Marido é condenado a 9 anos de prisão por estuprar a própria mulher

Um homem foi condenado a nove anos, quatro meses e 15 dias de reclusão, em regime fechado, por ter estuprado a própria mulher, em Goianira, na região metropolitana de Goiânia. Segundo a juíza Ângela Cristina Leão, responsável pelo veredicto, o “matrimônio não dá direito ao marido de forçar a parceira à conjunção carnal contra a vontade”.

De acordo com dados do processo, a mulher tentava a separação contra o desejo do homem. Brigas entre o casal também foram testemunhadas por pessoas próximas. No caso do estupro, o marido confessou ter ameaçado a mulher com uma faca e xingado-a, tentando constrangê-la.

Na sentença, a juíza afirmou que, embora haja no casamento a previsão de relacionamento sexual, o “referido direito não é uma carta branca para o marido forçar a mulher, empregando violência física ou moral”. “Com o casamento, a mulher não perde o direito de dispor de seu corpo, já que o matrimônio não torna a mulher objeto”, apontou no julgamento.

Em sua defesa, o marido alegou que, apesar da intimidação confessa, sua mulher teria aceitado praticar o ato sexual. Contudo, a juíza explicou que, mesmo sem a vítima oferecer resistência física, o crime de estupro é caracterizado, já que, “de um lado, houve a conduta opressora e agressiva do acusado; de outro, a conduta de submissão e medo da vítima”.

Para a configuração do estupro não há, necessariamente, a coleta de provas físicas que demonstrem lesões ou indícios. “A palavra da vítima é uma prova eficaz para a comprovação da prática, corroborada pelas demais provas e fatos”, como, no caso em questão, o depoimento das testemunhas sobre a conduta agressiva e usual do homem, afirmou Ângela Cristina.

O marido não pode recorrer da decisão em liberdade e está preso na Unidade Prisional de Goianira.

 

+ sobre o tema

Elza Soares: “Ainda me machuca a perda dos meus quatro filhos”

Após mais de 60 anos de carreira, Elza Soares...

Jurema Werneck: ”Somos herdeiras de mulheres que construíram a própria força”

Médica, pesquisadora e fundadora da ONG Criola fala sobre...

Surdo de convença’ por Mãe Stella

Surdo por conveniência Em uma determinada repartição pública de Salvador...

‘Feminicídio é um fenômeno sociológico, e o Estado precisa mudar a cultura dos homens’

A advogada afro-americana Patricia Sellers é especialista em gênero...

para lembrar

Entrevista Silvia Pimentel: Direito, discriminação e a importância do debate sobre gênero na atualidade

Em entrevista à Agência Patrícia Galvão, a professora e pesquisadora...

Mulheres substituíram quase metade dos homens derrubados pelo #MeToo

Há cerca de um ano, acusações sobre constantes episódios...

Fragmentos da luta pela maternidade voluntária no Brasil

Confortada pela vitória do mérito da Arguição de Descumprimento...

Futuro do assassino de Louise será definido a partir de quarta (22/6)

Vinicius Neres, que confessou ter matado a ex-colega de...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=