Aborto, maconha, gays, cotas: cadê as polêmicas na campanha?

 A propaganda eleitoral gratuita na TV deveria servir para diferenciar os candidatos. Mostrar o que cada um pensa sobre as principais questões do país — e, no saudável jogo da democracia, gerar confronto de opiniões e propostas.
Mas esta primeira semana de exibição dos programas foi frustrante para quem desejava fazer uma comparação entre os postulantes à Presidência da República. O discurso dos três principais candidatos — Dilma Rousseff (PT), Aécio Neves (PSDB) e Marina Silva (PSB) — se revelou pasteurizado a ponto de provocar sonolência.
Não houve, até aqui, abordagem de nenhum tema polêmico. E são justamente assuntos espinhosos como o direito ao aborto, a descriminalização do consumo de drogas, a posição sobre o casamento entre pessoas do mesmo sexo, o julgamento pessoal sobre as cotas raciais, a proposta de regulação da mídia e o projeto que transforma corrupção em crime hediondo, que poderiam delimitar mais claramente a silhueta ideológica dos presidenciáveis.
Por enquanto, o único tema relevante que mereceu destaque no programa eleitoral dos três líderes das pesquisas foi o Bolsa Família. Dilma prometeu ampliar o benefício, Aécio e Marina se apressaram em garantir que ninguém perderá a renda oferecida pelo governo.
Outro ponto em comum: a convocação por mudanças. Direcionados por pesquisas que apontam a vontade popular por uma reformulação da política e do jeito de governar o país, o trio investe no assunto.
Marina, que incorporou o ‘Não vamos desistir do Brasil’ lançado por Eduardo Campos, afirma em suas diretrizes: “Sentimos que o país se encontra efetivamente diante da possibilidade de mudar de forma significativa seu presente e futuro”.
Em seu principal discurso no programa político, Aécio propôs: “O Brasil pode mudar. Mas não é mudar por mudar. É mudar para melhorar. Mudar o que vem dando errado”. Já a presidente Dilma, na batalha pela reeleição, adotou o slogan ‘Mais Mudanças, Mais Futuro’.
Com discursos tão afinados, a propaganda eleitoral na TV ainda não apresentou conteúdo capaz de empolgar. Tomara que o início dos debates faça a temperatura subir no horário político. O telespectador-eleitor merece.
Fonte: Terra

+ sobre o tema

Um compromisso nacional

Alfabetizar todas as crianças foi colocado desde o início...

Mapa aponta que quase meio milhão de cariocas passam fome

A insegurança alimentar grave é realidade em 7,9% das casas...

STF intima governo de SP a se manifestar em ação sobre edital de câmeras

O presidente do STF, Luís Roberto Barroso, intimou o governo...

para lembrar

Desaparecimento de meninos em Belford Roxo é denunciado à ONU

O desaparecimento dos meninos de Belford Roxo, na Baixada Fluminense,...

Nhá Chica é uma santa negra que nasceu escrava? – Fátima Oliveira

Nhá Chica, a santinha de Baependi, eu sempre soube...

Partidos preparam reação contra reserva de recursos para candidatos negros

O assunto foi discutido em reuniões de dirigentes partidários...

Faces da desigualdade brasileira

A complexidade da questão da desigualdade econômica exige um...

Lewandowski apresentará normas para uso de câmeras corporais por policiais

O ministro da Justiça e da Segurança Pública, Ricardo Lewandowski, apresentará, nesta terça-feira (28/5), as diretrizes sobre o uso de câmeras corporais pelos policiais....

Defensoria Pública de SP recorre ao STF contra flexibilização nas câmeras corporais na PM

A Defensoria Pública do estado de São Paulo entrou com uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) nesta segunda-feira contra a tentativa do governo...

Imposto de renda: como apoiar projetos sociais na sua declaração

Pouca gente sabe, mas parte do seu imposto de renda devido pode ser direcionada para organizações sociais que trabalham para proteger direitos de crianças e adolescentes....
-+=