Adriana Moreira, porta-voz do tempo

Era uma casa verde, habitada por sete mulheres pretas, num bairro de brancos. Um sobrado antigo na Rua Afonso Celso, nº 1.324, na Vila Mariana, em São Paulo. Tinha muros baixos, duas cercas de madeira e um jardim de margaridas. Nas laterais havia longo e estreito corredor que levava ao quintal — onde despontavam uma roseira, um limoeiro e um pé de pitanga. Nesse quintal idílico, em 1976, encontraremos a menina Adriana Aguiar Moreira, no auge dos seus seis anos de idade, brincando e correndo livre junto às irmãs.

Por Bruno Ribeiro, da Revista Opera

Adriana Moreira (Foto: Rafael Fridymann)

Sua brincadeira preferida era promover campeonatos de dança e de canto. Ela era quem se sobressaía. As outras mulheres da casa — sua mãe, duas tias e uma prima mais velha — não davam muita bola aos dotes artísticos da garota. Não que não se importassem com ela, mas apenas passavam a maior parte do tempo entretidas com os afazeres da casa e os assuntos do mundo adulto, sempre tão cheio de problemas.

O primeiro a prestar atenção no interesse da garota pela música foi o avô de Adriana, o professor e jornalista Jayme de Aguiar, único homem e provedor da casa. Ficou viúvo muito cedo e trouxe as irmãs — Maria e Matilde — para morar com ele. Enquanto trabalhava fora, as mulheres cuidavam das tarefas práticas do lar e ajudavam a criar a pequena Lucíola, filha de Jayme, que viria ser a mãe de Adriana.

Aos 50 anos recém-completados, Adriana Moreira descreve o avô da seguinte forma: “Ele tinha alma de poeta. Era um preto retinto, muito culto e asseado, que cheirava à loção pós-barba. Nunca o vi sem camisa ou com a roupa amarrotada, estava sempre de terno e gravatinha borboleta. Foi quem me disse pela primeira vez que eu deveria cantar”.

Continue lendo aqui

+ sobre o tema

Redação do Enem 2015 ‘plantou uma semente’, diz Maria da Penha

O G1 ouviu a vítima de violência que dá...

Considerações sobre o estupro coletivo no Rio de Janeiro

Eu li vários textos sobre o estupro coletivo no...

Jessica Jones e a possibilidade de se enxergar em uma heroína

Como o seriado Jessica Jones ajudou a colocar o...

Homem mata esposa grávida a facadas porque ela não quis fazer jantar

Uma mulher grávida foi assassinada dentro de casa pelo...

para lembrar

Taís Araújo fala sobre feminismo e desabafa: ‘Se a mulher fala não, acabou!’

A cantora e atriz Lellêzinha também participou da conversa. Do...

Carolina Maria de Jesus: Quem foi a escritora que denunciou a fome no país

A intimidade com a fome e a discriminação sentida...

Lançados relatório da Comissão Tripartite e revista do Observatório da Igualdade de Gênero

Foi apresentado nesta quinta (17/12), no auditório da Secretaria...

Há elo direto entre luta dos negros e dos LGBTs, diz Angela Davis

Últimas décadas ensinam que ações coletivas podem produzir transformação...
spot_imgspot_img

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...

Como poluição faz meninas menstruarem precocemente

Novas pesquisas mostram que meninas nos EUA estão tendo sua primeira menstruação mais cedo. A exposição ao ar tóxico é parcialmente responsável. Há várias décadas, cientistas ao redor do...

Leci Brandão recebe justa homenagem

A deputada estadual pelo PC do B, cantora e compositora Leci Brandão recebe nesta quarta (5) o Colar de Honra ao Mérito Legislativo do...
-+=