Torta de climão

A negritude no Brasil ainda é vista como risco, ameaça e demérito. Até quando?

Conversa vai, conversa vem, dia desses uma conhecida relatou o desconforto que sentiu ao ser tratada como “a diferente” durante uma viagem ao exterior.

– Todos os olhares se voltavam para mim, me sentia vigiada, monitorada o tempo todo. Foi estranho e constrangedor, resumiu ela, uma mulher de ascendência italiana, nascida e criada “entre iguais”, no interior de SP.

– Comigo é assim quase todo o dia, com o agravante de que não preciso sair do meu país para ser tratada como “a diferente” ou me sentir vigiada, repliquei.

Estava servida a “torta de climão”.

Charge de Paulo Caruso feita durante o programa Roda Viva, da TV Cultura, em 23 de junho de 2020. A imagem mostra o filósofo Silvio Almeida analisando a relação entre o racismo estrutural e o mundo ao redor – Paulo Caruso

Embora tenhamos avançado em conquistas sociais, é inegável que preconceito e discriminação fazem parte do cotidiano de quem é preto neste país, que, apesar da maioria autodeclarada negra (56%, pelo IBGE), institucionalizou o racismo.

Aos negros brasileiros ainda é negado o pertencimento à própria pátria. Pertencer tem a ver com se sentir acolhido, entendido, aceito, estar incluído, poder frequentar, ser considerado um sujeito de direitos. O que inclui o acesso a bens materiais e culturais, a educação, a saúde, a moradia e a proteção jurídica.

Mas a negritude no Brasil ainda é vista como fator de risco, ameaça, até mesmo demérito. Ou um “defeito de cor”, como instituído no decreto do período colonial que reservava certas profissões aos brancos e impedia que negros assumissem cargos ou funções públicas.

É por isso que médico preto causa espanto, advogado preto é desacatado por policial, intelectual preto é questionado, consumidor preto é seguido por segurança de shopping e de supermercado, trabalhador preto leva surra de um bando de doidos metidos a justiceiros, preto em carro de luxo não escapa de blitz…

Parafraseando Abdias do Nascimento, grande intelectual negro, “Hoje, mais do que nunca, compreendo que nasci exilado de pais que também nasceram no exílio, descendentes de gente africana trazida à força para as Américas”. Até quando?

+ sobre o tema

STF volta a proibir a apreensão de menores sem o devido flagrante nas praias do Rio

Após audiência realizada na manhã desta quarta-feira, em Brasília, o STF determinou...

Adolescente denuncia mulher por agressão e injúria racial em Rio Preto

Um adolescente de 13 anos denunciou ter sofrido injúria...

para lembrar

spot_imgspot_img

STF volta a proibir a apreensão de menores sem o devido flagrante nas praias do Rio

Após audiência realizada na manhã desta quarta-feira, em Brasília, o STF determinou que o Estado do Rio de Janeiro e o município do Rio se abstenham de apreender e...

Adolescente denuncia mulher por agressão e injúria racial em Rio Preto

Um adolescente de 13 anos denunciou ter sofrido injúria racial e ter sido esganado por uma mulher após discutir com o genro dela, em São...

Protocolo negro

Quem é negro costuma cumprir um protocolo ao colocar o pé na rua. Inclui jamais sair sem um documento; não ir ao supermercado com...
-+=