Aluna que foi estuprada na Universidade de Columbia protesta contra permanência de agressor na instituição

Enquanto seu estuprador frequentar a Universidade de Columbia, em Nova York, Emma Sulkowicz pretende carregar um colchão por onde for.

“Carry That Weight” (“Carregue Aquele Peso”, em tradução livre) é a tese de Sulkowicz em arte visuais e também uma forma de protesto contra as políticas da universidade em relação aos casos de assédio sexual. 

“Carregar um colchão – que também foi onde o estupro aconteceu – pela universidade é um símbolo comovente, significativo e extremamente poderoso”, diz o professor Jon Kessler, orientador do projeto.

“O último ano da minha vida foi realmente marcado por contar para as pessoas o que aconteceu no espaço mais íntimo e privado”, contou ela ao Columbia Spectator.

Ela disse a revista Time que quando reportou o crime à diretoria da universidade, uma das responsáveis por ouvir e por tentar solucionar seu caso questionou “como era fisicamente possível um estupro anal ser consumado”.

“Eu tenho medo de deixar o meu quarto e, ver pessoas que sejam remotamente parecidas com meu estuprador é algo apavorante para mim”, disse ela em entrevista a MSNBC.

Além de Sulkowicz, mais duas estudantes prestaram queixa contra o aluno da instituição, que foi considerado inocente.

“Ele é um estuprador em série”, afirma Sulkowicz.

Ela e mais 22 alunas assinaram uma queixa contra a universidade direcionada ao governo federal, sobre a forma com que a Columbia lida com esses casos. 

De acordo com a política da universidade, a principal prova em casos de crimes sexuais é a “preponderância de evidência”, de forma que um painel composto por profissionais ligados à Columbia precisa ser “convencido de que a agressão aconteceu”.

“A Universidade de Columbia está mais preocupada com a sua imagem do que em manter as pessoas seguras”, critica a estudante.

+ sobre o tema

Por que compreender a interseccionalidade?

Aqui está a afirmação inicial: nós não somos iguais....

Ser mulher é melhor? – Por: JUAN ARIAS

Nós, os homens, sempre nos empenhamos em apresentar a...

Apesar de terem direitos garantidos, gays enfrentam preconceito no trabalho

Domingo foi Dia do Trabalho. Esta data existe para...

para lembrar

“Chega de eunucos”: um teólogo do Vaticano defende o casamento dos padres

Sabe-se lá como o papa vai responder à carta que...

Homem mata ex-esposa e é capturado caminhando tranquilamente na rua

Homem que matou ex-esposa é capturado por parentes da...

Gordofobia: O grande problema é o seu preconceito

Hoje eu acordei com um grande “problema”… Sou estudante,...
spot_imgspot_img

Instituto Mãe Hilda anuncia o lançamento do livro sobre a vida de matriarca do Ilê Aiyê

O livro sobre a vida da Ialorixá Hilda Jitolu, matriarca do primeiro bloco afro do Brasil, o Ilê Aiyê, e fundadora do terreiro Acé...

Centenário de Tia Tita é marcado pela ancestralidade e louvado no quilombo

Tenho certeza que muitos aqui não conhecem dona Maria Gregória Ventura, também conhecida por Tia Tita. Não culpo ninguém por isso. Tia Tita é...

Julho das Pretas: celebração e resistência

As mulheres negras brasileiras têm mais avanços a celebrar ou desafios para travar? 25 de julho é o Dia Internacional da Mulher Negra, Latino-americana e...
-+=