Tag: Preconceito

FÁBIO VIEIRA/ESPECIAL METRÓPOLES

Após ser alvo de ataques transfóbicos e racistas, Érika Hilton irá processar 50 pessoas

Érika Hilton (PSOL-SP), vereadora mulher mais votada em todo o Brasil, irá protocolar uma ação nesta quarta-feira (6) contra 50 pessoas que teriam proferido ameaças racistas, machistas e transfóbicas contra ela nas redes sociais. De acordo com a coluna da jornalista Mônica Bergamo, da Folha de S. Paulo, a parlamentar irá requerer que as plataformas Facebook, Twitter e Instagram entreguem os dados dos perfis para que os agressores paguem uma indenização de R$ 10 mil por danos morais. Na ação, os advogados reuniram postagens onde os agressores xingam a parlamentar de “raça imunda, “traveco”, “ser desprezível”, “vagabunda”, “jumenta”, além de ofensas raciais como “cabelo desse serve pra tirar ferrugem de ferro”. “Quando uma mulher negra e travesti passa a ocupar uma função pública de prestígio, ataques em redes sociais são utilizados como tática de intimidação”, destaca um trecho da ação. Érika é a primeira mulher transgênero eleita para a Câmara ...

Leia mais
A parlamentar Laetitia Avia propôs a nova nova lei, enquanto o primeiro-ministro Jean Castex foi ridicularizado por seu sotaque (GETTY IMAGES)

Por que a França pode criminalizar a discriminação pelo sotaque

Imagine um conhecido político, líder de seu partido, em meio a um frenesi de jornalistas e sendo questionado por alguém que tem um forte sotaque. Ele olha para a repórter, como se não tivesse entendido nada, e diz zombando dela: "Desculpe, não entendi uma palavra. Alguém pode me fazer uma pergunta em português adequado?" Chocante, certo? Foi o que aconteceu na França, em uma cena registrada entre Jean-Luc Mélenchon e uma repórter da TV regional francesa. A ofensa cometida por ela? Ter um forte sotaque do sul do país. Jean-Luc Mélenchon pediu desculpas por sua reação, mas se justificou dizendo que a jornalista vinha zombando dele (GETTY IMAGES) Sotaques regionais na França são há muito tempo alvo de um desdém paternalista parisiense. Ai de qualquer pessoa com uma pitada do sul em sua voz que queria crescer em sua carreira na radiodifusão ou na política nacional, ...

Leia mais
Toni Garrido (Foto: Léo Caldas/Instagram @leocaldas)

Em dia de live do Cidade Negra, Toni Garrido fala de preconceito: ‘Às vezes, me sinto ET’

Aos 52 anos, Toni Garrido ainda se sente um garoto em busca de novas experiências. Mesmo admitindo não ser um homem completamente tecnológico, o artista está antenado e entende que as lives passaram a ser uma realidade de sua classe. Tanto é que ele realiza nesta quarta-feira com a banda Cidade Negra seu primeiro show com transmissão online depois do início da pandemia do novo coronavírus. Mas deixa claro que a data, 13 de maio, dia da assinatura da Lei Áurea, é mera coincidência. No bate-papo, o cantor, que também está no ar em “Totalmente Demais” como um professor, afirma que ainda sente o preconceito racial e que, em certos lugares, tem a impressão de ser um ET. Como você tem enfrentado esse isolamento social? Tenho a gratidão de ter uma família e uma casa. De ter a quem olhar e quem olhe por mim. Tenho a minha mãe para ...

Leia mais

Violência, intolerância e a falsa cordialidade dos brasileiros

A escritora e antropóloga Lilia Schwarcz fala sobre a conjuntura política do país e coloca em xeque a imagem de cordialidade projetada pelos brasileiros no exterior Por Marcelo Menna Barreto, Do Extra Classe “A grande ideologia do branqueamento no Brasil esconde uma sociedade de privilégios muito estabelecidos. E são privilégios brancos” (Foto: Renato Parada) Professora titular do Departamento de Antropologia da Universidade de São Paulo (USP) e visitante em Princeton, a escritora e antropóloga Lilia Schwarcz declina do rótulo de historiadora mais importante da atualidade no Brasil. “Agradeço, mas não sou”, avisa a autora de Raça e Diversidade e As barbas do Imperador. Modéstia à parte, seu mais recente trabalho, Sobre o autoritarismo brasileiro (Cia. das Letras, 2019, 280 p.) foi publicado pela Princeton University Press sete meses após o lançamento no Brasil e, agora em abril, será lançado em Portugal pela Objectiva. Doutora em Antropologia ...

Leia mais
Brighton e Chelsea empataram em 1 a 1, nesta quarta-feira (Foto: Getty Images)

Torcedores são presos por racismo e homofobia em Brighton x Chelsea

Os três detidos durante empate em 1 a 1, no dia 1º de janeiro, aguardam julgamento; Paul Barber, executivo do time da casa, declara repugnância aos atos: 'Estamos cansados' No Lance! Brighton e Chelsea empataram em 1 a 1, nesta quarta-feira (Foto: Getty Images) Três torcedores foram presos por ofensas racistas e homofóbicas durante o empate em 1 a 1 entre Brighton e Chelsea, no dia 1º de janeiro, na Amex Arena, pela 21ª rodada do Campeonato Inglês. As detenções foram anunciadas em comunicado do clube do litoral sul britânico, mandante da partida. O Brighton informou que dois homens foram expulsos do estádio por conta de insultos racistas a jogadores do Chelsea, e outro visitante por supostas ofensas homofóbicas em direção a torcedores locais . “Todos os três foram detidos pela polícia fora do estádio e aguardam julgamento”, informou o comunicado. - Mais uma vez nossa ...

Leia mais
ROBERT A TOBIANSKY VIA GETTY IMAGES

O recado da diretora global de diversidade do Facebook para quem lida com preconceitos no mercado de trabalho

Maxine Williams é uma das poucas mulheres negras da empresa e almeja dobrar proporção de minorias nos próximos cinco anos. Por Ana Beatriz Rosa, do Huffpost Brasil Maxine Williams (ROBERT A TOBIANSKY VIA GETTY IMAGES) É fácil reconhecer Maxine Williams em qualquer escritório do Facebook por onde ela passa. Não é somente por ela ser uma das poucas mulheres negras a ocupar uma cadeira, mas por ela ser reconhecida por suas ambições. Responsável pela estratégia global de diversidade da gigante de tecnologia, Williams anunciou uma força tarefa para dobrar o número de mulheres na empresa nos próximos cinco anos. Nos escritórios dos Estados Unidos, ela também quer dobrar o número total de funcionários negros e hispânicos. Isso porque, como a maioria das empresas do Vale do Silício, as decisões no Facebook são tomadas em sua maioria por homens americanos brancos ou asiáticos. No entanto, dados sobre ...

Leia mais
Getty Images/Reprodução

Príncipe Harry diz que ‘preconceito inconsciente’ alimenta racismo

O viés inconsciente pode levar a um comportamento racista mesmo em pessoas que não se consideram racistas. Essa é a opinião do príncipe Harry em uma reportagem que será publicada na revista Vogue britânica. Da BBC Príncipe Harry  (Getty Images/Reprodução) O Duque de Sussex afirmou que esse viés é algo que "muitas pessoas não entendem" e que o preconceito é algo "aprendido com gerações mais velhas, ou através da publicidade, do ambiente em que você vive." "A não ser que percebamos que somos parte deste ciclo, teremos que lutar contra isso para sempre", afirmou. O membro da família real britânica fez os comentários durante uma entrevista com a conservacionista Jane Goodall, que será publicada na edição de setembro da revista Vogue - o volume tem como editora convidada Meghan Markle, mulher de Harry. O assunto do preconceito inconsciente surgiu durante uma conversa sobre crianças – e ...

Leia mais
Foto: Luis Antonio Hangai / Agência RBS

Preconceito: uma luta sem fim

Presidente da Comissão Nacional da Verdade da Escravidão Negra da OAB fala sobre a importância de recontar histórias e promover a reparação social Por Pedro Moraes, no Folha de Londrina   Humberto Adami. (Foto: Luis Antonio Hangai/Agência RBS)   A assinatura da Princesa Isabel marcou uma mudança sem precedentes na sociedade brasileira. Naquele dia 13 de maio de 1888, a Lei Imperial nº 3.353 - popularmente conhecida como Lei Áurea - extinguiu a escravidão no Brasil. O último país das Américas a tomar essa decisão, no entanto, não havia planejado a inclusão dos negros na sociedade. Passados 130 anos, as consequências estão expostas nas páginas de noticiário. O racismo e a desigualdade social são apenas duas das muitas cicatrizes ainda abertas. Numa tentativa de combater tais problemas e aumentar a visibilidade da história dos negros, o conselho federal da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) criou ...

Leia mais
imagem: Trip Transformadores

“Questionar as cotas ou é ignorancia ou é má-fé”

Sueli Carneiro é uma das principais lideranças do movimento feminista e negro do Brasil. Filósofa, doutora em educação e escritora, ela milita nesta área há mais de três décadas e é uma das fundadoras do Geledés – Instituto da Mulher Negra, organização que comemora em 2018 trinta anos de fundação. Por toda sua contribuição na luta contra o racismo e o sexismo, Sueli foi uma das homenageadas do Trip Transformadores 2018, premiação que aconteceu na ultima quinta-feira, dia 22 de novembro. Na conversa com o Trip FM, Sueli reflete sobre as particularidades do racismo no Brasil.  

Leia mais

PRECONCEITO: O que é? Possuímos? Como evitá-lo?

Entre o nascer e o morrer nós somos, e esse ser é perpassado por um torna-se sem cessar. Por isso ninguém poderia se banhar num mesmo rio duas vezes: ao entrarmos, sairmos e retornarmos, as águas já teriam passado e seriam outras e nós mesmos já teríamos, ainda que minimamente, nos transformado também e seriamos outros. Há, portanto, um ser e um estar sendo nesse exato momento e que nos constituem. Mas o que constitui esse ser e esse estar sendo? Por Lucas Jairo C. Bispo para o Portal Geledés  Foto: Reprodução/ YouTube É possível que entre aquilo que nos constitui e o que está nos constituindo existam preconceitos. Em caso positivo, uma das características desses preconceitos na relação conosco é não se apresentarem como preconceitos para nossa consciência. Isto porque, como veremos, na medida em que a consciência percebe um preconceito como um preconceito este se desfaz enquanto um preconceito. ...

Leia mais
Sistema educacional foi inventado pela classe dominante para justificar sua posição na sociedade, disse o sociólogo francês Pierre Bourdieu ( foto: GETTY IMAGES)

O que é o ‘educacionismo’, preconceito muitas vezes ignorado contra pessoas menos escolarizadas

Na primeira vez que pisou em um campus universitário, Lance Fusarelli se sentiu cercado de pessoas que pareciam saber mais do que ele - sobre a sociedade, gracejos sociais e "tudo que era diferente". Por Melissa Hogenboom, da BBC  Sistema educacional foi inventado pela classe dominante para justificar sua posição na sociedade, disse o sociólogo francês Pierre Bourdieu ( foto: GETTY IMAGES) Ele atribui essas diferenças à sua bagagem cultural. Fusarelli não cresceu na pobreza, mas em uma cidade de operários em uma pequena área rural em Avella, na Pensilvânia (EUA). Foi o primeiro de sua família a chegar à universidade - sua mãe engravidou e teve que deixar a escola, enquanto seu pai foi trabalhar em uma mina de carvão ainda na adolescência. Viveu em um ambiente onde poucos continuaram estudando além do ensino médio. Funcionou para ele, que agora é altamente escolarizado - atua como ...

Leia mais

Esta imagem escancara o preconceito e a luta contra ele

Uma propaganda escancarou o preconceito e a intolerância da sociedade, mas os responsáveis pela publicidade reagiram no Catraca Livre Uma propaganda de lingerie mostra qual pode ser o papel da publicidade no combate aos mais diversos tipos de preconceito. Trata-se de um outdoor que exibe peças de roupa íntima da marca Blush, criado pela agência DDB Berlin. Ao contrário das imagens convencionais, que mostram mulheres com medidas e características de beleza padronizadas, a DDB inovou ao colocar um homem usando os trajes. "Para todas as mulheres. Nós dissemos 'todas'", diz o texto que acompanha a imagem, colocada em uma rua da capital alemã na mesma época de eventos pró-LGBT que aconteceriam na cidade, em julho. Infelizmente, o preconceito da sociedade agiu rápido: uma pessoa se dispôs a perder o seu tempo e arrancou o cartaz, de 8 metros quadrados. Ao saber do caso, a marca não se calou. Pelo contrário: fez ...

Leia mais

Projeto registra rotina na África para desconstruir a narrativa clássica sobre o continente

Quando pensamos no continente africano de modo geral, o que nos vem à cabeça, admitamos, é uma coleção de clichês. Mulheres carregando água, crianças esquálidas e famintas, animais selvagens, tribos ancestrais, homens com metralhadoras, violência, misérias absolutas e paisagens naturais deslumbrantes. O próprio fato de pensarmos sobre um continente inteiro de uma mesma forma já ilustra o engano de tal generalização. no Hypeness Pois uma conta no Instagram passou a reunir imagens para tentar desfazer esses estereótipos e demonstrar a evidente variedade de perspectivas e possibilidades que o continente africano oferece. Ginika is on her way to join thousands of Nigerian law graduates called to bar in Abuja, Nigeria. @tomsaater Graduanda de direito na Nigéria O projeto começou da reunião do jornalista Austin Merril com o fotojornalista Peter DiCampo, para registrarem como estava a Costa do Marfim depois de 10 anos de intensa crise. No lugar ...

Leia mais

LEITURAS PERIFÉRICAS: entre conceitos e o desfazer de preconceitos

Encontrar uma definição para o termo periferia que possa abarcar as milhares de periferias do mundo contemporâneo não é uma tarefa simples. Foi tentando encontrar respostas para este desafio que representantes de 15 países se reuniram em uma dos maiores conglomerados de favelas do mundo: o complexo de favelas da Maré. Por Donminique Azevedo do Portal Correio Nagô. A ideia de construção de uma visão convergente – aberta a adesões e contribuições – norteou o encontro, realizado, em meados deste mês, que contou com gente dos EUA, México, Costa Rica, Colômbia, Brasil, Cabo Verde, Guiné Bissau, África do Sul, Portugal, Escócia, Inglaterra, França, Egito, Moçambique, Índia, China e Austrália. A Maré conta com 16 comunidades, cada uma com suas especificidades. Cercada pelas linhas Vermelha, Amarela e pela Avenida Brasil, o conjunto passa por um aumento significativo da poluição. Por outro lado, há uma relação de proximidade das pessoas com a ...

Leia mais

Evangélicos se unem para combater preconceito dentro das igrejas

Em parte por causa do ativismo conservador de alguns líderes evangélicos - especialmente no Congresso Nacional -, pastores e fiéis herdaram uma reputação de intolerância aos olhos dos defensores do Estado laico e dos direitos humanos. Por Gabriela Loureiro, da BBC MAYRA SARTORATO/BBC BRASILImage caption A funcionária pública Laudicéia Reis Silva dos Santos, o pastor Marco Davi e a empreendedora Evelyn Daisy, de grupo de estudos sobre raça e evangelho Para muitos evangélicos, no entanto, a realidade é outra - em diversas vertentes religiosas, existem iniciativas que pretendem evitar a disseminação de ideias preconceituosas e a defesa dos direitos humanos nas igrejas. Em São Paulo, por exemplo, o pastor batista Marco Davi de Oliveira coordena um grupo de estudos sobre raça e evangelho com o objetivo de combater o racismo dentro da igreja, enquanto a pastora metodista Lídia Maria de Lima organiza eventos religiosos para fazer um alerta sobre a violência ...

Leia mais

Voz ativa contra o preconceito, Karol Conka assume o comando do ‘Superbonita’ e finaliza novo disco

‘Os esquisitos também existem’, diz a rapper curitibana que faz show no Rio RIO — O texto no corpo do e-mail era bem claro: a equipe do “Superbonita” queria, sem qualquer sombra de dúvida, Karol Conka como apresentadora da nova fase da atração sobre beleza do GNT, que estreia no dia 6 de março. Ainda assim, a primeira reação da rapper de cabelo rosa-shocking foi achar que alguma coisa estava fora da ordem. De cara, ela entendeu que se tratava de um convite para ser mais uma das entrevistadas de Ivete Sangalo, que comandou o programa em suas últimas quatro temporadas. Por Luccas Oliveira, para O Globo — Eu fiquei muito surpresa. Mas aí conversei com a Fernanda (Novaes, diretora da atração) e perguntei se ela tinha certeza disso. Eu nunca apresentei um programa, mas sempre quis ser apresentadora — conta Karol, que cita Oprah Winfrey e Hebe Camargo como ...

Leia mais

‘Quando cheguei, descobri o que era ser negra’: como africanos veem o preconceito no Brasil

Formada em Letras, a africana de Guiné-Bissau Nádia Ferreira, de 37 anos, conta que cresceu sem pensar sobre a questão racial. Por Gabi Di Bella e Gui Christ Do BBC "Lá eu era uma menina como qualquer outra. Foi no Brasil que a questão da raça despertou em mim. Descobri isso na pele, mas foi bom porque isso só me fortaleceu." Neste 20 de novembro, Dia da Consciência Negra, data que evoca a memória do líder negro Zumbi dos Palmares (1655-1695), a BBC Brasil apresenta a visão de imigrantes de países majoritariamente negros sobre identidade racial e preconceito no Brasil. Ferreira, há 15 anos no Brasil, afirma que a sensação de "estar no lugar errado" - e a posterior "tomada de consciência" - surgiu quando cursava a faculdade na USP (Universidade de São Paulo). "Eu me sentava ao lado de alguém e a pessoa mudava de lugar. Numa sala com 200 ...

Leia mais

Natan sofreu preconceito por causa de seu cabelo e resolve dar recado aos fiscais dos padrões de gênero

O gênero não é natural, mas performado por todas as pessoas. É a espontaneidade que forma a personalidade de uma pessoa, aquilo que lhe é mais essencial e fixo. E se tem algo que definitivamente não é normal é a imposição de um modelo de gênero dominante -- chamamos isso de heteronormatividade. Ou, noutras palavras, “coisas de menino” e “coisas de menina”. por Thaís Cavalcanti no Best News Em tempos de discussões de gênero em alta, algumas pessoas podem até já ter ouvido algo, mas achar que essas discussões fazem parte de um mundo e futuro distante. Até olhar pro próprio presente e observar que crianças -- que não precisam performar um modelo de gênero para atrair as pessoas que elas amam --, só querem fazer o que gostam e se cercarem de pessoas que amam. Criar suas próprias narrativas e entedimentos lúdicos do mundo, sem que para isso precisem interferir ...

Leia mais

Sua opinião vs. preconceitos: Por Stephanie Ribeiro

“Mãe prefiro sorvete de nozes, a sorvete de amora.” Por Stephanie Ribeiro Do Imprensa Feminista Exemplo de sua opinião, algo que só diz respeito a você, é só te atinge como indivíduo. “Cotas raciais são injustas.” “O pessoa do rolezinho tem tudo cara de bandido.” “Negro falando de racismo é vitimista.” “Não tenho nada contra gays, mas não quero um filho gay.” “Tenho nojo de travesti.” ” O pessoal do MST é tudo vagabundo”. “Mulher boa é aquela que se dá o respeito.” “Índio é tudo safado” Etc etc.. Isso não é “sua” opinião, e não use o discurso que você tem liberdade de expressão, pois o que você está fazendo é propagando preconceitos. E como não diz mais respeito a você, mas a terceiros que são indiretamente ou diretamente atingidos, ou seja, não é engraçado, não é piada, não é uma brincadeira e no fundo é muita ignorância. Tudo direcionada ...

Leia mais

Da periferia para a universidade: “Sei que vou sofrer preconceito”

Egressos de escola pública vivem euforia da aprovação em universidades públicas em meio à preocupação sobre como conseguirão se manter em outras cidades e Estados Por Osvaldo de Brito Do Ultimo Segundo A família de Talita Reis ainda está acabando de conseguir o dinheiro para que a jovem viaje até a capital federal para fazer a matrícula na Universidade de Brasília (UnB). Caçula de quatro irmãos e filha de pais que não completaram o ensino médio, a garota é, aos 19 anos, a primeira da casa a chegar no ensino superior. E fez bonito. Conseguiu uma vaga no curso de arquitetura em uma universidade pública. A conquista foi graças à boa nota no Enem. Moradora do bairro dos Pimentas, na periferia de Guarulhos, na Grande São Paulo, ela sempre estudou em escolas públicas. No último ano do ensino médio, os professores indicaram um cursinho comunitário. “Como era gratuito, fiz a inscrição e comecei a frequentar às ...

Leia mais
Página 1 de 3 1 2 3

Últimas Postagens

Artigos mais vistos (7dias)

Twitter

Welcome Back!

Login to your account below

Create New Account!

Fill the forms bellow to register

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Add New Playlist