Aborto, maconha, gays, cotas: cadê as polêmicas na campanha?

 A propaganda eleitoral gratuita na TV deveria servir para diferenciar os candidatos. Mostrar o que cada um pensa sobre as principais questões do país — e, no saudável jogo da democracia, gerar confronto de opiniões e propostas.
Mas esta primeira semana de exibição dos programas foi frustrante para quem desejava fazer uma comparação entre os postulantes à Presidência da República. O discurso dos três principais candidatos — Dilma Rousseff (PT), Aécio Neves (PSDB) e Marina Silva (PSB) — se revelou pasteurizado a ponto de provocar sonolência.
Não houve, até aqui, abordagem de nenhum tema polêmico. E são justamente assuntos espinhosos como o direito ao aborto, a descriminalização do consumo de drogas, a posição sobre o casamento entre pessoas do mesmo sexo, o julgamento pessoal sobre as cotas raciais, a proposta de regulação da mídia e o projeto que transforma corrupção em crime hediondo, que poderiam delimitar mais claramente a silhueta ideológica dos presidenciáveis.
Por enquanto, o único tema relevante que mereceu destaque no programa eleitoral dos três líderes das pesquisas foi o Bolsa Família. Dilma prometeu ampliar o benefício, Aécio e Marina se apressaram em garantir que ninguém perderá a renda oferecida pelo governo.
Outro ponto em comum: a convocação por mudanças. Direcionados por pesquisas que apontam a vontade popular por uma reformulação da política e do jeito de governar o país, o trio investe no assunto.
Marina, que incorporou o ‘Não vamos desistir do Brasil’ lançado por Eduardo Campos, afirma em suas diretrizes: “Sentimos que o país se encontra efetivamente diante da possibilidade de mudar de forma significativa seu presente e futuro”.
Em seu principal discurso no programa político, Aécio propôs: “O Brasil pode mudar. Mas não é mudar por mudar. É mudar para melhorar. Mudar o que vem dando errado”. Já a presidente Dilma, na batalha pela reeleição, adotou o slogan ‘Mais Mudanças, Mais Futuro’.
Com discursos tão afinados, a propaganda eleitoral na TV ainda não apresentou conteúdo capaz de empolgar. Tomara que o início dos debates faça a temperatura subir no horário político. O telespectador-eleitor merece.
Fonte: Terra

+ sobre o tema

Sakamoto: Depois de muito tempo, este blog desce do pedestal e responde a um leitor

por Leonardo Sakamoto Detesto fazer o que chamo...

Mulatas Puro Sangue e a cultura do negro, por Jamyle Vanessa Brasil

E no Brasil, não foi diferente a exclusão das...

Sua opinião vs. preconceitos: Por Stephanie Ribeiro

“Mãe prefiro sorvete de nozes, a sorvete de amora.” Por Stephanie...

para lembrar

Sou contra o aborto.

Sou contra o aborto. Mas sou contra a criminalização...

A questão do aborto, vista sem hipocrisia

Fim do Silêncio é um documentário muito simples e...

Não entraria em avião pilotado por cotista?

"Responda com sinceridade, leitor. Você entraria confortavelmente num avião conduzido por alguém que, pelo fato de pertencer à minoria desfavorecida, recebeu um empurrãozinho na...

“Enem dos Concursos” reserva 20% das vagas para negros

O governo federal reservou 20% das 6,6 mil vagas do Concurso Nacional Unificado para candidatos negros. A totalidade das vagas está dividida entre nível...

Somente 7 estados e o DF têm cotas para negros em concursos públicos. Veja quais

Adotadas no Executivo federal, as cotas raciais nos concursos para entrada no serviço público avançam em ritmo bem lento nos outros níveis de governo,...
-+=