América-RN deve indenizar policial

Durante partida do Campeonato Potiguar, o volante Ivo chamou o PM, que protegia o árbitro, de macaco

O América-RN foi condenado a indenizar um policial militar que sofreu racismo do volante Ivo, durante uma partida do Campeonato Potiguar de 2008. Na ocasião, o jogador, que não está mais no time de Natal, chamou Antônio Carlos Pedro Barbosa de “macaco”, quando o policial esbarrou nele acidentalmente, na tentativa de proteger o árbitro. Ao final do jogo, Ivo foi preso em flagrante por racismo. A indenização por danos morais custará ao clube R$ 2 mil, além de 1% de juros de mora ao mês, desde a data do ocorrido.

 

 

Fonte: Rede Bomdia 

+ sobre o tema

SP: região metropolitana registrou mais de 820 chacinas em 40 anos

A cada ano, pelo menos 20 chacinas ou ocorrências...

Aquele que não pode errar

Gosto da arte porque ela tem um poder sobrenatural...

ONU vai investigar violência contra africanos e afrodescendentes no Brasil

O Emler (Mecanismo Internacional Independente das Nações Unidas para Promover a...

para lembrar

Casal negro é acusado de sequestro por estar com criança branca. Vídeo

O caso aconteceu em Magé, na Baixada Fluminense. A...

Diretor de cinema presta queixa contra PM por constrangimento ilegal

Realizador de filme que vai passar em Cannes afirma...

Lupita Nyong’o critica racismo de revista que editou sua foto para alisar seu cabelo

A atriz Lupita Nyong’o, vencedora do Oscar por “12...

Polícia monta operação de combate a ataque neonazista na Parada Gay

Por: Kleber Tomaz   Cerca de 3 mil agentes...
spot_imgspot_img

Unicamp abre grupo de trabalho para criar serviço de acolher e tratar sobre denúncias de racismo

A Unicamp abriu um grupo de trabalho que será responsável por criar um serviço para acolher e fazer tratativas institucionais sobre denúncias de racismo. A equipe...

Peraí, meu rei! Antirracismo também tem limite.

Vídeos de um comediante branco que fortalecem o desvalor humano e o achincalhamento da dignidade de pessoas historicamente discriminadas, violentadas e mortas, foram suspensos...

‘Moro num país racista’, diz empresário que encerrou contrato de R$ 1 mi por ser chamado de ‘negão’

Nem o ambiente formal de uma reunião de negócios foi capaz de inibir uma fala ofensiva, de acordo com Juliano Pereira dos Santos, diretor...
-+=