Homofobia em padaria: Polícia investiga preconceito ocorrido no centro de São Paulo

Enviado por / FonteGuilherme Gama, da CNN

Caso aconteceu na madrugada de sábado (3) e é investigado pela Polícia Civil como “preconceito de raça ou cor” e “lesão corporal”

Nas redes sociais, viralizou um vídeo que registra uma confusão em uma padaria, no centro de São Paulo. Uma mulher grita ofensas homofóbicas e agride um casal de homens que chegava no estabelecimento após uma festa. O caso aconteceu na madrugada de sábado (3) e é investigado pela Polícia Civil como “preconceito de raça ou cor” e “lesão corporal” e foi solicitado exame de corpo de delito às vítimas.

Em entrevista à CNN, uma das vítimas, Rafael Gonzaga, conta que viveu um pesadelo. “Ninguém merece passar por uma situação dessa. Ninguém merece viver o que a gente viveu. Eu estava feliz, só querendo descansar e eu cheguei em casa com o rosto ensanguentado”, relata.

Rafael conta que a confusão começou com uma tentativa de estacionar o carro no estabelecimento. Os homens aguardavam o desembarque de passageiros: um homem e duas mulheres, para adentrar a vaga. A vítima conta que a suposta agressora cruzou os braços no local da vaga e, neste momento, foi retirada pelo homem que a acompanhava para o lado do veículo.

A mulher novamente voltou para frente do carro e empurrou o retrovisor do veículo da vítima e disse: “É só você fechar essa me*** que consegue estacionar”. Após ser contida pelo homem que a acompanhava, ela passou a gritar frases homofóbicas.

A suposta agressora atirou em um cone de trânsito em direção ao casal e o comportamento violento se estendeu para dentro da padaria. “Ela veio para cima da gente com uma série de ofensas, de baixo calão e cunho homofóbico”, afirma Rafael. As vítimas relatam chutes e tapas por parte da suposta agressora, que não teve a identificação divulgada pela polícia.

No boletim de ocorrência, as vítimas relatam que a mulher disse: “Sou homofóbica mesmo, sou da família tradicional, eu tive educação não sou igual aí”, ao agredir o rosto da vítima Adrian com a unha, e com um soco no rosto de Rafael.

Já no exterior da padaria a autora dos ataques ainda teria dito: “Eu tenho uma arma no carro e eu vou resolver essa situação…”. A polícia foi acionada pelos homens, mas não realizou prisão em flagrante.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP), a equipe policial registrou uma notificação de ocorrência, com as versões dos envolvidos, para encaminhamento à delegacia e orientou as vítimas sobre prazo para representação criminal, conforme a Lei 13.964/19.

A ocorrência está sendo investigada na Delegacia de Repressão aos Crimes Raciais contra a Diversidade Sexual e de Gênero e outros Delitos de Intolerância (Decradi).

Em nota, a padaria Iracema informou que lamenta profundamente o acontecido no estabelecimento e repudia veementemente qualquer forma de discriminação e desrespeito. “Informamos que estamos à disposição das autoridades policiais para quaisquer informações e ou depoimentos e que qualquer tipo de intolerância não será aceita em nossas dependências.”

+ sobre o tema

Racismo é tema de filme do cineasta Samuel Fuller

A produção 'Cão Branco' traz a história de um...

Leda Nagle: Piorou ou ficou mais visível?

O racismo fica disfarçado no coração e na mente...

Campanha #seráqueéracismo viraliza com denúncias de preconceito racial; leia relatos

Após algumas campanhas como #meuamigosecreto e #meuprimeiroassédio, o movimento...

para lembrar

Travesti é assediada, ameaçada e agredida em ônibus em Aracaju

Após reclamar de homem que a apalpava, estudante é...

Reações de alunos fazem professores pararem com piadas homofóbicas

Aquelas piadinhas típicas de cursinho pré-vestibular estão com os...

Excluído de concurso por suposta homossexualidade será indenizado

Candidato receberá R$ 100 mil por danos morais Por unanimidade,...

‘Quero mostrar que é possível’, diz travesti cotada a reitora no Ceará

"Para mim é uma felicidade ser a primeira nas...
spot_imgspot_img

Intolerância religiosa representa um terço dos processos de racismo

A intolerância religiosa representa um terço (33%) dos processos por racismo em tramitação nos tribunais brasileiros, segundo levantamento da startup JusRacial. A organização identificou...

Intolerância religiosa: Bahia tem casos emblemáticos, ausência de dados específicos e subnotificação

Domingo, 21 de janeiro, é o Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa. Nesta data, no ano 2000, morria a Iyalorixá baiana Gildásia dos...

Terreiro é invadido 10 vezes e babalorixá denuncia racismo religioso: ‘Fomos perseguidos’

Na reportagem especial deste domingo (22), o Fantástico mostrou que o Brasil tem se tornado mais intolerante quando o assunto é religião. Dados do governo registraram um aumento...
-+=