Por que ser antirracista é tão importante na luta contra a opressão racial?

Enviado por / FontePortal Catarinas

Quinto vídeo da campanha divulgada por LEGH-UFSC e Catarinas cita Sueli Carneiro, Cida Bento e Angela Davis para explicar estratégia de enfrentamento ao racismo

O Laboratório de Estudos de Gênero e História, da Universidade Federal de Santa Catarina, lança nesta quarta-feira (21) o quinto vídeo de sua campanha de divulgação científica em parceria com o Portal Catarinas. A produção intitulada “Antirracismo” explica de maneira sucinta do que se trata o conjunto de práticas e posturas de enfrentamento às estruturas de opressão racial. O objetivo é alcançar especialmente os jovens e adolescentes e conscientizá-los sobre termos e conceitos utilizados nos estudos de gênero, feminismos e sexualidades.

A campanha faz parte dos resultados do projeto “A internet como campo de disputas pela igualdade de gênero” e conta com financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (Fapesc). Ao todo são oito vídeos divulgados nas redes sociais das organizações e no Youtube do LEGH-UFSC. Os vídeos já disponíveis são: “Feminismos”“Gênero”“Interseccionalidade” e “LGBTQIA+”.

Antirracismo

O vídeo ilustra o cenário de desigualdade racial no Brasil usando como exemplo os poderes executivo, legislativo e judiciário, que são compostos majoritariamente por homens brancos. A produção destaca que essa configuração não está relacionada à meritocracia, portanto não se trata de mérito individual – ainda que este argumento não seja descartado em casos específicos – mas sim de toda uma conjuntura que vem desde gerações anteriores.

Acesse também no instagram.

Para contextualizar esse ponto, a produção traz o conceito de “branquitude”, a partir da definição da psicóloga e ativista Cida Bento. Ela nomeia dessa forma o privilégio desfrutado por pessoas consideradas brancas, resultante não apenas da cor da pele, mas também de uma posição de poder historicamente herdada em sociedades estruturadas pelo colonialismo europeu e pelo racismo.

O vídeo explica como a colonização europeia deixou um rastro de desigualdades no país que perdura até hoje. Lembrando que, apesar da proibição do sistema escravagista em 1888, o poder público negligenciou a implementação de políticas de auxílio e garantia de direitos tanto para a população negra quanto para os povos originários.

+ sobre o tema

Iza faz show em live para anunciar gravidez: ‘Parece que o mundo já mudou de cor’

A cantora Iza está grávida de seu primeiro filho....

Foi a mobilização intensa da sociedade que manteve Brazão na prisão

Poucos episódios escancararam tanto a política fluminense quanto a...

Selo Sesc lança Relicário: Dona Ivone Lara (ao vivo no Sesc 1999)

No quinto lançamento de Relicário, projeto que resgata áudios...

para lembrar

O branco ante a rebeldia do desejo: um estudo sobre a branquitude no Brasil

Resumo Esta tese O branco ante a rebeldia do desejo...

Homem branco com ensino médio privado e superior público tem renda maior

Fazer ensino médio em escola privada e universidade pública,...

Monumentos públicos de figuras controversas da história deveriam ser retirados? SIM

Na biografia que dedica ao poeta João da Cruz...

Lélias em movimento

Lélia Gonzalez  é referência internacional nos estudos interseccionais de...
spot_imgspot_img

Polícia Civil de Alagoas prende homem por injúria racial e ameaça

A Polícia Civil, por meio da seção de capturas da Dracco, realizou nesta terça-feira (9), o cumprimento de um mandado de prisão contra um...

SP: Vigilante que sofreu racismo religioso no trabalho deve ser indenizado

Uma empresa de segurança e um shopping foram condenados a indenizar um funcionário que foi alvo de racismo religioso por colegas de trabalho. A...

Brasileiras denunciam racismo em palestra, em Harvard: ‘Tem piolho nas tranças?’

Duas brasileiras relataram ter sofrido racismo em uma das palestras da Brazil Conference no último sábado, na universidade de Harvard, nos Estados Unidos. Naira...
-+=