A Niterói de Iris e Alessandro desenha o mapa da segregação racial brasileira

A nutricionista Iris Motta, 46, e o jornalista Alessandro Conceição, 37, moram em Niterói, município a 15 quilômetros da capital Rio de Janeiro que ostenta alguns dos melhores indicadores sociais e econômicos de todo o Brasil. Porém, ambos vivem realidades bem diferentes. É fim de tarde e, assim como algumas dezenas de pessoas, Iris se exercita no calçadão da praia de São Francisco, bairro de classe média-alta da cidade. As ruas estão impecavelmente limpas e uma viatura de polícia faz a segurança do local. “Morar aqui é ótimo, me sinto muito segura”, afirma Iris, que é branca e vive no Canal, bairro de classe média. Alguns desses serviços de qualidade até chegam no Complexo de favelas do Viradouro. Mas o cotidiano de Alessandro, que é negro, é cheio de armadilhas. “Em toda minha existência ocupar certos lugares significa sempre gerar muita desconfiança. Eu sei que os olhares vigilantes de policiais viram para mim”, conta. O rapaz vem convivendo desde 19 de agosto com uma nova ocupação da Polícia Militar em seu bairro, apesar de o Supremo Tribunal Federal ter proibido operações policiais nas favelas do Rio durante a pandemia de coronavírus.

O vizinho rico do Rio de Janeiro se orgulha de ter o sétimo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) mais alto de todo o país. De acordo com o IBGE, o PIB per capita em 2017 foi de 55.000 reais no município, enquanto o país inteiro registrou pouco mais de 31.000 reais naquele mesmo ano. Mas a “cidade sorriso”, como ficou conhecida por causa de sua qualidade de vida, também retrata um Brasil que é profundamente racista. Essa é a conclusão que emerge do Mapa da Desigualdade da região metropolitana do Rio de Janeiro divulgado neste mês pela ONG Casa Fluminense. Em análise anterior feita pelo jornal Nexo a partir dos dados do IBGE e da Brown University, Niterói aparece como a cidade que mais segrega pela cor da pele do Brasil.

 

Leia a matéria completa aqui 

+ sobre o tema

Como as escolas de samba nos ensinam sobre ancestralidade

Desde que foram criadas, escolas de samba têm sido...

Esperança de justiça une mães de vítimas da violência policial no Rio

A longa espera por justiça é uma realidade presente...

Primeira mulher trans a liderar bancada no Congresso, Erika Hilton diz que vai negociar ‘de igual para igual’

A deputada federal Erika Hilton (PSOL-SP) foi aclamada nesta quarta-feira como...

para lembrar

spot_imgspot_img

Apreensão de jovens sem flagrante autoriza racismo e segregação em praias do Rio

O sol não é para todos A Procuradoria-Geral da República pediu ao Supremo Tribunal Federal que proíba a apreensão de jovens sem flagrante nas praias...

Trinta anos do fim do apartheid, regime de segregação racial na África do Sul

Paris, 28 Jun 2021 (AFP) - Ha 30 anos, a África do Sul acabava com o apartheid, regime político de segregacionismo racial que durou...

Alerta para o Brasil: Estados Unidos vivem pior momento desde a segregação

A vitória de Joe Biden se deve muito à comunidade negra e às muitas mobilizações feitas por organizações como a Fair Fight, da ativista...
-+=