Amazonas é um dos Estados mais racistas, afirma pesquisadora

‘Ele nega e silencia sobre a presença negra nessa região’, sustenta. Os avanços e desafios voltados as políticas públicas para as mulheres  na Amazônia foram apresentados durante o 4º Encontro de Mulheres Afro-Ameríndias e Caribenhas

Por IVÂNIA VIEIRA, do A Crítica 

A tecnologia e a inovação devem ser braços reais no desenvolvimento das políticas públicas na Amazônia e no Brasil de forma mais geral. Somente assim será possível avançar e superar obstáculos tanto no contingente de pessoas a serem alcançadas quanto na efetividade dessas políticas em tempo menor, afirma a pesquisadora e professora Heloísa Helena Corrêa da Silva, da Universidade Federal do Amazonas (Ufam).

Uma das cinco expositoras no 4º Encontro de Mulheres Afro-Ameríndias e Caribenhas, realizado no sábado (25), de 9h às 18h, no Centro Universitário Nilton Lins, Zona Norte, Parque das Laranjeiras, Zona Norte, a pós-doutoranda Heloísa Helena abordou o tema Mulheres da Pan-Amazônica: avanços e desafios apresentando alguns dados da pesquisa que ora realiza. O tema deste ano do  4º encontro discutiu Mulheres Negras nos Espaços de Poder.

Heloísa Helena questiona a ausência da tecnologia e da ciência na implementação das políticas públicas e  considera que esse distanciamento se reflete diretamente na manutenção das desigualdades e da falta de qualificação regionais.

“Temos que desenvolver tecnologias que nos possibilitem inovar e alterar o atual quadro amazônico e pan-amazônico”, defende. “Se queremos lutar por desenvolvimento nessa região, precisamos buscar qualificação nos recursos naturais. Precisamos saber sobre como daremos conta de políticas públicas que contemplem os insumos regionais”.

O protagonismo das mulheres pan-amazônicas na manutenção de valores e de vigor de uma economia informal é um dados que sobressai de acordo com a pesquisadora. “A figura da mulher é majoritária. No Brasil, é olhar com atenção os registros oficiais do Programa do Governo Federal Bolsa Família”.

ÍNDIAS E NEGRAS

Para a professora Otacila Barreto, mestre em Sociedade e Cultura na Amazônia, pela Ufam, a resistência indígena se realiza cotidianamente em várias frentes. “Falo para vocês que estamos resistindo fisicamente, enquanto expressão da cultura e como uma proposta de sustentabilidade”.

Para a educadora indígena, da etnia tucano, a luta dos indígenas tem caráter permanente  e, hoje, “está diante de várias ameaças”, em função dos projetos propostos e em andamento que asfixiam as terras indígenas e impactam duramente o modo de vida dos povos tradicionais. Otacila fez a saudação dela na língua tucano e perguntou quem poderia traduzir o que ela disse. Ali, fora a mãe dela, presente na plateia, ninguém sabia.

Amazonas, o mais racista dos Estados

Estudiosa da história da escravidão africana na Amazônia, a pós-doutora Patrícia de Melo Sampaio, da Ufam, classifica o Amazonas como um dos Estados mais racistas do Brasil porque “nega e silencia sobre a presença negra nessa região”.

Na exposição onde trata do “ser escravo em Manaus no século 19”, Patrícia Sampaio mostra que ao contrário do que ocorreu nas cidades de  Belém e  Maranhão, onde a maioria dos escravizados eram homens, em Manaus as mulheres compunham o maior número.

De acordo com a pesquisadora, para 353 escravizados, mais de 500 negros viveram em Manaus e nunca foram escravos. Para a ela, o silenciamento sobre os pretos do Amazonas mostra uma posição que está vinculada à escravidão como uma marca de pensar o Brasil. Pensamento que ainda é forte e  determina um imaginário para reforçar a negação dos negros no Estado e uma política de branqueamento.

’Ação além do papel’

“Queremos saber o que existe hoje, realmente, de política afirmativa no Estado do Amazonas. No papel tem muita coisa, e sem ser no papel, como ação efetiva, o que tem?”, questiona a ativista ex-metalúrgica Luzarina Varela. Uma das referências da luta pelos direitos da mulher no Estado, Luzarina  se diz cansada e impaciente com as “políticas de papel”, onde tudo é certinho, até bonito enquanto a realidade revela um outro cenário perverso.

Para a presidente da Comissão da Mulher Advogada da Ordem dos Advogados do Amazonas (OAB-AM), Maria Gláucia Barbosa Soares, é preciso avançar muito e sensibilizar os que estão no Poder.

Sem planos 

O secretário de Estado, Justiça e Cidadania do Amazonas (Sejusc), mediadora de uma das duas mesas no 4º Encontro de Mulheres Afro-Ameríndias e Caribenhas, disse que o Estado não tem política específica para as mulheres negras. O que está sendo construído é um plano de ação para as mulheres.

+ sobre o tema

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe...

Por que ser antirracista é tão importante na luta contra a opressão racial?

O Laboratório de Estudos de Gênero e História, da...

Caixa lança edital de concurso com 3,2 mil vagas para técnicos

A Caixa Econômica Federal publicou nesta quinta-feira (22), no...

Depois de um carnaval quente, é hora de pensar em adaptação climática

Escrevo esta coluna, atrasada, em uma terça-feira de carnaval. A...

para lembrar

A fábula das três raças ou o problema do racismo à brasileira – Roberto Da Matta

Alguns trechos para reflexão: O racismo contido na "fábula das...

Lei de cotas no serviço público entra em vigor nesta terça-feira

Medida sancionada por Dilma foi publicada no Diário Oficial...

Lugar de negro é onde ele quiser

Quando se pensa em políticas públicas para os negros...
spot_imgspot_img

Filme de Viviane Ferreira mescla humor e questões sociais com família negra

Num conjunto habitacional barulhento em São Paulo vive uma família que se ancora na matriarca. Ela é o sustento financeiro, cuida das filhas, do...

Quem tem direito de sentir raiva?

A raiva, enquanto afeto humano, legítimo e saudável, é um tema que estou tentando colocar na sociedade brasileira, no debate público, mas encontro tantos...

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...
-+=