Mendes, próximo à rua Quintino Bocaiuva, no centro da capital paulista.

Por volta das 20h desta quarta-feira, três grupos se reuniram e formaram um bloco único com o objetivo de entrar no imóvel, particular, uma ação que pretende, neste Dia Internacional da Mulher, chamar a atenção das autoridades municipais e estaduais para vários assuntos, entre eles a necessidade de se construir moradias para pessoas que não têm imóvel nem condições de pagar aluguel.

Policiais militares chegaram em frente ao prédio minutos antes da invasão e, segundo a liderança do movimento, tentaram dialogar com o objetivo de evitar a invasão, mas as mulheres não se intimidaram e entraram no imóvel. Essa ocupação pretende ser temporária e durar somente esta quinta-feira, quando grupos de sem-teto devem fazer uma passeata pela capital paulista.

Em nota, a liderança do movimento afirma: “Nós, mulheres dos movimentos populares e da luta pela reforma urbana, neste dia 8 de março de 2012, ocupamos o prédio para reivindicar políticas públicas inclusivas e democráticas, para denunciar a violência nos despejos, a falta de habitação, a criminalização das lutas e das lutadoras do povo, a falta de condições mínimas de vida nas cidades e a subtração de direitos conquistados pela luta popular”.

Ainda nesta quinta-feira, o MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto) pretende realizar uma grande manifestação no centro de São Paulo. As famílias de várias ocupações organizadas pelo MTST na região Metropolitana de São Paulo se reunirão às 9h em frente à estação da Luz.

De lá a marcha acessa a avenida Tiradentes, passando pela sede da Rota (Rondas Ostensivas Tobias Aguiar), da PM, encerrando o ato na sede do Comando Geral da PM de São Paulo. O objetivo do MTST, segundo os manifestantes, é denunciar os estupros praticados por policiais da Rota durante o despejo do Pinheirinho, em São José dos Campos, e exigir punição aos policiais.

Já em relação às mulheres, esse grupo de 200 pessoas que ocupou o prédio deve aumentar para 2.000. Elas querem realizar um panelaço à tarde e fazer uma passeata com manifestação em frente ao Tribunal de Justiça e, na sequência, na sede da CDHU (Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano).

Fonte: R7

+ sobre o tema

Estudantes do Rio combatem machismo e racismo com projeto transformador

Com o título Solta esse Black, alunas da Escola Municipal...

Ato político-cultural em SP lembra morte de Cláudia Ferreira

Organizações de mulheres negras de São Paulo fazem na...

Viola Davis enfim vive sua primeira protagonista no sucesso ‘How to get away with murder’

Na série, que tem produção executiva da badalada Shonda...

Eu, professora

Após uma vida escolar bastante conturbada, em que até...

para lembrar

Resenha: “Amor e Sofrimento – O acaso destino de uma mulher negra”

O acaso muitas vezes é precedido por uma urgência,...

Médicas Pretas

Hoje, dia 18 de Outubro é comemorado o Dia...

Tinder faz campanha contra LGBTfobia, mas ainda bane perfis de pessoas trans

Dar match. Arrastar pro lado. Desfazer o match. Dar...

UNFPA divulga lista de participantes da Rodas das Juventudes Já!

Durante os meses de outubro e novembro pessoas jovens...
spot_imgspot_img

Documentário sobre Lélia Gonzales reverencia legado da ativista

Uma das vozes mais importantes do movimento negro e feminista no país, Lélia Gonzales é tema do Projeto Memória Lélia Gonzalez: Caminhos e Reflexões Antirracistas e Antissexistas,...

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...
-+=