Advogado acusa coordenador de escola de racismo e assédio contra alunas adolescentes

Advogado publicou denúncia em rede social; colégio afasta funcionário

Por Thayanne Magalhães, do Tribuna Hoje

239041_ext_arquivo

O advogado e candidato a vereador por Maceió, Welton Roberto, divulgou hoje em uma de suas redes sociais a acusação contra o coordenador de ensino médio do Colégio Contato, identificado como Washington Freitas, por racismo e assédio contra alunas adolescentes.

“Essa história começou dia 18 quando esse homem fez um comentário racista na foto de uma aluna. A menina estava de costas na praia, de biquíni, o namorado dela postou um elogio e em seguida o Washington perguntou se existe sereia preta e se ela tinha tomado banho de petróleo. Vários alunos entraram na conversa sem acreditar no que estavam lendo e a postagem teve mais de quinhentos compartilhamentos”, explicou Welton Roberto.

Quem mostrou a postagem para o advogado foi a sua filha adolescente, Beatriz, que estuda no Contato.

“Ele me mostrou a postagem e me disse que esse cidadão era coordenador da escola. E disse que tinha mais coisas que eu precisava saber, mas somente hoje [19] pela manhã me contou que sofria assédio. Que ele falava de forma inescrupulosa das partes íntimas dela e das outras alunas de 14 a 17 anos. Falava coisas como ‘não consigo me concentrar na aula olhando uma bunda tão grande’. É lamentável”, contou Welton Roberto.

Beatriz e outras alunas do colégio estão juntando provas, como “prints” de mensagens enviadas pelo suspeito, e o advogado deve entrar com um processo na Justiça contra o coordenador e contra a instituição.

“Vamos entrar com o processo porque isso que está acontecendo é muito sério. Vamos processar o Washington enquanto pessoa e a escola por permitir que um homem desses trabalhe com adolescentes, na puberdade com a sexualidade aflorando. Um tarado desses que vive se referindo às partes íntimas das meninas. Eu como pai me sinto revoltado. A gente cuida das nossas filhas, acredita que ela está frequentando um lugar seguro, e nos deparamos com essa situação”, desabafou.

racismo-na-escola

sereia-preta

Contato informa em nota que colaborador foi afastado

Após reunião, o Colégio Contato emitiu nota e informou o afastamento do colaborador Washington Freitas. Apesar de não ter sido notificado oficialmente, o colégio vai acionar os envolvidos para que esclareçam o caso. Até lá, com base no que foi divulgado, a unidade preferiu definir o afastamento do funcionário para “preservar a integridade de nossos alunos, que sempre foi a nossa prioridade”.

A unidade escolar também divulgou no texto que a direção busca nortear na atuação de seus educadores ações isentas de “discriminação racial, religiosa, linguística e atitudes que possam causar constrangimento”. Para o Contato, o principal eixo de aprendizado é o convívio coletivo harmonizado entre todos que fazem parta da instituição, sejam eles alunos, pais, colaboradores ou até a comunidade.

O colégio, com atuação de 23 anos em Alagoas, relata a enorme dimensão que as situações tomam no ambiente digital. “As consequências que um comentário pode causar são de inteira responsabilidade de quem o proferiu”. Para isso, a escola informa que realiza frequentemente ações de conscientização do meio online através de palestras, reunião de pais e debates entre pais e alunos sobre o uso de redes sociais.

“A empresa gostaria de deixar exposto que rejeita qualquer atitude discriminatória e ilegal, e qualquer colaborador que cometa uma infração, fora ou dentro do ambiente da empresa, a partir do momento que a outra parte se sinta prejudicada, deverá ser acionado pelas formas legais”, diz um trecho da nota.

+ sobre o tema

Quem é o dono da “piscina nazista”?

O professor, proprietário da piscina que virou notícia no...

Europa: os medos convocam os monstros

Num continente acossado por desemprego e pressão sobre direitos...

“Raça e racismos”, por Ademir Barros dos Santos

Por Ademir Barros dos Santos, Sorocaba – Em tempos de...

A memória da escravatura é “dolorosa de se ver” e não cabe numa vitrine

Exposição do museu de Arqueologia associa-se a um projecto...

para lembrar

Degredados e racismo, por Fernando Molica

Essa história de atribuir nossas mazelas ao fato de...

Combate ao racismo em 1968: 50 antes e 50 depois

Roseli Fischmann é professora livre-docente sênior da Faculdade de...
spot_imgspot_img

Nem a tragédia está imune ao racismo

Uma das marcas do Brasil já foi cantada de diferentes formas, mas ficou muito conhecida pelo verso de Jorge Ben: "um país tropical, abençoado...

Futuro está em construção no Rio Grande do Sul

Não é demais repetir nem insistir. A tragédia socioclimática que colapsou o Rio Grande do Sul é inédita em intensidade, tamanho, duração. Nunca, de...

Kelly Rowland abre motivo de discussão com segurança em Cannes: ‘Tenho limites’

Kelly Rowland falou à imprensa sobre a discussão que teve com uma segurança no tapete vermelho do Festival de Cannes durante essa semana. A cantora compartilhou seu...
-+=