Aeromoças da Qatar Airways são proibidas de se casar e engravidar; companhia nega

Qatar Airways, uma das maiores companhias aéreas do mundo, tem sido alvo de críticas por supostas regras sexistas para suas comissárias de bordo.

A Federação Internacional dos Profissionais de Aviação (ITF) divulgou nesta semana supostas proibições para as aeromoças que trabalham para a companhia. Para serem contratadas, elas não poderiam estar casadas e precisariam permanecer solteiras por, no mínimo, cinco anos após o início das atividades. Se elas quisessem se casar, teriam de pedir permissão à companhia.

As comissárias também não poderiam engravidar, sob pena de violação de contrato e demissão. A federação ainda relatou “flagrantes de abusos aos profissionais” e disse que a companhia não apresentou progresso desde o último relatório divulgado, 18 meses atrás.

As acusações, no entanto, foram rebatidas nesta teça-feira (18) pelo vice-presidente da Qatar, Rossen Dimitrov. “As comissárias da Qatar Airways não têm que ser ou permanecer solteiras”, disse ao jornal Washington Post. “Muitos de nossa tripulação são, de fato, casados.”

Em defesa, o executivo contou que a tripulação tem que notificar a gestação por razões de saúde e segurança. “Se as funcionárias não podem voar por causa da gravidez, elas são convidadas a encontrar outras posições em solo.”

+ sobre o tema

Lideranças femininas falam sobre seus desafios no simpósio Mulheres, Poder e Sociedade

Para celebrar o Dia Internacional da Mulher, a Pró-Reitoria...

Mulheres alteram rotina por medo da série de assassinatos em Goiânia

Força-tarefa da Polícia Civil investiga 18 crimes cometidos por...

“Serendipidades”, A força histórica na construção literária de Ana Maria Gonçalves

Ana Maria Gonçalves (Foto: Brenda Lígia) Serendipidade: A faculdade ou...

A África do Sul reage à absolvição de Oscar Pistorius

Cerca de 70% dos negros sul-africados queriam ver o...

para lembrar

Baixada Fluminense abre neste mês 1º Festival Literário e Cultural

Com entrada franqueada ao público, o 1°  (Flic) será...

Povos quilombolas querem ocupar espaços na academia

Em depoimentos à TV UFMG, estudantes de comunidades de...

Como a ‘liberdade sexual’ me levou ao abuso

Nenhum homem nunca me estuprou, mas eu me deixei...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=