A cara da nova literatura africana

Em passagem pelo Brasil, Alain Mabanckou esteve presente em atividade realizada pelo Centro de Pesquisa e Formação do Sesc em parceria com o Consulado Geral da França no Brasil e o Festival Black to Black. O encontro discutiu a nova literatura africana e o papel dos escritores perante um mundo conturbado e atormentado por graves conflitos étnicos.

no Centro de Pesquisa e Informação do SescSP

O escritor é considerado um dos principais nomes da literatura francófona contemporânea. Condição ainda mais significativa para alguém nascido na bela Pointe Noire, cidade litorânea e principal centro comercial da República do Congo, filho único de uma vendedora de amendoins que, como a maioria da população, não havia aprendido a ler.

“Quando eu ficava com o pai, que sabia ler um pouco, minha mãe ficava com ciúmes, então ela fingia que sabia ler. Ela segurava o jornal para mostrar que sabia ler, até que um dia o jornal estava de cabeça para baixo. Ela disse que estava de cabeça para baixo para ver se ele sabia ler”, conta com bom humor e ressalta “não existe literatura nos idiomas do Congo. Os governos da África não incentivam as línguas locais” e revela que se não falasse francês não teria tido acesso a grandes escritores que o inspiraram como Yukio Mishima, Fernando Pessoa e Gabriel García Marquez.

Como milhões de africanos, ainda jovem deixou seu país que vivia um período ditatorial e mudou-se para a França, onde estudou direito, segundo ele, porque sua mãe sofria muitas injustiças como pequena comerciante e queria que seu filho a defendesse. No entanto, com a morte da mãe em 1995, abandonou o direito e começou a escrever poemas e contos.

Após algumas recusas de editores que avaliavam suas obras como “histórias de amor muito chorosas” encontrou seu caminho: foi convidado para uma residência de escritores nos Estados Unidos por um ano, para escrever um livro. Foi então que o escritor, hoje com 49 anos, começou a ganhar notoriedade e pôde dedicar-se totalmente ao texto. Pouco tempo depois foi convidado a lecionar literatura francófona nos Estados Unidos. Atualmente é professor da tradicional Universidade da Califórnia em Los Angeles, a UCLA. “Os EUA me dão o pão. E quando alguém te dá o pão você não pode ser ingrato. Além do que, o meu trabalho é ensinar a literatura francófona, tanto a francesa quanto a africana, e para mim isso é extraordinário, ser pago para exercer a minha paixão”, completa Mabanckou.

Autor de cinco romances e seis livros de poesia, o escritor retrata temas como a diáspora africana e histórias centenárias e atuais de sua região. Sua escrita é fortemente marcada pela oralidade, sendo a fluidez e o ritmo suas principais características. Sobre isso, comenta: “Nos livros de literatura africana você encontra a mistura da história escrita e da história oral. Nossa literatura não vem do cérebro, vem do coração, vem do ventre” e ainda destaca: “quando se usa a língua francesa, as palavras são em francês, mas o ritmo, o fôlego, vem de nossa origem.”

O autor também falou das barreiras que a literatura africana enfrenta para ser mais difundida. “É espantoso como os escritores africanos, desde a década de 1920, escreviam em francês, eram publicados na França, mas não eram lidos. Os editores franceses esperavam por uma literatura exótica, caricata. A África não é a barbárie, não são os antropófagos, não existem só os pigmeus. Eu nunca vi um pigmeu. Na África existem também pessoas que amam e falam de seus amores. Existe poesia, existe música”. Contundente o escritor continua: “A literatura africana é a recusa desse preconceito. E acredito que a literatura africana nasceu porque os africanos recusaram o retrato que os europeus queriam fazer deles.”

Mabanckou aborda temas como o racismo e a liberdade e soberania dos países africanos, mas lamenta o alcance que tem.”A literatura africana se faz, em grande parte, fora da África. Desde o início do século XX, os principais autores estiveram fora da África. O grande problema é conseguir ser lido dentro da África. As maiores críticas que me fazem pela internet é que eu escrevo para os brancos, mas não existem editoras na África. A pirataria ajuda a divulgar. Se quiserem ajudar a África, invistam em livrarias.”

O franco-congolês recebeu diversos prêmios nos últimos anos, dentre eles o Prix Renaudot, um dos principais da literatura francesa, mas quando tocam no assunto, prefere reforçar o atual momento literário de seu continente. “Hoje os escritores africanos podem escrever sobre a beleza, sobre as flores. Quando eu quero falar de guerra eu falo de guerra como se deve. Não vou falar apenas para ser lido e, talvez, a melhor maneira de conhecer a África é pelo romance que nós escrevemos.”

+ sobre o tema

Pelo Guinness, sul-africanos põem mais de 90 surfistas na mesma onda

Marca anterior, de 110 pessoas, não é quebrada na...

Pharrell Williams receberá prêmio de “Ícone Fashion” em evento de moda

Pharrell Williams já recebeu muitos prêmios por sua música...

Mandela celebra 94 anos com centenas de atos por toda a África do Sul

Ex-presidente sul-africano passará o aniversário com familiares em sua...

para lembrar

Conheça Waris Kareem, o artista de 11 anos que é sensação em Lagos, na Nigéria

Com 11 anos de idade, Waris Kareem Olamilekan, ou apenas Waspa, já é...

Hoje a USP abre-se aos refugiados

Na FEA, uma escola conhecida pelo conservadorismo de muitos...
spot_imgspot_img

Flávia Souza, titular do Fórum de Mulheres do Hip Hop, estreia na direção de espetáculo infantil antirracista 

Após mais de vinte anos de carreira, com diversos prêmios e monções no teatro, dança e música, a multiartista e ativista cultural, Flávia Souza estreia na...

Segundo documentário sobre Luiz Melodia disseca com precisão o coração indomado, rebelde e livre do artista

Resenha de documentário musical da 16ª edição do festival In-Edit Brasil Título: Luiz Melodia – No coração do Brasil Direção: Alessandra Dorgan Roteiro: Alessandra Dorgan, Patricia Palumbo e Joaquim Castro (com colaboração de Raul Perez) a partir...

Grávida, Iza conta que pretende ter filha via parto normal: ‘Vai acontecer na hora dela’

Iza tem experienciado e aproveitado todas as emoções como mamãe de primeira viagem. No segundo trimestre da gestação de Nala, fruto da relação com Yuri Lima, a...
-+=