‘Absolutamente fora do padrão’: representante do setor funerário condena caixão com lixo de jovem morto sem atendimento em SP

Lourival Panhozzi disse ao g1 que 'responsabilidades precisam ser apuradas'. Mãe da vítima se revoltou com o estado da urna funerária; havia caixotes de madeira, pó de serra aparente e pedaços de papel. Vitor faleceu por falta de equipamentos médicos para obesos.

O presidente da Associação Brasileira de Empresas e Diretores do Setor Funerário (ABREDIF), Lourival Panhozzi, afirmou ao g1 que os protocolos adotados pela funerária responsável pelo caixão de Vitor Augusto Marcos de Oliveira estavam “absolutamente fora dos padrões estabelecidos” e que “responsabilidades precisam ser apuradas”.

O jovem de 25 anos morreu dentro de uma ambulância em frente ao Hospital Geral de Taipas, na Zona Norte de São Paulo, após tentar vaga em seis unidades de saúde e não conseguir atendimento por falta de equipamentos para pacientes obesos.

A mãe de Vitor Augusto Marcos de Oliveira se revoltou após descobrir, pouco antes do enterro, que o caixão do filho havia sido preenchido com pó de serra aparente, caixotes de madeira e folhas de jornal para que o corpo do jovem ficasse nivelado dentro da estrutura.

“Primeiro: uma urna do tamanho adequado deveria ter sido usada. Colocaram uma de tamanho superior à necessidade. Segundo: o preenchimento do fundo da urna, quando necessário, jamais pode ser feito com restos de materiais. O corpo foi apresentado à família de maneira inadequada”, disse Panhozzi.

Andreia da Silva também se surpreendeu com a altura da urna funerária em que o filho havia sido colocado. “Tamanho exorbitante, grotesco, feio, horroroso”, disse ela.

“Eu não tinha descoberto essa fraude. Brincaram de novo com o peso do meu filho. Mais uma vez, gordofobia. Meu filho estava em cima do lixo”, lamentou Andreia da Silva, mãe da vítima.

O que diz a funerária e a Cooperaf

A funerária Trianon, responsável pelo caixão, disse ao g1 que não tinha responsabilidade pelo estado do caixão, apenas pelo transporte de Vitor. Informou também que a responsável pela preparação do corpo e da urna funerária para o velório seria a Cooperaf, uma cooperativa de tanatopraxia.

Procurada pelo g1, uma representante da Cooperaf afirmou que o nivelamento do corpo com papéis e a utilização de pó de serra são práticas habituais na área. Ao ser questionada pela presença dos caixotes de madeira, encerrou a ligação.

A Secretaria da Segurança Pública (SSP) informou que as imagens que mostram o caixão preenchido com os materiais estão sob análise. “Exames periciais foram solicitados, e estão em fase de elaboração, e serão analisados pela autoridade policial tão logo forem concluídos. As diligências estão em andamento para esclarecer os fatos”, diz em nota.

+ sobre o tema

Divulgados dados sobre a violência em 2012

Pesquisa mostra que cinco civis foram mortos por dia...

Entidade pede desculpas por apelido racista dado a Emirados Árabes

A Confederação Asiática de Futebol (AFC) fez nesta...

Professor da Fiocruz, Paulo Bruno, é solto com outros 19 presos políticos

  O professor e pesquisador Paulo Roberto de...

Estudantes denunciam caso de racismo no Mackenzie em São Paulo

O Coletivo Negro Afromack e diretório Acadêmico da Faculdade...

para lembrar

Estudante negra diz ter sido barrada em prédio da USP

Uma estudante da Universidade de São Paulo (USP) afirma...

O extermínio de jovens negros é projeto do governo do Rio

É assentada no extermínio dos jovens negros moradores de...

Dois meses depois, condenação ainda não foi publicada

Fonte: Afropress Brasília - Dois meses e sete dias após...
spot_imgspot_img

Mãe não é tudo igual

- Coloca um casaco, meu filho! - Na volta a gente compra, filha. É bem provável que muitos de nós já tenhamos ouvido alguns desses bordões...

Carta aos negacionistas: comprem um seguro de vida

Senhores negacionistas, Coube à nossa geração viver uma encruzilhada existencial: ou mudamos a forma de nos relacionar e habitar o planeta, ou simplesmente esse planeta...

À espera da extinção da escravidão

Dia 13 de maio de 2024 completam-se 136 anos da assinatura da Lei 3.353/1888 pela então princesa imperial regente. Para além do abandono dos negros...
-+=