quinta-feira, setembro 23, 2021
InícioÁfrica e sua diásporaEscritor angolano promove "novas línguas portuguesas" em Pequim

Escritor angolano promove “novas línguas portuguesas” em Pequim

Uma nova geração de autores lusófonos africanos usa “bué” palavras do tipo “desconseguir”, “bazar” e “à toa”, desenvolvendo à sua maneira a identidade expressa pelo romancista moçambicano Mia Couto: “A minha pátria é a minha língua portuguesa”.

Do RTP

É uma frase de Fernando Pessoa a que Mia Couto acrescentou um segundo “minha”, mas neste pronome possessivo cabe toda a liberdade: “É a minha língua portuguesa”, reafirmou o escritor angolano Ondjaki em Pequim.

“Eu tenho pelo menos duas línguas portuguesas: a que aprendi na escola e a que adquiri quando comecei a escrever”, disse Ondjaki na 9.ª edição do Bookworm Literary Festival, concluída hoje.

Ondjaki, 38 anos, galardoado em 2013 com Prémio José Saramago pelo romance “Os transparentes”, foi o único escritor de língua portuguesa presente no certame. (O brasileiro Cristóvão Tezza participou na edição do ano passado).

Durante duas semanas, o festival reuniu em Pequim uma centena de autores de vários continentes, entre os quais o franco-marroquino Tahar Ben Jelloun, o canadiano Dennis Bock e a chinesa Xiaolu Guo, radicada em Londres.

“Sou de Angola, mas não tenho a certeza se aquilo que faço é literatura angolana. Não ponho carimbo nas coisas: o meu trabalho não é esse”, afirmou Ondjaki.

Pseudónimo de Ndalu de Almeida, Ondjaki nasceu e cresceu em Luanda, filho de um engenheiro e de uma professora.

Num inglês fluente, contou que o seu nome literário “é uma palavra umbundu”, língua do sul de Angola, que tem vários significados, desde “guerreiro” a “traquinas”, e pode significar também “aquele que enfrenta desafios”.

“Há cerca de 3.000 palavras do português que são de origem africana”, disse.

Batuque, bunda, capanga, gingar, minhoca, missanga, moleque, parlapié e missanga são alguns exemplos mais conhecidos dessa influência.

Os pais de Ondjaki, ambos antigos militantes do MPLA (Movimento Popular para a Libertação de Angola), conheceram-se na Tanzânia, ainda antes da independência do país. O avô materno, holandês, casou com “uma senhora negra de Cabinda”, no norte de Angola, e o avô paterno, “um pescador branco do Namibe”, no sul, casou com uma portuguesa.

Ondjaki também haveria de viajar muito: estudou sociologia em Lisboa e depois de um mestrado frustrado em Nova Iorque, vive agora no Brasil.

“Não gostei do frio. Estavam 23 graus negativos e sentia-se como menos 28 graus. Fiquei uma semana sem sair de casa”, contou o escritor acerca da sua passagem por Nova Iorque.

Ondjaki vive no Rio de Janeiro, mas continua a ir regularmente a Luanda: “A corrupção não é a única coisa que está a acontecer em Angola, no Uganda ou pela África fora. Há muitas coisas positivas a acontecer. São coisas por vezes invisíveis, mas o que interessa é que aconteçam”.

“Não é transmitir só as coisas positivas. É, antes, ocupar o espírito com coisas positivas (…) Não me posso permitir sentir qualquer espécie de pessimismo. Não é uma opção, é uma obrigação”, disse.

Entre os escritores que mais admira, Ondjaki começou por citar os compatriotas Luandino Vieira, Manuel Rui e Rui Duarte de Carvalho e, depois, Mia Couto, Guimarães Rosa, Manuel de Barros, Kafka, Kazantzaki, “Garcia Marques e os outros todos”.

“Quando se entra na literatura latino-americana já não se consegue sair”, rematou

Ondjaki já publicou cerca de vinte livros (poesia, teatro, contos, romance e literatura infantil) e está traduzido em mais de uma dezena de países, de Cuba à Suécia.

Em 2012, o jornal britânico The Guardian considerou-o um dos cinco melhores escritores africanos.

RELATED ARTICLES