Aluna processa professora por ministrar curso sobre o feminismo

O caso do processo contra uma professora do curso de História da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc) é a denúncia mais recente de perseguições a docentes debaixo da doutrina do movimento Escola Sem Partido. Segundo nota divulgada pela Associação Nacional de História (ANPUH), que trouxe o caso à tona, a professora Marlene de Fáveri está respondendo a processo por ministrar um curso que tinha como temática o feminismo. A aluna que moveu a ação alega ter se sentido constrangida como “cristã e anti-feminista” pelas aulas.

Do Sul21

De acordo com outra nota, assinada pelos colegas da professora no programa de pós-graduação da Udesc, o processo iniciou em setembro do ano passado. Além de salientar o currículo de Fáveri como pesquisadora, o grupo afirma: “no âmbito deste Programa, nunca houve, de parte de sua coordenação ou de seu corpo docente, qualquer orientação ou ação que desconhecesse direitos fundamentais garantidos por nossa Constituição, tais como os de liberdade de expressão e os de liberdade de consciência ou de crença”.

O grupo de trabalho em Estudos de Gênero da ANPUH também se manifestou a respeito do caso dizendo que ele “evidencia a falácia desse movimento” [Escola Sem Partido]. “O que procuram nos impor não é uma escola sem partido, mas uma escola amordaçada, sem espaço para a informação e o pensamento crítico”, diz a nota.

A autora do processo também é professora de História. Em suas redes sociais, ela compartilha publicamente manifestações contrárias a mulheres transgênero, ao aborto, divórcio, representatividade de mulheres no legislativo e ao voto feminino. Em uma das postagens, ela afirma que “não existe classe mais totalitária que a dos professores”, porque “tudo usam como justificativa falsos cataclismos: aquecimento global, combate ao tabaco, educação sexual, fundamentalismo religioso, epidemia de bullying e etc. Ancorados em ‘assuntos perigosos’ eles se tornam mais perigosos ainda”.

Em uma foto recente compartilhada por ela em seu perfil, a autora do processo mostra que um de seus alunos assinou a folha de chamada como “Bolsonaro”.

+ sobre o tema

Ministério do Turismo notifica 2,1 mil sites em combate à exploração sexual

Ministério do Turismo notifica 2,1 mil sites em combate...

Ministra Luiza Bairros discute parceria com EBC para projetos de valorização da cultura afro-brasileira

Possíveis parcerias terão como propósito a difusão de projetos...

Os brasileiros na Rússia: o assédio sem fronteiras

Em sua nova coluna, Débora Diniz comenta o caso...

Agora, a punição para estupros recairá sobre a vítima

O novo líder do governo na Câmara, deputado André Moura (PSC)...

para lembrar

Brasileiros são destaque em evento da ONU sobre afrodescendentes

Filósofa paulista Djamila Ribeiro fala sobre promoção da igualdade...

MPF recomenda que Big Brother Brasil respeite direitos humanos (UI)

(Última Instância) O MPF (Ministério Público Federal) enviou à...

2ª Marcha do Orgulho Crespo empodera cacheadas de SP

Hot Pente e Blog das Cabeludas se unem mais...
spot_imgspot_img

Mulheres negras têm poder de internacionalizar lutas e reconfigurar a política

Do ponto de vista das lutas históricas em prol das mudanças monumentais que precisam incidir no mundo capitalista, portanto desigual, tornou-se referência inescapável a...

Dia Internacional da Mulher Negra Latino-americana e Caribenha tem marchas em todo o país; confira

Nesta quinta-feira (25), Dia Internacional da Mulher Negra Latino-americana e Caribenha, marchas acontecem em diversas partes do país, como Bahia, Maranhão, Piauí, Pernambuco, São...

ALERJ homemageia escritora Sueli Carneiro com medalha Tiradentes

A filósofa e escritora Sueli Carneiro, ativista do movimento negro, vai receber a Medalha Tiradentes nesta quinta-feira (25), Dia da Mulher Negra, Latino-americana e...
-+=