terça-feira, agosto 11, 2020

    Tag: discriminação e preconceito

    Imagem: Geledes

    Racismo Estrutural – Banco é condenado a indenizar cliente por discriminação racial

    Procedimentos de segurança são intrínsecos à atividade bancária. Não pode, entretanto, a instituição financeira, sob o pretexto de se manter a segurança no interior do estabelecimento, expor o usuário a procedimentos constrangedores. Com base nesse entendimento, o juiz Marco Aurélio Stradiotto de Moraes Ribeiro Sampaio, da 3ª Vara Cível de Jundiaí, condenou um banco a indenizar, por danos morais, um negro que foi impedido de entrar em uma das agências da instituição. O valor da reparação foi fixado em R$ 52.250, o que corresponde a 50 salários mínimos. “É necessário que nesta sentença, para além da indenização em face de técnica processual, reconheça-se o ato de que vítima o autor, discriminação racial a lhe gerar danos civis que se querem aqui desfeitos. E isso porque não pode a sociedade, no estágio atual, continuar a tratar como situação normal a negada questão racial, o tratamento diverso por questão de cor de ...

    Leia mais
    blank

    Racismo e desigualdades: o que há de democrático na Covid-19?

    “Quando a América branca pega um resfriado, a América negra pega pneumonia”, Steven Brown (Urban Institute). Por Emanuelle Goes, Da Catarinas  (Foto: arquivo pessoal da autora) A Covid-19 é democrática? Debates sobre a transmissão do vírus têm levantado essa discussão, que todas as pessoas independentes de raça, classe, gênero estão expostas ao coronavírus da mesma forma. Mas como é possível que em países e sociedades com desigualdades profundas as populações sejam atingidas de maneira igualitária? Ao desembarcar Brasil o novo coronavírus mostrou que não era bem assim, a “patroa” em quarentena transmitiu o vírus para a funcionária que não tinha sido informada de risco de contágio, a trabalhadora doméstica de 63 anos que morreu, sendo o primeiro registro de morte no País. O vírus ao atravessar a barreira racial mata. Aprendo com Grada Kilomba (1) ao dizer que a divisão geográfica resultante dessa coreografia racista pode ser ...

    Leia mais
    blank

    ‘Narcopentecostais’: casos de intolerância religiosa crescem com expansão de facção no Rio

    Só em 2019, até setembro, a Comissão de Combate à Intolerância Religiosa contabilizou 176 terreiros fechados após ataques ou ameaças de traficantes Por Rafael Soares, Da Época Itens sagrados em religião de matriz africana (Foto: Georgenes Sampaio) Aos 23 anos, Wendel Rodrigues Oliveira é um homem de fé. Em 27 de junho, postou no Instagram uma foto da Bíblia em seu colo, com a legenda: “Indo à casa do pai agradecer por cada dia de vida e pela paz que ele vem concedendo à comunidade do Parque (Paulista) e pelo seu povo”. Mas ele é também um homem do crime, e o relógio de ouro na foto com o livro sagrado é só um indicativo de seu poder. Na comunidade que cita em suas preces, o Parque Paulista, um bairro em que moram mais de 30 mil pessoas de Duque de Caxias, no Rio de Janeiro, ...

    Leia mais
    Tribunal de Justiça da Paraíba (TJ-PB), em João Pessoa — Foto: Ednaldo Araújo/TJPB

    Mulher é condenada por injúria após ofender duas candomblecistas na PB

    Uma mulher foi condenada a um ano e nove meses de prisão e 35 dias-multa pelo crime de injúria após ofender duas candomblecistas em março de 2019 na Paraíba. De acordo com os autos do processo, a condenada chamou o casal de mulheres de “macumbeiras, sapatão e pomba gira dos infernos”. Do  G1  Tribunal de Justiça da Paraíba (TJ-PB), em João Pessoa — Foto: Ednaldo Araújo/TJPB A mulher foi denunciada pelo Ministério Público da Paraíba (MPPB) pelos crimes de injúria referente a raça, cor, etnia ou religião, duas vezes. Em depoimento, as vítimas narraram que convivem maritalmente há mais de 13 anos e são da religião do candomblé. Ambas confirmaram que a condenada enviou mensagens para uma testemunha com injúrias à religião das duas. Na sentença, o juiz Geraldo Emílio Porto, da 7ª Vara Criminal de João Pessoa, destaca que os fatos descritos foram comprovados durante ...

    Leia mais
    A minha professora disse que era preciso dominarmos bem a língua francesa | 1985 | Alain Le Saux

    Glotofobia: da discriminação linguística ao racismo pelo sotaque

    A minha professora disse que era preciso dominarmos bem a língua francesa1 Por Graça dos Santos, no Buala A minha professora disse que era preciso dominarmos bem a língua francesa | 1985 | Imagem Alain Le Saux "Na nossa sociedade a linguagem é um instrumento de dominação e de discriminação poderoso e desconhecido. Impor a sua língua como a única aceitável, estimável, razoável e menosprezar, desqualificar, rejeitar uma pessoa pela sua maneira de falar, o seu sotaque ou o seu vocabulário é tão ilegítimo como rejeitá-la pela sua religião, a cor da sua pele ou a sua orientação sexual – as várias discriminações mais ou menos reconhecidas e punidas pela lei em França”2. As discriminações fundamentadas na língua são no entanto ainda largamente ignoradas, embora afetem milhares de pessoas. Estão evidentemente relacionadas com a xenofobia, o racismo ou o menosprezo social, mas a proposta do sociolinguista francês ...

    Leia mais
    blank

    Quem são as 4 jovens congressistas que Trump atacou com mensagens consideradas racistas

    O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, causou uma polêmica racial neste fim de semana ao publicar mensagens no Twitter nas quais pediu que diversas congressistas de minorias étnicas "regressem aos seus países de origem" a fim de consertar os lugares "falidos e infestados de crime". Da BBC Jovens congressistas são especialmente críticas das políticas de Trump (Foto: GETTY IMAGES) Alexandria Ocasio-Cortez, Ilhan Omar, Rashida Tlaib e Ayanna Pressley, todas cidadãs americanas que foram eleitas para a Câmara dos Representantes (equivalente à Câmara dos Deputados do Brasil), acusaram o presidente de ser racista. Em uma entrevista conjunta das quatro à imprensa americana, Pressley afirmou que Trump não conseguirá calá-las e pediu que os americanos "não mordam a isca" do que ela chamou de tentativa de desviar a atenção da opinião pública de problemas internos. "Essa é a agenda dos nacionalistas brancos", disse Omar. Trump não citou ...

    Leia mais
    blank

    Casa de candomblé é derrubada pelo governo do DF; ‘Intolerância religiosa’, diz OAB

    Construção é filial da Casa do Caboclo, entidade fundada em 1975. Governo afirma que área pública sofria 'parcelamento irregular'. Por Marília Marques e Letícia de Oliveira, G1 DF Membros da Casa do Caboclo, no Lago Norte, cantam e dançam ao redor de construção derrubada pelo DF Legal (Foto: TV Globo/Reprodução) Após a derrubada da construção de uma filial do terreiro de candomblé Caboclo Boiadeiro – o centro mais antigo do Distrito Federal, fundado em 1975 – a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-DF) decidiu recorrer do caso por entender que a destruição do imóvel pelo governo foi um "ato de intolerância religiosa". A ação que demoliu a casa de matriz africana no Lago Norte foi organizada pelo DF Legal – antiga Agência de Fiscalização (Agefis) – na segunda-feira (20), mesma semana em que o novo órgão começou a funcionar. Segundo a presidente da Comissão de Liberdade ...

    Leia mais
    blank

    Tratores invadem e destroem área verde de terreiro em Cajazeiras IV

    Polícia Civil vai investigar quem são os responsáveis pelo desmatamento Por Nilson Marinho e Júlia Vigné, Do Correio24Horas Cerca de 3 mil m² de área verde nos fundos do terreiro foram devastados pelas máquinas (Foto: Marina Silva/CORREIO) Sem a permissão e consentimento dos seus donos, o Terreiro Húnkpame Karè Lewí Xwè, localizado na Travessa Heráclito, em Cajazeiras IV, teve 3 mil m² de área verde de seu território sagrado devastados por tratores. Além das espécies arrancadas do solo, como pés de coqueiro, piaçava e canela de velho, o terreiro teve muitas de suas ferramentas ritualísticas destruídas pelo maquinário. Uma perda que, segundo os filhos da casa, é incalculável. “Foram árvores sagradas, assentamentos e materiais de culto, as representações dos orixás. Infelizmente, não temos como recuperar isso. Não temos como recuperar essa área perdida que é o mais importante para gente. O que nós cultuamos ainda é vivo, mas ...

    Leia mais
    blank

    Sem cabelos por causa da quimioterapia, mulher é agredida ao ser confundida com homossexual no Rio

    O caso, que aconteceu neste sábado (24), ganhou notoriedade após um relato do marido de Deborah, Jorge Lourenço, ter sido compartilhado mais de 30 mil vezes no Facebook. Do Portal Fórum Foto: Reprodução/Facebbok Com os cabelos curtos por causa de um tratamento com quimioterapia, a educadora Deborah Lourenço, sofreu ofensas homofóbicas e agressão no Centro do Rio de Janeiro nesse sábado (24). Após mais uma sessão de quimioterapia, Deborah foi até o Centro para tomar um café. Ao estacionar um homem começou a xingar e empurrar a educadora por acreditar que ela era homossexual, uma vez que o tratamento para o câncer de mama ao qual se submete provocou a queda de seus cabelos. O caso, ganhou notoriedade após um relato do marido de Deborah, Jorge Lourenço, ter sido compartilhado mais de 30 mil vezes no Facebook. No texto, Jorge desabafa. Ele diz que mesmo quem ...

    Leia mais
    blank

    São João de Meriti lança campanha contra a intolerância religiosa

    A ialorixá Mãe Martha Britto ainda lembra assustada dos murros que cerca de dez homens encapuzados deram no portão de seu terreiro, a Casa de Oxalá e Oxum, na Venda Velha, em São João de Meriti, Baixada Fluminense. O episódio aconteceu há dois anos. Ela deixava o local com filhos de santo quando foram cercados pelos criminosos. Por Cíntia Cruz Do Racismo Ambiental Foto: Cléber Júnior / Agência O Globo — Eles usavam luvas e toucas ninjas e diziam “Sai, Satanás’’. Tivemos que sair correndo — lembra a religiosa. Para combater e prevenir a intolerância religiosa, será lançada na cidade, dia 25, a campanha “Diga não à intolerância religiosa’’, em defesa da liberdade religiosa, do estado laico e contra o racismo. A cidade ficou em terceiro lugar na região — empatada com Mesquita — em número de registros de casos de intolerância na Secretaria de Estado de ...

    Leia mais
    blank

    Discurso de ódio e preconceito não são liberdade de expressão!

    Recentemente soubemos de mais um caso de discurso de ódio e preconceito disfarçado de liberdade de expressão. Outro exemplo que, caso possua um desfecho exemplar, demonstrará a importância de assumirmos a responsabilidade sobre a emissão de opiniões nas redes sociais e de seus limites. Por Caroline Silveira Bauer Do Dissenso Ilustração: Paola Hiroki Com a execução de Marielle Franco, diversos veículos de comunicação têm se preocupado em identificar as fake news que, mais que notícias falsas, são atentatórias à honra e à imagem da vereadora. Referências à sua vida amorosa, à sua gravidez e ao seu envolvimento com o tráfico de drogas foram sendo desconstruídas por amigos, familiares e pela própria mídia. Esse fenômeno demonstra o perigo que a disseminação irrefletida desse conteúdo nas redes sociais pode ter para o processo eleitoral de outubro próximo. No entanto, gostaria de fazer referência ao caso da desembargadora Marília Castro Neves, que, além ...

    Leia mais
    ISTOC

    7 fantasias para não usar neste Carnaval

    Fantasias de índios, ciganos ou homens vestidos de mulher são muito comuns principalmente no período do Carnaval. Mas você já parou para pensar que esse tipo de vestimenta pode ser machista e preconceituosa, além de se apropriar da cultura de povos marginalizados? No vídeo abaixo, o Catraca Livre listou sete fantasias para você NÃO usar durante a folia. Assista: Do Catraca Livre  1 - Homem vestido de mulher Os homens vestidos de mulher (e até mesmo de noiva) estão por todas as cidades do país no Carnaval. Mas por que está errado? Além de ser machista e desrespeitoso com as próprias mulheres, essa “moda” é preconceituosa contra as pessoas trans e apenas reforça os estereótipos de gênero. 2- Índio ou índia A fantasia de índio ou índia representa uma cultura ampla e diversa, e não apenas um indivíduo, construído no Carnaval de forma estereotipada. De que adianta usar um cocar para curtir o bloco enquanto a população ...

    Leia mais
    blank

    Esclarecer para tolerar

    A intolerância, assim como o racismo, é um fenômeno social construído com o objetivo de cercear os direitos do outro Por Ivanir dos Santos Do O Dia Ivanir dos Santos Comemoramos ontem o Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa. Instituída em 27 de dezembro de 2017, sobre a Lei 11.635, a data rememora o falecimento da yalorixá Mãe Gilda, do terreiro Axé Abassá de Ogum, na Bahia. A sacerdotisa faleceu no dia 21 de janeiro de 2000, após ser acusada de charlatanismo e ver a sua casa ser atacada por motivos de ódio e intolerância religiosa. Diante dos trágicos fatos, buscamos, a cada ano, rememorar Mãe Gilda com demonstrações de respeito, tolerâncias, hombridade e alteridade. Mas, pensando nos múltiplos casos de intolerância religiosa que vêm crescendo assustadoramente na sociedade brasileira e, principalmente no Estado do Rio de Janeiro, os organizadores do livro 'Intolerância Religiosa no Brasil: Relatório e Balanços', em ...

    Leia mais
    blank

    10 mulheres compartilham suas histórias de amor-próprio

    “Sou diferente, sou singular. Não existe ninguém como eu.”  Por Natasha Hinde, do HuffPost Mulheres de várias origens e profissões compartilharam os relatos comoventes e instigantes de suas jornadas de autoaceitação. Harnaam Kaur tem barba, pelo fato de sofrer de síndrome do ovário policístico (POS). Fatemah Dhanji é sujeita a racismo chocante por usar hijab. Joanné Dion foi vítima de bullying por ter albinismo. Elas são algumas das mulheres que vieram a público contar como aprenderam a se amar. Essas dez mulheres incríveis são destaques de uma campanha intitulada "Em Nossa Pele", encomendada pela Stoosh, uma plataforma que incentiva todas as mulheres negras, de origem asiática e de minorias étnicas no Reino Unido a serem autoconfiantes, ter o direito de expressar-se livremente e não sentir que precisam pedir desculpas por ser quem são. Fatemah disse ao HuffPost Reino Unido: "Todas as mulheres que participaram da série fotográfica nos mostram que aprender a ...

    Leia mais
    blank

    Intolerância religiosa: Difamada, Ialorixá abre mão de indenização por retratação

    Quando criou a Umbanda há 108 anos, o fundador Zélio Fernandino de Moraes descreveu duas máximas: a religião brasileira que mistura ensinamentos católicos com a liturgia do culto dos orixás africanos do Candomblé deveria praticar o respeito e a caridade. Respeito é exatamente o que busca a Ialorixá Almerinda de Nanã, que há oito anos dirige a Fraternidade Umbandista Cavaleiros de Aruanda (Fuca), com cerca de 120 membros, localizada no Parque São Cristóvão em Salvador, e que sofreu difamações de uma ex-filha de santo nas redes sociais. Por Cláudia Cardozo / Lucas Arraz Do Bahia Noticias Por conta de um acordo firmado na 3ª Vara dos Juizados Especiais Criminais de Salvador, a ex-frequentadora da casa deverá fazer uma retratação neste sábado (28), às 14h, com a leitura de uma carta, na sede da Fuca. A data, escolhida por Almerinda, é marcada pela festa de Xangô, orixá da justiça. Por mais de ...

    Leia mais
    blank

    Sobre capoeira gospel, bolinho de Jesus e afins

    Tornar a cultura negra palatável é uma estratégia do racismo. O debate sobre apropriação indevida é sério e necessário Imagem retirada do site Carta Capital Por Pai Rodney Do Carta Capital “Lá vem esses pretos intransigentes dizer que branco não pode usar turbante”. Pode, sim. Aliás, deve. O que não pode é esvaziá-lo de significado. No candomblé, estamos acostumados a ver brancos de turbantes, comendo acarajé e dançando com seus orixás. Fazer parte de uma religião negra denota, no entanto, assumir valores culturais ou aceitar uma identidade que difere em muitos aspectos daquilo que pregam a fé cristã e o conjunto de princípios ocidentais. Numa sociedade de consumo, tudo é produto e, ao que parece, há muito tempo se usa uma estratégia para tornar a cultura afro-brasileira palatável: apagar os traços negros, a origem ou qualquer outro elemento passível de rejeição, sobretudo aqueles que de alguma forma remetem ...

    Leia mais
    blank

    ‘Capoeira gospel’ cresce e gera tensão entre evangélicos e movimento negro

    Estavam presentes o berimbau, o atabaque, a ginga e os saltos mortais. Quase tudo fazia lembrar um jogo de capoeira típico, mas, em vez dos cânticos que enaltecem os orixás ou trazem referências à cultura negra, os versos faziam louvor a Jesus Cristo e a roda era alternada com momentos de pregação e oração. Por Mariana Schreiber Do BBC "Não deixa seu barco virar, não deixa a maré te levar, acredite no Senhor, só ele é quem pode salvar", cantavam as cerca de 200 pessoas, reunidas na quadra de uma escola para o "1º Encontro Cristão de Capoeira do Gama" (cidade satélite de Brasília), numa tarde de sábado. Era mais um evento de capoeira evangélica, também chamada de capoeira gospel, vertente que ganha cada vez mais adeptos no Brasil, principalmente por meio da palavra e do gingado de antigos mestres que se converteram à religião. Se antes a prática enfrentava resistência ...

    Leia mais
    blank

    Aplicativo recebe denúncias de violência contra praticantes de religiões afro

    Somente nos últimos dois meses, 32 casos de intolerância e atos violentos foram registrado no Rio de Janeiro Do Em Cansado de ouvir comentários ofensivos e relatos de violência contra praticantes de religiões afro, Léo Akin Olakunde, um candomblecista do Rio de Janeiro se juntou a um amigo e à namorada para criar o aplicativo Oro Orum- Axé eu respeito. A ferramenta recebe denúncias de intolerância religiosa e tem até um botão de SOS para as vítimas. O serviço é gratuito e está disponível a partir desta sexta-feira (13) para download em celulares. O estado do Rio de Janeiro vem registrando um número recorde de ataques a casas de umbanda e candomblé. Somente nos últimos dois meses, 32 casos foram registrados pelo Disque Combate ao Preconceito, um serviço do governo estadual, sendo oito notificados em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense - município com a maior concentração de terreiros. Em dois desses ...

    Leia mais
    blank

    Religiões de matriz africana se unem contra decreto de Crivella no Rio

    Produtores culturais e OAB-RJ também criticam a medida do prefeito do Rio de Janeiro por violação às liberdades fundamentais Por Débora Melo Do Carta Capital Com o temor de que um decreto municipal possa reprimir atividades do candomblé e da umbanda no Rio de Janeiro, representantes das religiões de matriz africana farão um ato ecumênico nesta quinta-feira 24, na Câmara Municipal do Rio, antes de uma audiência pública sobre o tema na Casa. O alvo do protesto, que contará com a lavagem das escadarias da Câmara a partir das 16h, é o decreto 43.219/2017, assinado pelo prefeito Marcelo Crivella (PRB), bispo licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus. Publicado no dia 26 de maio, o decreto institui o programa Rio Ainda Mais Fácil Eventos (Riamfe), sistema digital por meio do qual a prefeitura recebe pedidos e emite autorizações para a realização de eventos na cidade, sejam eles culturais, esportivos, políticos ou religiosos. O texto transfere diretamente ...

    Leia mais
    blank

    Para Juristas, decisão que cerceia candomblé é inconstitucional e se vale de racismo

    O caso de repressão e intolerância religiosa sofrido por uma casa de candomblé localizada em Santa Luzia, região metropolitana de Belo Horizonte/MG, em que a Justiça estipulou um conjunto de regras para a realização dos cultos gerou revolta nas redes sociais e levantou críticas de juristas acerca da laicidade do Estado brasileiro. Do Justificando Na última terça-feira (18), os representantes da religião realizaram um protesto na cidade contra a imposição que determinava que a casa de candomblé poderia executar as atividades somente nas quartas-feiras e em um único sábado do mês, utilizando apenas um atabaque. Em caso de descumprimento das regras, o estabelecimento está sujeito a multa diária de R$100. Vestidos de branco, os representantes se posicionaram em frente ao Ministério Público e pediram por respeito às tradições da cultura afro-brasileira. Para a desembargadora do TJ-SP, Kenarik Boujikian, o caso configura uma“violência gigantesca”. “Nem sei o que dizer (…) não dá pra ter ...

    Leia mais
    Página 1 de 4 1 2 4

    Últimas Postagens

    Artigos mais vistos (7dias)

    Twitter

    Facebook

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist