A mulher que acabou com a festa de Donald Trump

A republicana Carly Fiorina emerge de um debate contra o multimilionário como uma possível candidata de seu partido à Casa Branca

Por Jorge  Marirrodriga Do Brasil

Carly Fiorina emerge como figura republicana após confrontar Trump

Ocorre com mais frequência do que parece. No final, quem acaba com a festa do valentão da classe é uma mulher. Enquanto seus companheiros masculinos tentam passar despercebidos e olham assobiando para o outro lado, ela joga na cara dele o que todos pensam. E o obriga a recuar. Foi exatamente isso o que aconteceu com o autoproclamado macho alfa do cenário político norte-americano, Donald Trump, que desde o anúncio de sua candidatura à indicação republicana à Casa Branca – na verdade, desde muito antes – distribuiu insultos, desprezos e barbaridades a torto e a direito. É verdade que é preciso reconhecer que o multimilionário, em algo, é igualitário – insulta com o mesmo descaramento a qualquer um que tenha pela frente, seja ele o presidente dos EUA, uma apresentadora da TV conservadora Fox ou um imigrante mexicano. Para ele, o que conta é se a pessoa é negra, mulher ou não fala inglês. Se por acaso reunir as três características, melhor ainda.

Com o moral nas nuvens por causa de algumas pesquisas que apoiavam sua tese populista e uma influência cada vez maior no discurso de seus concorrentes dentro do partido, Trump se apresentou esta semana em um debate televisionado com outros candidatos à indicação. Mas seus golpes dialéticos se depararam com uma mulher a quem – surpresa – tinha insultado e menosprezado. “Vejam essa cara, como se pode votar nisso?”, tinha dito sobre antes do debate. Longe de entrar na luta na lama que Trump adora, Carly Fiorina reagiu com classe, calma e educação. Pôs o milionário no devido lugar e emergiu do debate – ao qual chegara praticamente como candidata de recheio – como uma das figuras promissoras na corrida republicana à Casa Branca.

Fiorina marcou diferenças notáveis. Sua atitude foi como dizer a Trump: “Diga-me do que você se gaba e eu direi o que lhe falta”. E tem sua lógica. Diferentemente de Trump, que exige que todos trabalhem duro, mas herdou um próspero negócio familiar, Carly Fiorina sabe o que é começar de secretária e subir até se transformar em diretora executiva de várias grandes multinacionais. Além disso, nem ela nem seus antepassados mudaram o sobrenome, como fizeram os Drumpf, transformados em Trump. E mais, a candidata renunciou a seu sobrenome inglês de ascendência nobre para adotar – segundo o costume norte-americano – o sobrenome italiano de seu marido. Algo inconcebível para seu rival, cujas origens norte-americanas têm a mesma autenticidade de seu topete.

Não é, definitivamente, a semana de Trump, que foi substituído em seu reality show… por um imigrante. Trata-se de Arnold Schwarzenegger, um austríaco de quem dizer que fala inglês com um forte sotaque alemão é um eufemismo, que depois de fazer sucesso em seu trabalho teve a desfaçatez de se casar com uma mulher pertencente a uma das famílias americanas com mais pedigree – os Kennedy – e ainda por cima foi eleito democraticamente governador da Califórnia. A encarnação do sonho americano para qualquer imigrante. Sua frase mais famosa? Uma mescla de inglês e espanhol aplicável a Trump: “Hasta la vista, baby”.

+ sobre o tema

5 dados que explicam por que arma de fogo virou crise de saúde pública nos EUA

A maioria dos americanos ou de seus familiares já...

CONAQ: Nota de repúdio

CONAQ repudia matéria da revista Carta Capital intitulada “Quilombo...

Ministra defende criação de marcos da cultura para evitar retrocessos

A ministra da Cultura, Margareth Menezes, defendeu, nesta quinta-feira...

Plano Safra é relevante para combater inflação

É de pobreza franciscana o debate macroeconômico brasileiro, restrito,...

para lembrar

Campanha Direitos valem mais, não aos cortes sociais

Mobilização propõe a realização de rodas de conversa em...

Obama, mais exposto na mídia que Paris Hilton

Fonte: UOL Notícias- Enquanto o presidente Barack Obama prepara-se para...

Me deixa em paz! Eu não aguento mais! Por Cidinha da Silva

Chacina mata doze meninos em quatro horas. Três por...

Entrevista de Cidinha da Silva ao blogue Pernambuco Afro Cultural

Momento de Prosa com a Escritora Cidinha da Silva Nós...

‘Ela terá a correção necessária’, diz Benedita da Silva após Carla Zambelli a chamar de ‘Chica da Silva’

A deputada Benedita da Silva (PT-SP) disse que vai notificar judicialmente a também deputada Carla Zambelli (PL-SP), após a parlamentar bolsonarista a chamar de "Chica da Silva" durante uma...

AGU e Ministério da Igualdade Racial realizam aula inaugural do programa Esperança Garcia

A Advocacia-Geral da União (AGU), em parceria com o Instituto de Referência Negra Peregum e o Ministério da Igualdade Racial (MIR), realizou nesta segunda-feira...

Operação resgata 12 pessoas em condições análogas à escravidão

A Polícia Federal (PF), em parceria com o Ministério Público do Trabalho e o Ministério do Trabalho e Emprego, informou nesta terça-feira (2) que resgatou...
-+=