A Etnia Africana que usa as fachadas de suas casas como tela para pinturas coloridas

A África é um continente cheio de curiosidades e costumes interessantes, estampados por todos os lados. Um deles vem do grupo étnico Ndebeles, da África do Sul e Zimbábue, que tem o costume de pintar, ou melhor, estampar suas casas com muitas cores e formas marcantes.

Do Nomades Digitais

Pouco se sabe sobre as casas, mas aparentemente tiveram origem na tribo nguni, composta por quase dois terços da população negra da África do Sul. Após uma troca e mistura de culturas, as casas passaram a ser pintadas como resultado destas relações. Acredita-se que após uma terrível derrota numa guerra contra colonos de língua holandesa, chamados de Boers, pouco antes do início do século XX, o povo oprimido passou então a utilizar as pinturas como simbologia de identificação entre eles, comunicando-se secretamente uns com os outros através da arte.

O costume da padronagem nas fachadas não foi identificado pelos inimigos, sendo interpretados apenas como algo decorativo, e assim deu-se continuidade ao que marcou uma época de desentendimentos e conflitos. A resistência foi então marcada por estes murais coloridos e de estilo único, sempre pintados por mulheres, tornando-se uma tradição passada de geração em geração pelas matriarcas da família. Sendo assim, o visual da casa indica que ali vive uma boa esposa e mãe, responsável pela pintura das portas exteriores, paredes frontais, laterais e interiores também.

Antes da década de 1940, utilizavam apenas pigmentos naturais, pintados às vezes com os dedos nas paredes de barro, que eram posteriormente enxurrados pelas chuvas de verão. Após o período, introduziram então os pigmentos acrílicos e os desenhos têm evoluído cada vez mais, até por conta da influência externa. No entanto, ainda é possível encontrar as pinturas mais tradicionais em áreas remotas, como na província de Nebo, com as cores predominantes desde seu surgimento: fortes linhas pretas, marrom, vermelho, vermelho escuro, amarelo-ouro, verde, azul e, ocasionalmente, o rosa. Outras aldeias Ndebele para se visitar são Mapoch e Mpumalanga.

Dá uma olhada nas fotos:

Ndebeles-16

Ndebeles-13Ndebeles-12

Ndebeles-11

Ndebeles-10

Ndebeles-9

Ndebeles-7

Ndebeles-6

Ndebeles5

Ndebeles-3

Ndebeles3Ndebeles2

Ndebeles-0

Ndebeles-20

+ sobre o tema

Um conversa com Luedji Luna sobre África, São Paulo e a música baiana

Revelação baiana, Luedji Luna é um dos destaques do...

Direitos civís dos afro-descendentes na América Latina

Por: ÁLVARO BELLO e MARCELO PAIXÃO Existe um...

Livro retrata três séculos de escravidão no Brasil

Se por um lado não há o que comemorar...

para lembrar

Os 10 melhores jogadores africanos da história

A paixão do povo africano pelo futebol é antiga,...

Coletivo Dúdú Badé: O grupo que ensina memória e cultura negra para crianças

Elas promovem atividades lúdicas e lançaram catálogo com reflexões...

Mundo Deserto de Almas Negras – Trailer oficial

Mundo Deserto de Almas Negras - Trailer oficial Em uma...

Coronavírus chega a comunidades quilombolas de Pernambuco

A Coordenação Estadual de Articulação das Comunidades Quilombolas de Pernambuco...
spot_imgspot_img

Flávia Souza, titular do Fórum de Mulheres do Hip Hop, estreia na direção de espetáculo infantil antirracista 

Após mais de vinte anos de carreira, com diversos prêmios e monções no teatro, dança e música, a multiartista e ativista cultural, Flávia Souza estreia na...

Segundo documentário sobre Luiz Melodia disseca com precisão o coração indomado, rebelde e livre do artista

Resenha de documentário musical da 16ª edição do festival In-Edit Brasil Título: Luiz Melodia – No coração do Brasil Direção: Alessandra Dorgan Roteiro: Alessandra Dorgan, Patricia Palumbo e Joaquim Castro (com colaboração de Raul Perez) a partir...

Estou aposentada, diz Rihanna em frase estampada na camiseta

"Estou aposentada", é a frase estampada na camiseta azul que Rihanna, 36, vestia na última quinta-feira (6), em Nova York. Pode ter sido uma brincadeira, mas...
-+=