Irmãs negras que foram revistadas por PMs em loja de Aracaju prestam nova queixa sobre racismo

Enviado por / FonteDo G1

A Polícia Civil informou que, o inquérito policial da primeira denúncia envolvendo as duas mulheres está em fase final de instrução e conclusão.

A Polícia Civil confirmou nesta sexta-feira (13) que vai investigar uma nova denúncia envolvendo as irmãs que relataram racismo em loja de Aracaju. Desta vez, elas prestaram boletim de ocorrência afirmando que estão sendo monitoradas por funcionários do estabelecimento comercial.

O advogado das vítimas informou ter recebido prints de conversas de funcionários da loja em um aplicativo de mensagens. Foto das irmãs e áudio com alerta sobre a presença delas estão sendo compartilhados.

Ainda segundo o advogado, um boletim de ocorrência foi prestado contra um funcionário da loja, que estaria administrando o grupo e que é a mesma pessoa que acionou a polícia para revistar as bolsas das irmãs.

Os representantes das entidades que lutam pela defesa dos direitos da pessoa negra também acompanham os desdobramentos do caso.

A Polícia Civil informou que o inquérito policial da primeira denúncia envolvendo as duas mulheres está em fase final de instrução e conclusão. O caso é investigado pela Delegacia Especial de Crimes Homofóbicos, Raciais e de Intolerância (DACHRI), vinculada ao Departamento de Atendimento a Grupos Vulneráveis (DAGV).

A assessoria de comunicação da Loja Marisa informou que, após a apuração dos fatos, o funcionário envolvido foi desligado imediatamente. Disse ainda que lamenta o ocorrido e que a empresa vai continuar empenhada na conscientização de todos os funcionários, reforçando treinamentos em todas as lojas.

Relembre o caso

Em dezembro do ano passado, as irmãs negras prestaram queixa após terem as bolsas revistadas por policiais militares na Loja Marisa, no Centro de Aracaju (SE). O boletim de ocorrência inicialmente relatou constrangimento ilegal, mas a defesa pediu a apuração por racismo.

Na ocasião, segundo a defesa , os policiais alegaram que a abordagem foi realizada após o pedido de um funcionário do estabelecimento.

Leia também:

‘Absolutamente fora do padrão’: representante do setor funerário condena caixão com lixo de jovem morto sem atendimento em SP

Com crime em alta, SP registra um caso de racismo a cada 8 horas

Expulso da piscina de condomínio, estudante africano denuncia caso de racismo na Grande Belém

+ sobre o tema

Homem que cometeu racismo dentro de ônibus é condenado

Ele terá de pagar R$ 15 mil por ter...

‘Que tu fez no cabelo? Tomou choque?’ perguntou o cobrador de ônibus para a universitaria

A universitária Gilvanete Costa, que relata ter sofrido ofensa...

Desembargador Paulo Rangel ministra palestra na Defensoria Pública sobre menoridade penal

Enviado para o Portal Geledés O auditório da Fundação Escola...

5 por dia: Bahia lidera ranking de mortes em ações policiais no primeiro quadrimestre

Enquanto a localização de lideranças criminosas aumentou na Bahia no início...

para lembrar

Educação escolar quilombola traz potencial transformador

Professores, gestores e pesquisadores das cinco regiões do país...

Movimentos sociais protestam em SP contra violência policial no Brasil

  Movimentos sociais se reuniram na terça-feira, em...

Os índios, nossos mortos

Os índios, nossos mortos. O Brasil, país racista e...
spot_imgspot_img

Após ‘discriminação racial’, Lewis Hamilton compartilha postagem em defesa a Bukayo Saka

O heptacampeão mundial de Fórmula 1, Lewis Hamilton, utilizou suas redes sociais para compartilhar um texto em em defesa do jogador Bukayo Saka, da...

Ministério da Igualdade Racial apresenta aprimoramentos da Lei de Cotas no Serviço Público em seminário na Câmara dos Deputados

Nesta terça-feira (11), a Diretora de Políticas de Ações Afirmativas, Layla Carvalho, representou o Ministério da Igualdade Racial no primeiro painel do Seminário Cotas no Serviço Público, na Câmara dos...

Como é a vida para as mulheres no último país da África sob colonização

Ainda hoje há um país africano colonizado. O Saara Ocidental está ocupado pelo Marrocos desde 1976, depois de quase 90 anos de invasão espanhola, e esteve em guerra...
-+=