Alicia Keys sobre objetificação: ‘Olhava capa de revista e quase vomitava’

Alicia Keys confessou que se sentiu objetificada no começo da carreira. Após alcançar o sucesso em 2001, aos 20 anos de idade, com o lançamento do álbum “Songs in a A Minor”, a cantora passou por várias sessões de fotos em que “sentiu que tinha algo errado”.

No Universa

Alicia Keys (Foto: Rob Latour/Shutterstock)

Alicia escreveu sobre a experiência em seu novo livro, “More Myself”, que chega às livrarias dos EUA no dia 31: “‘Abre a sua camisa um pouco’, dizia o fotógrafo enquanto disparava a câmera. Meu espírito estava gritando que havia algo errado ali, que aquilo parecia sujo. ‘Abaixe um pouco a cintura do seu jeans’, ele incentivava”.

“Eu engolia as minhas reservas, colocava o dedo entre os jeans e a minha pele, e obedecia. No dia em que a revista ia sair, eu passava pela banca e via a capa na vitrine. Eu quase vomitava”, lembrou ainda.

Alicia ainda admitiu, no livro, que quase teve “um colapso nervoso” por volta de 2006, preferindo deixar os holofotes para trás por um tempo. “Eu estava construindo a minha vida em torno de uma imagem de perfeição, e isso era muito opressivo”, contou.

“Eu claramente era uma mulher que queria falar sobre verdade, empoderamento e força na minha arte. Mas, quando olhava para mim mesma, percebia que estava usando uma máscara minha vida toda”, escreveu ainda.

Alicia se abriu também sobre a relação com a mãe, que a criou praticamente sozinha. A cantora contou que foi ela quem a ensinou a ter orgulho da sua identidade birracial — a mãe de Alicia era branca, enquanto seu pai era negro.

“Ela me dizia que eu era o melhor de dois mundos. E ela estava certa. Mas, ao mesmo tempo, ela sabia que os Estados Unidos me fariam escolher, então me deu a consciência que ainda é intacta em mim: eu sou uma garota negra”, explicou.

Leia também:

Larissa Luz cancela show com rapper: ‘Objetificação da mulher preta’

Por que a ‘nova Globeleza’ é um avanço para a representatividade das mulheres negras no Brasil

Quem vestiu a Globeleza?

+ sobre o tema

Racismo científico, definindo humanidade de negras e negros

Esse artigo foi pensado para iniciar um diálogo sobre...

“Pérola Negra: Ruth de Souza” traça panorama da carreira da atriz

Mostra que entra em cartaz no CCBB traz 25...

Mylene Pereira Ramos: a juíza que defende maior diversidade na magistratura

“Em nossa sociedade, fatores como raça e condição social,...

para lembrar

Jovem preta é afastada de bebê após nascimento em maternidade de Florianópolis

Manifestantes fizeram um ato na tarde desta sexta-feira (30),...

Discriminação é comum, porém velada, dizem negras desempregadas

Para atendente, oportunidades de emprego são maiores para os...

Eu, mulher, psicóloga e negra

Quando nossa comissão editorial resolveu ouvir psicólogos negros, para...
spot_imgspot_img

Ela me largou

Dia de feira. Feita a pesquisa simbólica de preços, compraria nas bancas costumeiras. Escolhi as raríssimas que tinham mulheres negras trabalhando, depois as de...

“Dispositivo de Racialidade”: O trabalho imensurável de Sueli Carneiro

Sueli Carneiro é um nome que deveria dispensar apresentações. Filósofa e ativista do movimento negro — tendo cofundado o Geledés – Instituto da Mulher Negra,...

Andréia Regina Oliveira Assunção Santos e os desafios da maternidade são destaque do mês no Museu da Pessoa

Quando estava no último ano do curso de administração de empresas, Andréia engravidou pela primeira vez e enfrentou uma série de desafios, como as...
-+=