Acusado de estupro, jovem carioca de classe média alta foge e faz ameaças no Facebook

Lutador de artes marciais, ele espancava e, depois, violentava mulheres

Um jovem de classe média alta do Rio de Janeiro teve a prisão preventiva decretada após ser acusado de estupro. O carioca sumiu e atualmente é considerado foragido pela justiça. O Ministério Público acredita que a família do jovem tenha facilitado a fuga.

De acordo com o promotor Eduardo Paes Fernandes, responsável pelo caso, o acusado identificado como Renan Menezes de Souza estuprou pelo menos quatro mulheres. De acordo com denúncias, ele costumava frequentar algumas festas e oferecia carona para meninas na saída dos eventos. Em seguida ele, que é lutador de artes marciais, levava o carro para algum local deserto e violentava as vítimas.

A polícia foi à casa de Renan, uma mansão em Jacarepaguá, na Zona Oeste do Rio, na terça-feira (29) para prendê-lo ,as ele não estava em casa. A suspeita é de que ele tenha fugido para uma casa na Costa Verde. “A família o escondeu, não tenho a menor dúvida. Trata-se de um rapaz de posses, que achava que ia ficar impune. Ele tinha a certeza da impunidade”, explicou a promotor em entrevista ao jornal O Globo.

Ainda segundo a polícia, as vítimas normalmente eram conhecidas ou tinham amigos em comum com Renan. Como costumava levar amigos no carro e deixá-los em casa antes de praticar o crime, as mulheres não desocnfiavam de nada. Sozinha com o acusado no carro, a vítima era espancada e estuprada pelo carioca. Os crimes normalmente aconteciam dentro do condomínio de um dos amigos dele e, em alguns casos, em algum motel.

Ameaças
Recentemente, Renan chegou a publicar conteúdo machista nas suas redes sociais e fez ameaças a uma das mulheres que compartilhou um post em que denuncia o ataque de Renan às vítimas. Ele chegou a dizer à moça que interrogue-o pessoalmente, porque “seria um prazer”.

A investigação do caso acredita que amigos de Renan sabiam das atitudes do rapaz, que pratica o crime a há um ano. “A polícia está fazendo buscas. Esperamos também que as demais vítimas colaborem com a investigação” disse o promotor Eduardo Fernandes, que revelou que das quatro vítimas, duas denunciaram o estupro. “As outras não o fizeram por medo”.

O promotor acredita que o número de jovens violentadas ainda é maior do que o polícia tem conhecimento.

+ sobre o tema

O retorno do goleiro Bruno, entre a ressocialização e o cinismo

Atleta condenado pelo assassinato de Eliza Samudio é novamente...

Conectas cobra apuração rígida de mortes provocadas por ação da PM

Operação em Paraisópolis evidencia descaso da segurança pública com...

Pandemia amplia canais para denunciar violência doméstica e buscar ajuda

Entre as consequências mais graves do isolamento social, medida...

para lembrar

spot_imgspot_img

‘Não’ é ‘Não’, inclusive na igreja

No dia 29 de dezembro, o presidente Lula sancionou a lei do protocolo "Não é Não" (lei 14.786/2023), que combate violência e assédio sexual contra mulheres...

Lula sanciona lei que protege mulheres de violência em bares e shows

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou a lei que cria o protocolo Não é Não, mecanismo de combate ao constrangimento e à...

Estupros em São Paulo aumentam 16,6% em novembro

O número de estupros, incluindo estupro de vulnerável, aumentou 16,6% no estado de São Paulo, passando de 1.088 casos em novembro do ano passado...
-+=