Ahmadinejad diz que libertação de professora francesa foi presente ao Brasil

Florence Reiss foi condenada por espionagem durante os protestos de 2009 em Teerã


Apesar de ainda não ter brindado a diplomacia brasileira fechando um acordo sobre o programa nuclear de seu país, o presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, fez neste domingo (16) um afago no presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Ele disse que a libertação de uma professora francesa presa por dez meses no país era um presente para o Brasil.

 

Florence Reiss foi condenada por espionagem depois dos protestos realizados no ano passado contra o governo.

 

Por meio de um comunicado, o governo francês agradeceu os esforços de Brasil, Síria e Senegal feitos junto ao Irã pela libertação da jovem.

 

Segundo um ministro brasileiro, ao chegar para um terceiro encontro no dia com Ahmadinejad, durante um fórum empresarial, Lula disse ao presidente iraniano em uma sala privada que estava contente por ter visto na televisão imagens de Florence na França.

 

“Foi um presente para o Brasil”, teria respondido Ahmadinejad a Lula, segundo a fonte.

 

Brasil tenta costurar acordo nuclear

O presidente do Brasil visita a República Islâmica até esta segunda-feira (17). Lideradas pelos Estados Unidos, potências ocidentais acusam Teerã de buscar a fabricação de armas nucleares e defendem a aplicação de sanções contra o país persa pela Organização das Nações Unidas (ONU). O governo de Ahmadinejad nega ter tal intenção, e alega querer a energia nuclear para fins pacíficos.

 

Em meio à disputa, o Brasil trabalha para que o Irã alcance uma solução negociada com a AIEA (Agência Internacional de Energia Atômica da ONU), depois que os dois lados chegaram a um impasse sobre a troca de urânio iraniano por combustível nuclear já pronto para o uso.

 

O Brasil, que utiliza a energia nuclear para gerar eletricidade e quer que o Irã tenha o mesmo direito, tenta ganhar espaço na cena internacional ao buscar o papel de intermediário no episódio. A Constituição brasileira veta a construção de armas nucleares.

 

A iniciativa, entretanto, é vista com ceticismo por setores da opinião pública doméstica e outros países. Potências ocidentais chegaram a dizer que o Irã queria ganhar tempo na disputa ao aceitar iniciar conversações com o Brasil.

 

 

Fonte: R7

+ sobre o tema

Bolsonarismo ataca democracia de todas as formas

O risco democrático que o bolsonarismo representa não se...

Abolicionismo do século 21

Por: Edson França Completamos no dia 13 de...

O que pensa o ministro Arthur Chioro sobre a saúde da mulher – por: Fátima Oliveira

Preocupada com o silêncio sepulcral do novo ministro da...

Senador republicano adere a Obama

Folha de São Paulo quarta-feira, 29 de abril de...

para lembrar

Até quando a sabotagem conservadora poderá resistir?

por Saul Leblon A Folha quer ser...

Não temos medo da escuridão, mas ela nos assombra

Resumo: Esta escrita tem como foco descrever a trajetória...

Obama: Vitória do povo americano

Por: LUIZ CARLOS BRESSER-PEREIRA É hora de celebrar a vitória...

Sociedade brasileira é ‘racista’, afirma futuro presidente negro do TST

Primeiro negro eleito para presidir o Tribunal Superior do...

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe fim à saída temporária de presos em datas comemorativas. O líder do governo na Casa, Jaques Wagner (PT-BA),...

Morre o político Luiz Alberto, sem ver o PT priorizar o combate ao racismo

Morreu na manhã desta quarta (13) o ex-deputado federal Luiz Alberto (PT-BA), 70. Ele teve um infarto. Passou mal na madrugada e chegou a ser...

Equidade só na rampa

Quando o secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Cappelli, perguntou "quem indica o procurador-geral da República? (...) O povo, através do seu...
-+=