Curiosidade sobre como vivem pobres alimenta turismo nas favelas

Espetacularização das comunidades constrói zoológicos humanos contemporâneos

No início do século 20, a curiosidade sobre como vivem os pobres já instigava a elite vitoriana, quando os chamados cidadãos de bem visitavam áreas marcadas pela desigualdade.

A prática foi definida como “slumming” pelo dicionário Oxford em 1884. Sem tradução em português, o termo se refere à visitação às áreas pobres das cidades, o que poderia acontecer por filantropia ou curiosidade de se conhecer a miséria do outro. Hoje, a mesma ação pode ser chamada de “turismo em favela“.

A partir dos anos 1990, o termo periferia passou a significar pura e simplesmente pobreza brasileira, palavra acompanhada por um conjunto de estereótipos. Em 1992, a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento, realizada no Rio de Janeiro, amplificou o debate sobre a visita a favelas enquanto destino turístico.

Com o advento de manifestações culturais de valorização e ressignificação das comunidades segregadas, o que antes era visto com temor, receio e distanciamento passou a gerar curiosidade naqueles que assistiam de longe ao retrato desses espaços. Mais do que isso, passou a ser visto como possível objeto de lucro para o governo.

Nesse espaço fetichizado, onde todos querem ver, mas poucos desejam viver, existe, de um lado, o ser “exótico”. Do outro, os corajosos o suficiente para ver os males da pobreza, mas que podem ir embora dali quando quiserem.

No período entre a Copa do Mundo e as Olimpíadas sediadas no Brasil, o Favela Tour, no Vidigal, se consolidou com uma rápida expansão, que começou com a abertura de albergues, bares e restaurantes num curto espaço de tempo.

Nesse contexto, os megaeventos esportivos surgem como uma estratégia do governo para alcançar prestígio internacional, divulgada como revitalização urbana e interesse pelo bem-estar da favela.

Durante os debates promovidos no Vidigal (Fala Vidigal! e 1° Congresso de Turismo de Base Comunitária da Rocinha), parte da população da comunidade declarou a inutilidade de algumas políticas públicas feitas no lugar, e chamaram de obras para “gringo ver”.

Exemplo são os teleféricos construídos pelo PAC (Programa de Aceleração do Crescimento). Os moradores relatam que foram construídos única e exclusivamente para os turistas, já que não têm paradas pela comunidade e é cobrada uma alta taxa para o uso, que não permite sacolas em seu interior.

Atualmente o teleférico do Alemão está fora de operação. O equipamento parou de funcionar em 2016, quando entrou em reforma, e ainda não foi religado.

Se de um lado defensores do turismo em favela relatam a ampliação de vagas de emprego a partir da abertura dos empreendimentos, de outro, mulheres do Vidigal reclamam que as novas vagas de emprego são ocupadas por gente de fora da favela.

Além disso, ao notarem que a comunidade antiga está sendo substituída por estrangeiros e pela classe média, os moradores descrevem um processo de gentrificação e mudança das características culturais do lugar onde vivem.

Sendo assim, para atender e suprir todos os fetiches criados pela mídia, as favelas são bombardeadas por uma realidade inventada, com a implementação das UPPs (Unidades de Polícia Pacificadora) para controlar os espaços e os indivíduos ali inseridos.

As fragilidades e controvérsias do turismo na favela se escancaram quando percebemos as recorrentes negligências aos problemas na comunidade, escondidas por ações que maquiam a ausência de políticas públicas efetivas.

Nesse sentido, não questionamos a ressignificação dos territórios que um dia foram marginalizados, mas denunciamos a perpetuação do racismo e a exploração, disfarçados de ciência e evolução social.

Ainda no Rio de Janeiro, essas práticas de observação se tornaram populares com os chamados zoológicos humanos, hoje colocados sob um passado encoberto.

O imperador do Brasil Dom Pedro 2° inaugurou em 1882 uma exposição no Museu Nacional do Rio de Janeiro. Na ocasião, foram trazidos e exibidos sete indígenas não-tupis, chamados genericamente de “botocudos” pelos colonizadores.

Essas explorações eram apresentadas com discursos de avanço social, alegando que permitiriam a observação de seres “exóticos” e “incivilizados” para a construção de uma análise “científica”.

Financiadas pela cobrança de ingressos por quem tivesse curiosidade atiçada, jaulas eram preenchidas com pessoas africanas e indígenas, então assemelhadas a animais em zoológicos.

Esse fenômeno contribuiu para a construção do outro colonial, espetacularizando populações “selvagens”, transformando-as em mercadoria e representando a milenar prática racista que percebemos no turismo em favela de hoje.

Enquanto os verdadeiros atingidos pelas políticas de reestruturação e integração social nas favelas não estiverem no centro dos debates e planejamento, o que hoje chamam de turismo continuará sendo uma estratégia de exploração para lucrar em face da população preta e pobre, que continua sofrendo com um projeto colonial de abandono.


Camilla da Apresentação

Conhecida como Preta Letrada, é pesquisadora, escritora e comunicadora. Escreve sobre a diáspora africana, buscando o resgate do passado, propagação do presente e construção de futuros possíveis para o povo preto. Graduanda em Direito pela Uneb (Universidade do Estado da Bahia), busca transformar conhecimento em ferramenta de acesso.

+ sobre o tema

Esperança de justiça une mães de vítimas da violência policial no Rio

A longa espera por justiça é uma realidade presente...

Primeira mulher trans a liderar bancada no Congresso, Erika Hilton diz que vai negociar ‘de igual para igual’

A deputada federal Erika Hilton (PSOL-SP) foi aclamada nesta quarta-feira como...

Estrela do Carnaval, ex-passista Maria Lata D’Água morre aos 90 anos em Cachoeira Paulista, SP

A ex-passista Maria Mercedes Chaves Roy – a ‘Maria...

para lembrar

Pacificação na Maré é sinônimo do medo

Não temos a garantia de um dia de paz....

Favela luta para ser reconhecida como humana, para então falar direitos humanos

Escrever sobre direitos humanos sendo da periferia às vezes...

Quem ajudou favela na pandemia foi a própria favela, diz cineasta

A cineasta Naná Prudencio passou os últimos meses circulando...
spot_imgspot_img

Esperança de justiça une mães de vítimas da violência policial no Rio

A longa espera por justiça é uma realidade presente entre as mães de vítimas da violência policial do Rio de Janeiro. Deise Silva de...

Por que ser antirracista é tão importante na luta contra a opressão racial?

O Laboratório de Estudos de Gênero e História, da Universidade Federal de Santa Catarina, lança nesta quarta-feira (21) o quinto vídeo de sua campanha de divulgação...

Moção de solidariedade da UNEGRO ao Vai Vai 

A União de Negras e Negros Pela Igualdade (UNEGRO), entidade fundada em 1988, com  longa trajetória na luta contra o racismo e suas múltiplas...
-+=