‘Afrofuturo’, ‘Vidas Negras’ e ‘Ficções Selvagens’ valorizam negritude ao sair da mesmice

Consumir assuntos atrelados à cultura diaspórica africana, afrofuturismo, figuras negras apagadas ao longo da história e relações raciais brasileiras pode ser uma atividade enriquecedora aos ouvintes de podcasts do Brasil, que é líder no ranking mundial de produção do setor, de acordo com dados divulgados pela agência americana Voxnest neste ano.

A cada episódio de “Ficções Selvagens” —programa semanal criado pelo escritor Alê Santos e lançado em novembro—, por exemplo, o ouvinte é levado a uma nova distopia de ficção científica que tem como base a própria realidade contemporânea brasileira. As histórias mesclam, assim, uma série de desigualdades sociais a um intenso desenvolvimento da tecnologia digital, num futuro nada agradável.

Produzido pela Orelo, a obra é uma típica distopia que nos lembra o ensinamento de que nada é tão ruim ao ponto de não poder piorar. O primeiro episódio se passa no ano de 2229 e tem como ponto de partida o polêmico “O Presidente Negro”, de Monteiro Lobato. Nele, os personagens se misturam ao romance do escritor e vivem sob um Estado eugenista, aristocrata e conhecido por um “programa de esterilização de pobres, selvagens e degenerados”.

“A partir de narrativas negras de ficção, podemos humanizar as pessoas negras que o racismo tanto desumanizou ao longo da história”, diz Santos. Ele afirma que, assim como em “Pantera Negra” e outras obras de entretenimento, o programa se conecta com o imaginário negro afrofuturista e surge a partir de seu desejo de inserir a experiência negra nos espaços culturais de ficção científica, que, segundo ele, ainda são predominantemente brancos.

Assim como Santos, a escritora Morena Mariah também se inspirou no movimento afrofuturista para produzir conteúdos na internet sobre cultura africana e afro-brasileira. Seu podcast “Afrofuturo”, lançado em maio, traz entrevistas e reflexões sobre teorias filosóficas, acontecimentos históricos e literatura.

“A minha tentativa é falar de assuntos perenes”, diz ela. “Não quero falar [no podcast] de racismo porque o que está na nossa realidade já é uma distopia, uma destruição do nosso sentido de mundo enquanto povo negro.”

Perspectivas culturais sobre a noção de tempo, o álbum visual “Black Is King”, de Beyoncé, o Quilombo dos Palmares, filosofias sobre o conceito de amor sob perspectivas negras e muitos outros assuntos já foram pautas do programa. Segundo ela, tais temas são pouco explorados porque “a narrativa hegemônica sobre negros fica sempre num lugar de tragédia”.

Com o mesmo desejo de abordar o universo das temáticas negras além da mesmice —de narrativas sobre os horrores do racismo—, o “Vidas Negras”, podcast do Spotify que é produzido pela Rádio Novelo e criado e apresentado pelo jornalista Tiago Rogero, também é mais um dos que imergem em conversas sobre trajetórias e obras de arte de personalidades negras.

Nomes como o da pesquisadora Djamila Ribeiro, colunista deste jornal, da cantora Linn da Quebrada, da escritora Sueli Carneiro, da ativista Anielle Franco, da cantora Teresa Cristina e das atrizes Luana Xavier e Zezé Motta já participaram das conversas do programa semanal.

Logo no primeiro episódio, lançado em novembro, somos levados a questionar o mapeamento genético da nossa ancestralidade e sua relação com a construção do povo brasileiro. Diante do questionamento, tomamos então contato com as histórias de vida das escritoras Carolina Maria de Jesus, autora de obras como “Quarto de Despejo”, de 1960, e “Casa de Alvenaria”, de 1961, e Eliana Alves Cruz, autora de “Água de Barrela”, de 2016, e “Crime do Cais do Valongo”, de 2018.

“Óbvio que o racismo entra nessas histórias, mas no ‘Vidas Negras’ ele é só um elemento. O foco aqui é justamente celebrar essas personalidades e trajetórias tão importantes como estas”, diz Rogero.

FICÇÕES SELVAGENS
Quando Disponível
Onde Orelo
Preço gratuito
Produção Brasil, 2020
Original Orelo
Roteiro Alê Santos
Novos episódios Às sextas-feiras

AFROFUTURO
Quando Disponível
Onde todas as plataformas digitais
Preço gratuito
Produção Brasil, 2020
Original Ola Podcasts
Roteiro Morena Mariah
Novos episódios Às quartas-feiras

VIDAS NEGRAS
Quando Disponível
Onde Spotify
Preço gratuito
Produção Brasil, 2020
Roteiro Tiago Rogero
Novos episódio Às quartas-feiras
Original Rádio Novelo

+ sobre o tema

Vôlei brasileiro tem denúncias de racismo em dias consecutivos, e atletas cobram confederação

A Superliga B, segunda divisão da principal competição de vôlei do...

Balotelli condena racismo e cita Ronaldo, Tyson e Bolt como ídolos

Capa da revista americana Time de novembro, Balotelli...

DJ Lah, do grupo Conexão do Morro, morre em chacina na periferia de São Paulo

Nove pessoas foram baleadas e, dessas, seis morreram em...

Nova filmagem mostra PM se ajoelhando em pescoço de motoboy rendido em SP

Novas imagens mostram um policial militar se ajoelhando no...

para lembrar

Irmã de Luana Barbosa alega racismo e homofobia, e pede ‘júri popular’ a PMs

Testemunhas foram ouvidas na 1ª audiência do caso, marcada...

MP vai investigar caso de racismo na PUC-Campinas

O Ministério Público vai investigar a denúncia de um...

Corregedoria do TJ-PR arquiva processo contra juíza que citou raça ao condenar réu negro

A Corregedoria-Geral do Tribunal de Justiça do Paraná (TJPR)...
spot_imgspot_img

O amor com o sol da manhã

Eu gosto do amor, eu gosto de amar. Inclusive, já escrevi muito sobre o amor nestas páginas, algumas vezes de forma explícita, outras vezes...

Se o Estado perder o controle, o que vai restar?

Cinco pessoas foram mortas durante a 16ª operação policial do ano no Conjunto de Favelas da Maré, nesta terça-feira, 11 de junho. Uma das...

Após ‘discriminação racial’, Lewis Hamilton compartilha postagem em defesa a Bukayo Saka

O heptacampeão mundial de Fórmula 1, Lewis Hamilton, utilizou suas redes sociais para compartilhar um texto em em defesa do jogador Bukayo Saka, da...
-+=