Advogada do DF que usou emoji de banana para responder colega negra vira ré

Denúncia foi feita pelo Ministério Público, que entendeu o uso do do emoji como uma ofensa à honra da vítima

O Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT) tornou ré a advogada Isabela Bueno de Sousa por injúria racial. A mulher teria usado uma emoji de banana em uma conversa de WhastApp para responder uma colega de profissão negra.

A denúncia foi apresentada pelo Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) e aceita pela Justiça na quinta-feira (19/8). “As bananas são historicamente utilizadas como ofensas raciais, uma vez que utilizadas metaforicamente para relacionar pessoas negras aos primatas macacos, reforçando o estereótipo de subalternidade social desse segmento populacional, tratando-se, claramente, de uma ofensa à honra que faz referência à cor e raça da vítima”, afirmou o MP.

No processo, Isabela requereu a decretação de segredo de justiça visando garantir sua integridade física. Porém, o juiz Wellington da Silva Medeiros negou o pedido e disse que “eventuais dissabores porventura sofridos pela ré não decorrem diretamente da existência desta ação penal, mas sim do próprio ato, em tese, por ela praticado, o qual foi, antecipadamente, divulgado na imprensa local, inclusive porque envolveu outras pessoas em grupo de aplicativo de comunicação.” 


Entenda

Na conversa, que ocorreu em 11 de janeiro, a advogada Thayrane da Silva  tinha enviado uma figurinha no grupo e Isabela respondeu com emojis de bananas. Ao questionar do que se tratava, Isabela disse: “Reserva de pensamento. Pensei alto.”

Na sequencia, Thayrane chegou a enviar informações sobre o que é injúria racial e Isabela respondeu: “Banana é a fruta que mais gosto, mas ela representa pessoas sem personalidade. Acho fácil de entender”. Thayrane então fez uma representação criminal na Polícia Civil por injúria racial. 

No dia 14 de janeiro, a Seccional do Distrito Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-DF) emitiu uma nota em que repudiou à ofensa racista e disse esperar que as medidas cabíveis sejam tomadas pela Justiça. “Não se pode aceitar que quem pratica racismo o faz de forma inconsciente, sobretudo, por ser um comportamento socialmente reprovável, de caráter amplo contra todo o coletivo negro, pois a atribuição da imagem de “macaco” aos negros é praxe histórica dos ataques racistas. Aliás, não se pode mais aceitar que o racismo seja algo corriqueiro em nossa sociedade atual”, disse. “Racismo não é mal-entendido. Racismo é crime“, finaliza a nota.

Procurada, Isabela ainda não se manifestou. 

+ sobre o tema

para lembrar

Ex jogador Róbson acusa Antonio Carlos Zago de racismo

Uma nova acusação compromete novamente a vida do técnico...

Primeira bebé do ano em Viena é alvo de ataques xenófobos

Às primeiras horas de vida, Asel já era vítima...

Portugal: Afrodescendentes lutam contra discriminação racial

O combate ao racismo não é tema dominante na...
spot_imgspot_img

Como o diabo gosta

Um retrocesso civilizatório, uma violência contra as mulheres e uma demonstração explícita do perigo que é misturar política com fundamentalismo religioso. O projeto de lei...

Homens, o tema do aborto também é nossa responsabilidade: precisamos agir

Nesta semana, a escritora Juliana Monteiro postou em suas redes sociais um trecho de uma conversa com um homem sobre o aborto. Reproduzo aqui: - Se liberar o...

A falácia da proteção à vida

A existência de uma lei não é condição suficiente para garantir um direito à população. O respaldo legal é, muitas vezes, o primeiro passo...
-+=