Mulher negra com renda mensal de R$ 285 é perfil de maioria no Cadastro Único

Ter inscrição no CadÚnico é uma das condições para receber os R$ 600 do auxílio emergencial. Em dezembro de 2018, 2,6 milhões de famílias inscritas no programa tinham renda zero

Por Luisa Fragão, Da Revista Fórum

Foto de uma mão com segurando um celular, no celular mostra o app do auxilio emergencial
(Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil)

A última pesquisa feita do perfil socioeconômico dos brasileiros inscritos no Cadastro Único (CadÚnico), em dezembro de 2018, registrava que 83% das famílias inscritas eram chefiadas por mulheres. Na época, o banco de dados do governo federal para identificar famílias brasileiras de baixa renda somava 68,4 milhões de pessoas inscritas.

Estar no Cadastro Único é uma das condições que o governo federal estabeleceu para receber o auxílio emergencial de R$ 600 durante a pandemia do coronavírus. Além desta, ser Micro Empreendedor Individual (MEI), cumprir o requisito de baixa renda ou ser contribuinte do INSS também são condições para receber o auxílio.

A média de integrantes de cada família era de 2,7 pessoas, número que confronta o imaginário social da classe média de que “pobre tem muito filho”. Ainda, 40 milhões de pessoas cadastradas na época tinham mais de 18 anos e, desses, a grande maioria eram negros (71,5%) e mulheres (62,6%).

A renda familiar era de R$ 285 por integrante e havia 2,6 milhões de famílias com renda zero. O levantamento foi feito pelo pesquisador Guilherme Hirata, da consultoria IDados, com base em informações da Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação(SAGI), do atual Ministério da Cidadania, responsável pelo Cadastro Único.

Com informações do O Globo.

Leia também:

À espera do auxílio emergencial: “A gente vai ficando sem ter o que comer em casa”

Fundo de Apoio Emergencial: Covid-19

‘Pelo preço de um misto quente, dá para alimentar 12 moradores de rua’, diz filósofo que arrecadou R$ 17 mil em doações

+ sobre o tema

STF decidirá se é legal a retirada de fetos em caso de má-formação cerebral

Uma mistura de susto e desconhecimento tomou conta das...

Ana Maria, de 84 anos: A multiartista da Maré

Uma das personagens da edição 19 da revista multimídia...

11 mulheres do cinema Indie para conhecer e ficar de olho

Todo ano desde 1998 a revista “Filmmaker” publica uma lista intitulada...

“Ativismo que cola”: jovens vendem tatuagens feministas para o carnaval do DF

Estampas trazem frases como "Meu corpo, minhas regras" e...

para lembrar

O racismo apaga, a gente reescreve: Conheça a mulher negra que fez história no cinema nacional

Professor, quem são as cineastas negras brasileiras? (..) Silêncio (...) Por Renata...

Foragido, lutador acusado de surrar atriz pornô é suspeito em mais 7 crimes

Jonathan Koppenhaver já tem uma extensa ficha na polícia...

Presa, negra e travesti: devemos ser todas Verônica

Ninguém perde, ou ao menos deveria perder, sua cidadania...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...
-+=